Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/3969
Título: Impacto do uso de análogos de GnRH sobre o tecido e metabolismo ósseo de pacientes endometríoticas
Título em inglês: Analogous impact of the use of de gnrh on the fabric and metabolism ósseos of patients endometrióticas
Autor(es): Aquino, Danyelle Craveiro de
Orientador(es): Medeiros , Francisco das Chagas
Palavras-chave: Endometriose
Densidade Óssea
Androgênios
Data do documento: 2005
Citação: AQUINO, D. C. (2005)
Resumo: Este trabalho tem por objetivo avaliar mulheres portadoras de endometriose em uso de análogos de GnRH investigando o metabolismo ósseo e massa óssea através da dosagem de marcadores séricos e realização de ultra-sonometria do calcâneo, respectivamente. Trata-se de estudo observacional transversal tipo caso – controle prospectivo. Foi desenvolvido na Maternidade-Escola Assis Chateaubriand (MEAC) – UFC. Foram avaliadas 99 mulheres, divididas em 3 grupos, sendo 32 portadoras de endometriose diagnosticada cirurgicamente e tratadas com goserelina 3,6mg SC a cada 28 dias (4 doses) – grupo endometriótico. O segundo grupo foi composto de 25 mulheres não endometrióticas e no menacme (controle negativo). O terceiro grupo foi composto de 42 mulheres não endometrióticas e menopausadas por no mínimo dois anos, os dois últimos grupos sem uso de medicações. Foi realizada avaliação óssea através da ultra-sonometria do calcâneo com o aparelho Achilles, da Lunar®, sendo determinado o “stiffness” de cada grupo (uma combinação de velocidade do som e grau de atenuação ultra-sonográfica), juntamente com as dosagens séricas de magnésio, fosfato, uréia, creatinina, cálcio, fosfatase alcalina (FA), PTH, cortisol e hidroxiprolina, além das dosagens de cálcio urinário, cálcio urinário/creatinina, e hidroxiprolina/creatinina. O grupo endometriótico somente foi submetido a esta avaliação após o uso da medicação. A análise estatística foi realizada pelo programa SPSS for Windows 11.0.0. As dosagens de FA, cálcio urinário e cálcio urinário/creatinina foram semelhantes no grupo endometriótico (40,8±7,7U/mL; 47,15±10,8mmol/L; e 78,76±23,0, respectivamente) e no grupo menopausado (38,65±5,1U/mL; 36,8±4,3mmol/L; e 55,21±8,21, respectivamente) além de significativamente superiores aos do grupo no menacme (28,5±2,54U/mL; 26,4±3,4mmol/L; e 39,52±7,7, respectivamente). As dosagens de PTH do grupo endometriótico (23,99±3,35nmol/L) foram semelhantes as das mulheres no menacme (29,15±4,09nmol/L), ambas sendo significativamente menores que as mulheres menopausadas (41,14±3,7nmol/L). As demais análises foram semelhantes entre os grupos. Na avaliação óssea o “stiffness” foi similar entre o grupo endometriótico (88,16±2,86) e as mulheres menopausadas (83,70±1,8), sendo ambos significativamente inferiores às mulheres no menacme (97,02±1,46). Conclui-se que as portadoras de endometriose após tratamento com goserelina apresentaram intenso metabolismo ósseo e piora no padrão do tecido ósseo avaliada pela ultra-sonometria do calcâneo aproximando-se do quadro encontrado em mulheres menopausadas há pelo menos dois anos. Não se pode afirmar, no entanto, se tais alterações são devidas exclusivamente ao uso do análogo do GnRH ou somam-se à própria manifestação da endometriose. Sugere-se que a endometriose e o uso de análogos do GnRH sejam considerados como fatores de risco para o desenvolvimento de osteoporose, principalmente se associados a uma história de uso crônico de corticóides a qualquer época da vida.
Abstract: This research had as an objective of evaluate endometriotic women treated with GnRH analogues by investigating their bone turnover and bone structure using serum bone turnover markers and calcaneous ultrasonometry, respectively. This is a transversal, observational, prospective case–control study. It was developed at Maternidade-Escola Assis Chateaubriand (MEAC) – UFC. Ninety nine women, divided into three groups were analyzed. Thirty two endometriotic women were treated with goserelin 3,6mg SC 28/28d (4 doses) – Endometriotic group. Their disease had been confirmed by surgery. The second group had twenty five non endometriotic women and having menses (control group). The third group had 42 not endometriotic menopausal women, they were at menopause at least for 2 years. The latest two groups were not taking any treatment. The Achilles device from Lunar, had being used to analyse the bone structure through calcaneous ultrasonometry. We calculated the “stiffness” value for each group (a combination of sound velocity and ultrasonographic attenuation), and we also analysed the values of magnesium, phosphate, urea, creatinine, serum calcium, alkaline phosphatase (ALP), parathyroid hormone (PTH), cortisol, hydroxyproline, urinary calcium, urinary calcium/creatinine, and hydroxyproline/creatinine. The endometriotic group was evaluated only after the treatment. The statistical analysis had being done by SPSS program for Windows version 11.0.0. The values of ALP, urinary calcium and urinary calcium/creatinine were similar to endometriotic group (40.8±7.7U/mL; 47.15±10.8mmol/L; and 78.76±23.0, respectively) and to menopausal group (38.65±5.1U/mL; 36.8±4.3mmol/L; and 55.21±8.21, respectively) although significantly higher than control group (28.5±2.54U/mL; 26.4±3.4mmol/L; and 39.52±7.7, respectively). The values of PTH from endometriotic group (23.99±3.35nmol/L) were similar to control group (29.15±4.09nmol/L), and both were significantly lower than menopausal one (41.14±3.7nmol/L). The other values were equal between groups. At the evaluation of bone “stiffness” the values were similar between endometriotic (88.16±2.86) and menopausal groups (83.70±1.8), and both were significantly lower than control group (97.02±1.46). Concluding the endometriotic women who received treatment with goserelin showed an intense bone metabolism and a bone deficit at calcaneous ultrasonometry almost like women at post-menopausal at least two years. Therefore, we can not affirm if these alterations were caused exclusively by the GnRH-analogue therapy or were influenciated by endometriosis itself. We suggest that endometriosis and treatment with GnRH analogues might be considered as risks factors for the development of osteoporosis, principally if they are associated with chronic corticoid treatment at any point in a lifetime.
Descrição: AQUINO, Danyelle Craveiro de. Impacto do uso de análogos de GnRH sobre o tecido e metabolismo ósseos de pacientes endometrióticas. 2005. 131 f. Dissertação (Mestrado em Tocoginecologia) - Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Medicina, Fortaleza, 2005.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/3969
Aparece nas coleções:DSMI - Dissertações defendidas na UFC

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2005_dis_dcaquino.pdf1,62 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.