Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/49612
Title in Portuguese: Educação ambiental e cultura de paz: pensando nos parques e zoológicos como locais de diálogo
Author: Aragão, Priscila Cristina Marques
Albuquerque, Luiz Botelho
Keywords: Educação ambiental
Cultura de paz
Espaços públicos
Parques urbanos
Educação para a paz
Issue Date: 2012
Publisher: Edições UFC
Citation: ARAGÃO, Priscila Cristina Marques; ALBUQUERQUE, Luiz Botelho. Educação ambiental e cultura de paz: pensando nos parques e zoológicos como locais de diálogo. IN: MATOS, Kelma Socorro Alves Lopes de (org.). Cultura de paz, ética e espiritualidade III. Fortaleza, CE: Edições UFC, 2012. p. 229-240.
Abstract in Portuguese: Esse artigo se propõe a estabelecer uma ponte entre os parques e zoológicos e a educação ambiental e cultura de paz, tentando refletir sobre aspectos que direcionam nossa prática e que podem melhorar nossa relação, como cidadãos urbanos, com o meio ambiente que nos envolve e do qual fazemos parte. Os parques e zoológicos emergem na atualidade como locais importantes para se pensar, discutir e desenvolver a temática ambiental. Tais espaços são geralmente apresentados como locais próximos aos centros urbanos, e que são responsáveis pelo resgate da relação harmônica entre a natureza e o ser humano, indiscutivelmente parte dela, mas infelizmente distanciado pelo estilo de vida moderno. A educação ambiental vem transformar essa relação, trazendo novos significados ao modo como a humanidade percebe e se envolve com as áreas verdes, tendo em vista a necessidade de assimilar a problematização das questões ambientais e incorporar os parâmetros sociais, culturais e históricos ao cotidiano dos centros urbanos, pois este é um espaço caracterizado por contradições e conflitos. Dialogamos também com a educação para a paz, como uma maneira de valorizar e enriquecer o aspecto afetivo na reconstrução dessa relação homem e ambiente, fortalecendo valores como tolerância, solidariedade, autonomia, autoafirmação e o enfrentamento não violento dos conflitos. Os parques urbanos surgiram na Europa em meados do séculos XVIII e XIX, com o objetivo de amenizar os impactos ambientais provocados pelo crescimento desordenado e acentuado das cidades. Desse modo, os parques foram idealizados como locais para atender a demanda por lazer e amenizar a poluição das cidades. No Brasil, os parques urbanos surgiram no final do século XVIII e início do século XIX. Como a realidade brasileira na época era bem distinta da europeia, os parques surgem com o objetivo de propiciar espaços de lazer adequados para a elite local (LIMA;ROCHA, 2009). Já no início do século XX, aparecem em números muito mais significativos os jardins, praças e parques arborizados, principalmente nas cidades enriquecidas com o café, especialmente no estado de São Paulo (GOMES; SOARES, 2003)[...]
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/49612
metadata.dc.type: Capítulo de Livro
ISBN: 978-85-7282-530-6
Appears in Collections:DTPE - Capítulos de livro

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2012_capliv_pcmaragaolbalbuquerque.pdf7,07 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.