Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/12259
Título: Disfunção renal em pacientes com leishmaniose tegumentar americana antes e após o uso do antimoniato de meglumina
Título em inglês: Renal dysfunction in patients with cutaneous leishmaniasis before and after use of meglumine antimoniate
Autor(es): Oliveira, Rodrigo Alves de
Orientador(es): Daher, Elizabeth de Francesco
Palavras-chave: Leishmaniose Cutânea
Insuficiência Renal Crônica
Transtornos Urinários
Data do documento: 2011
Citação: OLIVEIRA, R. A. ; DAHER, E. F. (2011)
Resumo: A leishmaniose é uma doença infecciosa, não contagiosa, zoonótica em que os seres humanos são hospedeiros incidentais. Vários tipos de lesão renal têm sido relatados em pacientes com leishmaniose visceral. A disfunção renal encontrada na leishmaniose tegumentar americana (LTA) tem sido atribuída aos antimoniais pentavalentes. Objetivos. Para determinar se a LTA e seu tratamento específico podem causar disfunção renal, os pacientes com LTA foram avaliados antes e após o início do tratamento. Pacientes e Métodos. Este foi um estudo controlado, prospectivo e observacional, realizado na cidade de Barbalha, Estado do Ceará, Brasil, entre julho de 2008 e agosto de 2009. O grupo de estudo foi de 37 pacientes com diagnóstico de LTA, baseado em critérios clínicos, epidemiológicos, sorológicos e histopatológicos, bem como na intradermoreação de Montenegro. Antes de iniciar o tratamento específico e ao final da terapia, a função glomerular e tubular foi avaliada e os resultados foram comparados com 10 controles sadios. Osmolalidade urinária foi dosada antes e depois (pré e pós-teste) da administração de DDAVP (intranasal, depois de um jejum de 12h noturno). Bicarbonato plasmático (Pbic), pH urinário (UpH) and plasmático (PpH) foram dosados antes e após (pré e pós-teste) a administração de CaCl2 (teste de acidificação). Os seguintes exossomas urinários foram quantificados antes do início do tratamento: AQP2; NHE3; NKCC2; H-ATPase e pendrina. Resultados. Idade média foi 35,6 12 anos no grupo de estudo e 32,2 ± 11,7 anos no grupo-controle. O grupo de estudo foi composto de 19 homens, sendo 26 não-brancos. Todos os pacientes tinham LTA na forma cutânea (duração média da doença, 28,5 ± 20,6 dias). Dos 37 pacientes 27 tinham apenas uma lesão, sete tinham de duas a quatro lesões e três deles tinham mais que quatro lesões. Não se evidenciou disfunção glomerular importante, nem antes nem depois do tratamento (creatinina plasmática, 0,81 0,16 mg/dl; ClCr, 109 31 ml/min). Defeito na concentração urinária baseado na taxa U/Posm pós-teste (<2,8) esteve presente em 27 pacientes antes do tratamento e em 31 pacientes depois do tratamento (77% x 88%, p=NS) e Uosm pós-teste (<700 mOsm/kg) em 22 pacientes (63%). Não houve diferença estatística entre os valores de osmolalidade urinária entre pré e pós-teste (539 43 vs. 618 34 mOsm/kg), assim como quando se comparou a taxa U/Posm em T4 entre pré e pós-tratamento (2,19 ± 0,73 x 1,95 ± 0,73, p=NS). Expressão urinária de AQP2 foi significativamente mais baixa no grupo de estudo do que nos controles (99,5 0,5 x 38,5 12%, p=0,006), enquanto o NKCC2 foi significativamente mais alto (102 2,5 x 147 12%, p=0.02). Defeito de acidificação urinária (pós-teste UpH >5.5) foi identificado em 15 pacientes pré-tratamento e em seis pacientes pós-tratamento (40% x 16%, p=0,012). Bicarbonato plasmático pré-teste foi <21 mEq/L in 12 pacientes (32,5%), e pH plasmático pré-teste foi <7,35 em 14 pacientes (38%). Expressão de NHE3 foi significativamente mais alta nos pacientes do que no grupo-controle (100 0,6 x 176 15%, p=0,015), assim como na H-ATPase (98 0,2 x 190 8%, p=0.04) e pendrina (176 ± 15 x 100 ± 0,6%, P = 0,015). Conclusão. A LTA pode causar disfunção tubular renal assintomática. É provável que o defeito na concentração urinária observado em pacientes com LTA seja causado por uma menor expressão de AQP2 e um aumento na expressão de NKCC2, o que pode representar um mecanismo compensatório. A maior expressão de NHE3 e H-ATPase parecem representar outro mecanismo compensatório ao aumento na expressão da pendrina, uma vez que estes pacientes apresentaram também um defeito na acidificação urinária
