Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/34722
Title in Portuguese: Profilaxia antirrábica humana pós-exposição: características dos atendimentos no estado do Ceará, 2007-2015
Author: Cavalcante, Kellyn Kessiene
Florêncio, Caroline Mary
Alencar, Carlos Henrique
Keywords: Profilaxia Pós-Exposição
Raiva
Vigilância Epidemiológica
Issue Date: 2017
Publisher: Journal of Health & Biological Sciences
Citation: CAVALCANTE, K. K. Profilaxia antirrábica humana pós-exposição: características dos atendimentos no Estado do Ceará, 2007-2015. Journal of Health & Biological Sciences, Fortaleza, v. 5, n. 4, p. 337-345, 2017.
Abstract in Portuguese: Introdução: A profilaxia antirrábica pós-exposição é indicada para pessoas expostas ao vírus rábico. Todos os atendimentos devem ser cadastrados na ficha de notificação do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan). O objetivo do estudo foi caracterizar o perfil dos atendimentos antirrábicos humanos no estado do Ceará, no período de 2007 a 2015. Métodos: O estudo é descritivo e transversal. Os dados das fichas de investigação de atendimento antirrábico humano do Ceará foram organizados em planilhas e calculadas as frequências absolutas e relativas das variáveis socioeconômicas e clínicas dos casos atendidos. Resultados: Nesse período, houve 231.694 notificações de atendimentos antirrábicos, sendo 53,4% dos indivíduos do sexo masculino. A faixa etária com maior incidência foi a de 20 a 29 anos (12,9%) e 69,9% dos casos residiam na zona urbana. A espécie agressora predominante foi a canina (70,0%), sendo a mordedura o tipo de agressão mais presente (85,2%), localizada principalmente nas mãos/pés (37,6%). Do total de agressões por cães e gatos, 86,5% eram passíveis apenas de observação, no entanto, o tipo predominante de tratamento foi a observação do animal agressor e a vacina (49,9%). Conclusões: A elevada indicação de tratamento antirrábico sugere que a observação do animal agressor e uma avaliação criteriosa do perfil epidemiológico podem reduzir a prescrição desnecessária de vacina antirrábica humana e o desperdício de recursos. É fundamental que os profissionais de saúde sigam as Normas Técnicas do Ministério da Saúde e atuem de forma integrada para instituir o tratamento antirrábico pós-exposição, com critério e segurança.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/34722
ISSN: 2317-3076
Appears in Collections:DFAR - Artigos publicados em revistas científicas

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2017_art_kkcavalcante.pdf467,8 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.