Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/19659
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorDuarte, Paulo Mosânio Teixeira-
dc.contributor.authorSousa, Maria Margarete Fernandes de-
dc.date.accessioned2016-09-21T16:25:48Z-
dc.date.available2016-09-21T16:25:48Z-
dc.date.issued1998-
dc.identifier.citationSousa, M. M. F.; Duarte, P. M. T. (1998)pt_BR
dc.identifier.urihttp://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/19659-
dc.descriptionSOUSA, Maria Margarete Fernandes de. O aspecto verbal nas formas perifrásticas do Português oral culto de Fortaleza. 1998. 133 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Ceará, Mestrado em Lingüística, Fortaleza, 1998.pt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.subjectLinguísticapt_BR
dc.subjectFormas perifrásticaspt_BR
dc.subjectPortuguês oral cultopt_BR
dc.titleO aspecto verbal nas formas perifrásticas do Português oral culto de Fortalezapt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.description.abstract-ptbrO trabalho ora apresentado versa sobre o aspecto verbal nas formas perifrásticas encontradas no português oral culto de Fortaleza. Inicialmente fazemos uma exposição sobre o que alguns autores entendem por perífrase, de modo a formar uma opinião a respeito das formas perifrásticas que controlamos em nosso trabalho. Em seguida, focalizamos o aspecto, em geral, a fim de examinarmos o corpus, extraído do PORCUFORT. Após estudarmos diversas teorias sobre o aspecto, escolhemos a teoria de Coseriu, baseada no estruturalismo funcional, porque ela parte de dois pontos básicos: a) diferencia Aktionsart de aspecto; b) distingue aspecto de modo. Aplicando a doutrina de Coseriu ao corpus, constatamos a confirmação de algumas de nossas hipóteses, como: a) a riqueza da aspectualidade nas formações perifrásticas com gerúndio, com os verbos auxiliares andar, viver, ficar, ir, vir estar, sendo este último em particular destaque; b) o uso, quase exclusivo, do verbo ter em lugar de haver na formação dos tempos compostos; c) a produtividade de ter (imp.) + particípio, em substituição a tivera, forma simples do pretérito mais que perfeito do indicativo; d) a ausência de algumas formas, como terei feito, tivera feito, fora fazer. Alguns fatos nos surpreenderam: a) o baixo índice de utilização na formação de tempos compostos com ter em relação ao que esperávamos, mesmo porque esse verbo substitui, quase que completamente, o verbo haver, nessa posição; b) o baixo índice de entrelaçamento entre as dimensões temporais e as aspectuais.pt_BR
Appears in Collections:PPGL - Dissertações defendidas na UFC

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
1998_dis_mmfsousa.pdf1,08 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.