Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/3484
Título: Sobre a distorção da práxis: em defesa de Thomas Hobbes
Autor(es): Barbosa, Gladson Fabiano Lima
Palavras-chave: Hobbes, Thomas, 1588-1679 - Critica e interpretacao
Aristoteles, 384 322a.C - Critica e interpretacao
Estado
Techné
Data do documento: 2009
Editor: Argumentos Revista de Filosofia
Citação: Barbosa, G. F. L. (2009)
Resumo: Existem muitas questões acerca da perigosa encruzilhada que a humanidade se encontra desde o fim da era medieval: nunca antes em nossa lamentável história, esteve o homem tão confiante em seus próprios poderes que pareça ignorar as conseqüências de suas ações. Especialmente o moderno, devemos perceber. Para ele em particular, o uso indiscriminado da natureza enquanto objeto, traduz a errônea percepção da práxis e da techné gregas, bem como toda a distorção resultante que colaborou com a recorrente ilusão do direito auto-centrado de supremacia sobre a cadeia alimentar. Todavia, para falar a verdade, nem todo moderno deve necessariamente soar como Bacon e seu homo faber. Muitos não soam. Ao menos, no que concerne Thomas Hobbes. Simplesmente pensá-lo como culpado por perpetuar a idéia de domínio do homem sobre a natureza não parece acurado, porque sua preocupação sempre foi a garantia da segurança da vida humana. A tão alegada distorção da práxis da qual alguns filósofos como Hobbes são acusados, não traduz verdadeiramente o seu resgate do valor humano assim como o inestimável lugar da racionalidade em sua teoria política. Não obstante, é nossa proposta investigar esta assunção em favor do correto entendimento do projeto de Hobbes; embora ele tenha incorrido no erro moderno que apontamos antes, não pode ser totalmente culpado por isto, se é que pode. Para prová-lo, vamos explorar os conceitos aristotélicos de práxis e techné tentando demonstrar que Thomas Hobbes não pode ser considerado totalmente culpado pelo engano já mencionado.
Abstract: This article is destined to show that Hobbes cannot be seen as someone who subscribed the conception of homo faber proposed by Bacon. Hobbes certainly upheld the notion that nature is instrumental to human purposes. It will be proved, however, that it is incorrect to assume that he distorted the Aristotelian notions of ‘práxis and téchné’ and that such a distortion contributed to perpetuate the illusion that human beings can indiscriminately act over nature.
Descrição: BARBOSA, Gladson Fabiano Lima. Sobre a distorção da práxis: em defesa de Thomas Hobbes. Argumentos Revista de Filosofia, Fortaleza, ano 1, n. 1, p. 54-62, jan./jun. 2009.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/3484
ISSN: 1984-4255
Aparece nas coleções:PPGFILO - Artigos publicados em revistas científicas

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2009_Art_GFLBarbosa.pdf108,22 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.