Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/18156
Título: Carregadores, guias e caçadores: trabalho e resistência na expedição portuguesa ao interior da África (1884 - 1885)
Autor(es): OLIVEIRA, Antônio José Alves de
DINIZ, José Nilo Bezerra
Palavras-chave: Expedição portuguesa
África
Carregadores, guias e caçadores
Data do documento: 2015
Editor: Revista de Ciências Sociais
Citação: OLIVEIRA, A. J. A.; DINIZ, J. N. B. (2015)
Resumo: Durante a segunda metade do século XIX, pulularam expedições científicas na África, auspiciadas pelas então potências europeias, notadamente Inglaterra, França, Bélgica, Alemanha e Portugal. Essas incursões pelo interior do continente só foram possíveis pela presença de centenas de trabalhadores africanos, quer aqueles engajados em atividades logísticas, como o carregamento dos materiais científicos, dos víveres, dos presentes e dos produtos de troca; quer aqueles responsáveis pela caça e pelo preparo dos alimentos, além de intérpretes e guias. A referência aos africanos nas expedições, no entanto, aparece muitas vezes de forma indireta, no que concorre ao êxito do empreendimento – e de forma bastante explícita nas queixas e nas explicações de insucessos –, prevalecendo nos relatos e narrativas de viagens a imagem do “eterno Adão” que vagueia por uma terra nunca antes percorrida, na qual tudo descobre. Este tipo de narrativa de viagem de exploração era amplamente apreciado pelos leitores europeus. Em tais relatos, o narrador toma exclusivamente para si a autoridade da viagem, o que é enfatizado no uso de palavras como o “viajante” ou na suposição de um “nós”, que parece alcançar somente os brancos da expedição. Como salienta Lima Martins, essa autoridade arvorada pelo narrador mesclava-se ao projeto colonizador e imperialista, “a legitimidade do discurso era garantida pelo suposto papel “civilizador” do autor, fosse ele missionário relatando seus atos de conversão de culturas primitivas, hidrógrafo mapeando águas pouco navegadas, naturalista dando ordem de uma natureza indomada” (MARTINS, 2004, p. 48). Neste artigo, analisamos mais detidamente a maneira como os trabalhadores essenciais à viagem de exploração foram representados na narrativa elaborada por Hermenegildo Capelo e Roberto Ivens, em incursão no interior do continente africano, de Angola a Moçambique, ou, para reproduzir terminologia da época, da “Costa à Contra costa”, entre os anos de 1884 e 1885. Guias, caçadores e carregadores assumem um papel primordial na travessia, e uma leitura atenta pode evidenciar uma série de relações no empreendimento das viagens no final do século XIX; a importância atribuída pelos portugueses a tais relações, em contexto de disputas coloniais com outras potências e, principalmente, os fragmentos de vida desses trabalhadores que são escassamente apresentados nos relatos...
Descrição: OLIVEIRA, Antônio José Alves de; DINIZ, José Nilo Bezerra. Carregadores, guias e caçadores: trabalho e resistência na expedição portuguesa ao interior da África (1884 - 1885). Revista de Ciências Sociais, Fortaleza, v. 46, n. 2, p. 93-115, jul./dez. 2015.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/18156
ISSN: 2318-4620
0041-8862
Aparece nas coleções:DCSO - Artigos publicados em revistas científicas

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2015_art_ajaoliveirajnbdiniz.pdf262,2 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.