Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/57342
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.advisorCosta, Maria Clélia Lustosa-
dc.contributor.authorLima, Ana Letícia Freitas-
dc.date.accessioned2021-03-18T17:43:10Z-
dc.date.available2021-03-18T17:43:10Z-
dc.date.issued2020-
dc.identifier.citationLIMA, Ana Letícia Freitas. Envelhecer na cidade: desigualdades socioeconômicas e apropriação dos espaços públicos da orla de Fortaleza – CE. 2020. 136 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Centro de Ciências, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2020.pt_BR
dc.identifier.urihttp://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/57342-
dc.description.abstractPopulation aging is an inexorable phenomenon that occurs on a global scale, although it affects countries in different intensities, being in sync with their respective levels of social and economic development. According to census data collected by the Brazilian Institute of Geography and Statistics (IBGE), the elderly population in Brazil in 1980 corresponded to 6.7% of the country's total population; in the following census, 1991, this percentage rises to 7.2%; in the 2000s, the elderly population reached 8.2% of the Brazilian population; and, finally, the last census conducted in 2010, registered a percentage of 10.5%. For the year 2020, the IBGE estimates that there will be a growth of 32.7%, with this age group representing 14.2% of the total number of inhabitants in the country. Thus, as the imminence of this process is verified, and that in contemporary times people live mostly in the cities, this research aims to meet the elderly residents and / or regulars on the Fortaleza’s coast, as well as the activities carried out in leisure spaces on the coast, seeking to understand how this population, at different socioeconomic levels, appropriates these spaces. The methodology used is based on three stages, initially the bibliographic review on the subject under study; subsequently, the collection of secondary data, mainly of a population and infrastructure nature; and finally, the field stage with the production of primary data through the performance of semi-structured interviews with the elderly population of three sectors of the Fortalezense coast. This cut uses the methodology applied by the Human Development Atlas: Barra do Ceará I, Meireles I and Praia do Futuro - Hunting and fishing / March 31, which have boardwalks as leisure spaces in common, but are also marked by social contrasts and income disparities. Access and full enjoyment of the city are anchored in a social construction rooted in the life history of individuals. It is concluded, therefore, that the elderly with lower income and education, maintained throughout their lives a relationship of work and leisure with the coastal spaces of the city, with the former clearly overlapping the latter with regard to the time allocated to carrying out such activities. Thus, there was no construction of habits that directly associated physical activity, leisure, sociability in these spaces with quality of life and an active and healthy aging. The elderly with the highest income, who are able to satisfactorily meet their biological, social and self-fulfillment needs, which in our research segment, live primarily in the HDU of Meireles, have a greater diversity of options with regard to access to spaces , activities and services that help to maintain their autonomy, health and quality of life. In relation to the most underserved elderly, there is a dependence on State or NGO's initiatives. Therefore, it is necessary that the policies created meet the multiple demands, so that all, but above all, the most vulnerable can age in an active and healthy way, finding in the city mechanisms that guarantee autonomy, achievement and quality of life.pt_BR
dc.language.isopt_BRpt_BR
dc.subjectEnvelhecimento populacionalpt_BR
dc.subjectDesigualdades socioeconômicaspt_BR
dc.subjectApropriaçãopt_BR
dc.subjectEspaços públicospt_BR
dc.subjectLazerpt_BR
dc.titleEnvelhecer na cidade: desigualdades socioeconômicas e apropriação dos espaços públicos da orla de Fortaleza – CEpt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.description.abstract-ptbrO envelhecimento populacional é um fenômeno inexorável que se dá em escala global, ainda que, atinja em intensidades distintas os países, estando em sincronia com seus respectivos níveis de desenvolvimento social e econômico. Segundo dados censitários levantados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a população idosa no Brasil em 1980 correspondia a 6,7% da população total do país; no censo seguinte, 1991, esse percentual sobe para 7,2%; já nos anos 2000, a população de idosos chegou a 8,2% da população brasileira; e, finalmente, o último censo realizado em 2010, registrou um percentual de 10,5%. Para o ano de 2020, o IBGE estima que haja um crescimento de 32,7%, passando esse grupo etário a representar 14,2% do número total de habitantes do país. Assim, constatado a iminência desse processo, e de que na contemporaneidade as pessoas vivem majoritariamente nas cidades, esta pesquisa visa conhecer os idosos residentes e/ou frequentadores da orla de Fortaleza, bem como as atividades realizadas nos espaços de lazer no litoral, buscando compreender como esta população, em diferentes níveis socioeconômicos, se apropria destes espaços. A metodologia empregada se pauta em três etapas, inicialmente a revisão bibliográfica sobre a temática em estudo; posteriormente, o levantamento de dados secundários, sobretudo de natureza populacional e infraestrutural; e por fim, a etapa de campo com a produção de dados primários através da realização de entrevistas semiestruturadas com a população idosa de três setores do litoral Fortalezense. Este recorte utiliza a metodologia aplicada pelo Atlas de Desenvolvimento Humano: Barra do Ceará I, Meireles I e Praia do Futuro - Caça e pesca/31 de Março, que têm os calçadões como espaços de lazer em comum, mas também são marcados pelos contrastes sociais e disparidades de renda. O acesso e usufruto pleno da cidade estão ancorados em uma construção social com raízes na história de vida dos indivíduos. Conclui-se, portanto, que os idosos de menor renda e escolaridade, mantiveram ao longo de suas vidas uma relação de trabalho e lazer com os espaços litorâneos da cidade, sendo que nitidamente a primeira se sobrepunha a segunda no que tange ao tempo destinado à realização de tais atividades. Desse modo, não houve a construção de hábitos que associassem diretamente a atividade física, o lazer, a sociabilidade nesses espaços à qualidade de vida e um envelhecimento ativo e saudável. Já os idosos de mais alta renda, que conseguem suprir satisfatoriamente suas necessidades biológicas, sociais e de autorrealização, que no nosso recorte de investigação, residem primordialmente na UDH do Meireles, dispõem de maior diversidade de opções no que tange ao acesso à espaços, atividades e serviços que auxiliam na manutenção de sua autonomia, saúde e qualidade de vida. Em relação aos idosos mais desabastecidos, percebe-se uma dependência das iniciativas do Estado ou de ONG’s. Portanto, é mister que as políticas criadas atendam às múltiplas demandas, para que todos, mas sobretudo, aqueles mais vulneráveis possam envelhecer de forma ativa e saudável, encontrando na cidade mecanismos asseguradores de autonomia, realização e qualidade de vida.pt_BR
dc.title.enAging in the city: socioeconomic inequalities and appropriation of public spaces in Fortaleza's coastpt_BR
Appears in Collections:DGR - Dissertações defendidas na UFC

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2020_dis_alflima.pdf7,23 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.