Abstract: Leishmaniasis is an infectious, non-contagious zoonotic disease for which humans are incidental hosts. Various types of kidney injury have been reported in cases of visceral leishmaniasis. The renal dysfunction seen in ACL has been attributed to the use of antimonials. Objectives. To determine whether ACL itself and its specific treatment can cause renal dysfunction, we evaluated ACL patients before and after to the initiation of treatment. Patients and methods. This was a controlled, observational prospective study, conducted in the city of Barbalha, state of Ceara, Brazil, between July 2008 and August 2009. The study group comprised 37 patients diagnosed with ACL based on clinical, epidemiological, serological and histopathological criteria, as well as on Montenegro skin test results. Before and after specific treatment, glomerular and renal tubular function were tested, and the results were compared with those obtained from 10 control subjects. Urine and plasma osmolality (Uosm and Posm) were tested before and after administration of DDAVP (intranasal, after a 12-h fast), before and after specific treatment. Plasma bicarbonate (Pbic), urinary pH (UpH) and plasma pH (PpH) were evaluated before and after oral administration of CaCl2 (acidification test), before and after specific treatment. The following urinary exosomes were quantified before specific treatment: AQP2; NHE3; NKCC2 H-ATPase and pendrin. Results. Mean age was 35.6 12 years in the study group and 32.2 ± 11.7 years in the control group. The study group comprised 19 men and 26 non-whites. All patients had cutaneous ACL (mean disease duration, 28.5 ± 20.6 days). Of the 37 patients, 27 had a single skin lesion, 7 had 2-4 lesions, and 3 had >4 lesions. Significant glomerular dysfunction wasn´t shown neither before, nor after specific treatment (plasma creatinine, 0.81 0.16 mg/dl; ClCr, 109 31 ml/min). Urinary concentrating defect was identified based on the post-test U/Posm ratio (<2.8) in 27 patients before treatment and in 31 patients after treatment (77% vs 88%, p=NS) and post-test Uosm (<700 mOsm/kg) in 22 (63%). Significant difference in U/Posm ratio in T4 wasn´t shown between before and after treatment (2.19 ± 0.73 vs 1.95 ± 0.73, p=NS. There was no statistical difference between the pre-and post-test osmolality values (539 43 vs. 618 34 mOsm/kg). Urinary expression of AQP2 was significantly lower in patients than in controls (99.5 0.5 vs. 38.5 12%, p=0.006), whereas that of NKCC2 was significantly higher (102 2.5 vs. 147 12%, p=0.02). Urinary acidification defect (post-test UpH >5.5) was detected in 15 patients before specific treatment and in 6 patients after treatment (40% vs 16%, p=0.012). Pre-test Pbic was <21 mEq/L in 12 patients (32.5%), and pre-test PpH was <7.35 in 14 (38%). Expression of NHE3 was significantly higher in the patients than in the controls (100 0.6 vs. 176 15%, p=0.015), as was that of H-ATPase (98 0.2 vs. 190 8%, p=0.04) and pendrin (176 ± 15 vs. 100 ± 0.6%, P = 0.015). Conclusion. ACL can cause assimptomatic tubular dysfunction. It is likely that the urinary concentrating defect observed in patients with ACL is caused by downregulation of AQP2 expression, and that the increased NKCC2 expression represents a compensatory mechanism. The greater expression of NHE3 and H-ATPase might represent another compensatory mechanism to pendrin expression increase, since ACL patients also presented urinary acidification defect.
Descrição: OLIVEIRA, Rodrigo Alves de. Disfunção renal em pacientes com leishmaniose tegumentar americana antes e após o uso do antimoniato de meglumina. 2011. 89 f. Tese (Doutorado em Ciências Médicas) – Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2011.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/12259
Aparece nas coleções:DMC - Teses defendidas na UFC

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2011_tese_raoliveira.pdf1,54 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.