Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/7951
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.authorCorreia, Luciano Lima-
dc.contributor.authorSilva, Anamaria Cavalcante e-
dc.contributor.authorCampos, Jocileide Sales-
dc.contributor.authorAndrade, Francisca Maria de Oliveira-
dc.contributor.authorMachado, Márcia Maria Tavares-
dc.contributor.authorLindsay, Ana Cristina-
dc.contributor.authorLeite, Álvaro Jorge Madeiro-
dc.contributor.authorRocha, Hermano Alexandre Lima-
dc.contributor.authorCunha, Antonio José Ledo Alves da-
dc.date.accessioned2014-04-15T17:02:20Z-
dc.date.available2014-04-15T17:02:20Z-
dc.date.issued2014-
dc.identifier.citationCORREIA, L. L. et al. Prevalence and determinants of child undernutrition and stunting in semiarid region of Brazil. Rev. Saúde Pública, v. 48, n. 1, p. 19-28, 2014.pt_BR
dc.identifier.issn0034-8910 Impresso-
dc.identifier.urihttp://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/7951-
dc.description.abstractOBJECTIVE: To analyze the evolution in the prevalence and determinants of malnutrition in children in the semiarid region of Brazil. METHODS: Data were collected from two cross-sectional population-based household surveys that used the same methodology. Clustering sampling was used to collect data from 8,000 families in Ceará, Northeastern Brazil, for the years 1987 and 2007. Acute undernutrition was calculated as weight/ age < -2 standard deviation (SD); stunting as height/age < -2 SD; wasting as weight/height < -2 SD. Data on biological and sociodemographic determinants were analyzed using hierarchical multivariate analyses based on a theoretical model. RESULTS: A sample of 4,513 and 1,533 children under three years of age, in 1987 and 2007, respectively, were included in the analyses. The prevalence of acute malnutrition was reduced by 60.0%, from 12.6% in 1987 to 4.7% in 2007, while prevalence of stunting was reduced by 50.0%, from 27.0% in 1987 to 13.0% in 2007. Prevalence of wasting changed little in the period. In 1987, socioeconomic and biological characteristics (family income, mother’s education, toilet and tap water availability, children’s medical consultation and hospitalization, age, sex and birth weight) were significantly associated with undernutrition, stunting and wasting. In 2007, the determinants of malnutrition were restricted to biological characteristics (age, sex and birth weight). Only one socioeconomic characteristic, toilet availability, remained associated with stunting. CONCLUSIONS: Socioeconomic development, along with health interventions, may have contributed to improvements in children’s nutritional status. Birth weight, especially extremely low weight (< 1,500 g), appears as the most important risk factor for early childhood malnutrition.pt_BR
dc.language.isoenpt_BR
dc.publisherRevista de Saúde Públicapt_BR
dc.subjectSaúde da Criançapt_BR
dc.subjectDesnutriçãopt_BR
dc.titlePrevalence and determinants of child undernutrition and stunting in semiarid region of Brazilpt_BR
dc.typeArtigo de Periódicopt_BR
dc.description.abstract-ptbrRESUMO OBJETIVO: Analisar tendências na prevalência e determinantes da desnutrição em crianças na região semiárida do Brasil. MÉTODOS: Foram analisados dados de duas pesquisas transversais domiciliares de base populacional que utilizaram a mesma metodologia. A amostragem por conglomerados foi utilizada para coletar os dados de 8.000 famílias, do estado do Ceará, Nordeste do Brasil, para os anos de 1987 e 2007. A desnutrição aguda foi calculada como peso/idade < -2 desvios padrão; nanismo como altura/idade < -2 desvios padrão; e emaciação como peso/altura < -2 desvios padrão. Os dados sobre os determinantes biológicos e sociodemográficos foram analisados por meio de análises multivariadas com base em um modelo teórico hierarquizado. RESULTADOS: Amostras de 4.513 e 1.533 crianças menores de três anos de idade, em 1987 e 2007, respectivamente, foram incluídas nas análises. A prevalência de desnutrição aguda foi reduzida em 60,0%, passando de 12,6% em 1987, para 4,7% em 2007, enquanto a prevalência de nanismo foi reduzida em 50,0%, passando de 27,0% em 1987 para 13,0% em 2007. A prevalência de emaciação teve pouca alteração no período. Em 1987, as características socioeconômicas e biológicas (renda familiar, escolaridade da mãe, disponibilidade de latrina e água potável, consulta médica e hospitalização da criança, idade, sexo e peso ao nascer) foram fatores significativamente associados à desnutrição, ao nanismo e à emaciação. Em 2007, os determinantes da desnutrição ficaram restritos às características biológicas (idade, sexo e peso ao nascer). Apenas uma característica socioeconômica, a disponibilidade de latrina, permaneceu significantemente associada ao nanismo. CONCLUSÕES: O desenvolvimento socioeconômico, além de intervenções de saúde, parecem ter efetivamente contribuído para a melhoria do estado nutricional das crianças. Peso ao nascer, especialmente o peso extremamente baixo (< 1.500 g), aparece como o fator de risco mais importante para a desnutrição na primeira infância.pt_BR
Appears in Collections:DENF - Artigos publicados em revistas científicas

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2014_art_mmtmachado.pdf235,07 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.