Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/13589
Title in Portuguese: Adversidades psicossociais na primeira infância e desenvolvimento infantil de crianças atendidas em uma ONG em Fortaleza, CE
Title: Adversities psychosocial early childhood and development children assisted on a NGO in Fortaleza, CE.
Author: Moura, Alessandra Ferrer Di
Advisor(s): Leite, Álvaro Jorge Madeiro
Keywords: Desenvolvimento Infantil
Relações Mãe-Filho
Issue Date: 2014
Citation: MOURA, A. F. Adversidades psicossociais na primeira infância e desenvolvimento infantil de crianças atendidas em uma ONG em Fortaleza, CE. 2014. 94 f. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) – Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2014.
Abstract in Portuguese: As situações de estresse, também entendidas como adversidades psicossociais, estão em todo o ciclo de vida, porém é na infância que elas podem ensejar os maiores impactos biológicos, emocionais e sociais na idade adulta. O desenvolvimento infantil pode estar susceptível a alterações quando há estas adversidades, vivenciadas principalmente no ambiente família. Então, estudar a associação entre adversidades e desenvolvimento infantil pode nos oferecer um panorama desta influência e facilitar o direcionamento de ações e programas aos eventos de vida estressores que possam acarretar défices no desenvolvimento infantil, com o intuito de minimizá-los ou cessá-los. O objetivo do estudo foi avaliar as adversidades psicossociais vivenciadas por mães e crianças atendidas em uma organização não governamental (ONG) referência em primeira infância e sua relação com o desenvolvimento infantil. É um estudo do tipo transversal, realizado em uma ONG na cidade de Fortaleza, CE, especializada em primeira infância. A coleta dos dados foi realizada em julho de 2014 com 170 crianças de até 36 meses de idade e suas mães. Foi avaliado o desenvolvimento motor, visual, linguístico e auditivo das crianças mediante a Escala de Desenvolvimento Cognitivo CAT/CLAMS e entrevistadas as mães sobre possíveis fatores de adversidades vivenciadas. Os dados foram armazenados e analisados por meio do software EpiInfo versão 3.5.2,e submetidos a análise descritiva e univariada. Os achados deste estudo indicam que a faixa de idade de 25 a 36 meses de idade foi a de maior prevalência para alterações no desenvolvimento geral, visuomotor e linguistico-auditivo, (23,3%, 31,6% e 28,3% respectivamente), podendo sugerir uma situação de estresse tóxico em consequência das adversidades psicossociais vivenciadas. Em relação à adversidade psicossocial a qual a criança estava submetida, todas as crianças mostraram pelo menos uma adversidade, a maioria apresentando de dois a quatro eventos (79,4%). Programas de intervenção na primeira infância, como aquele ao qual a clientela estudada está inserida, são eficientes para melhorar e intervir no ambiente familiar, diminuindo a carga de efeitos das adversidades vivenciadas, tornando o estresse tóxico em estresse positivo, saudável ao aprendizado.
Abstract: The stressful situations, also understood as psychosocial adversity, they are across the life cycle, but it is in childhood that they can give rise to the greatest biological impacts, emotional and social adulthood. Child development may be likely to change when there are these adversities, especially experienced in the family environment. So, study the association between adversity and child development can offer us an overview of this influence and facilitate direct actions and programs to the events of life stressors that can lead to deficits in child development, in order to minimize them or terminate them. The aim of the study was to evaluate the psychosocial adversities experienced by mothers and children attending a non-governmental organization (NGO) Reference in early childhood and its relation to child development. It is a cross-sectional study, conducted in an NGO in Fortaleza, CE, specializing in early childhood. Data collection was conducted in July 2014 with 170 children up to 36 months old and their mothers. It evaluated the motor development, visual, auditory and language of children by Development Scale Cognitive CAT / CLAMS and interviewed mothers about potential factors experienced adversity. Data were stored and analyzed using the EpiInfo software version 3.5.2, and submitted to descriptive and univariate analysis. The findings of this study indicate that the age group 25-36 months of age was the most prevalent for changes in the overall development, visuomotor and linguistic-hearing (23.3%, 31.6% and 28.3% respectively ) and may suggest a toxic stress situation as a result of experienced psychosocial adversity. Regarding the psychosocial adversity which the child was submitted, all children showed at least one adversity, most featuring two to four events (79.4%). Intervention programs in early childhood, like that which studied the customer is located, are efficient to improve and intervene in the family environment, reducing the load effects of experienced adversity, making the toxic stress into positive stress, healthy learning.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/13589
metadata.dc.type: Dissertação
Appears in Collections:DSC - Dissertações defendidas na UFC

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2014_dis_afmoura.pdf1,38 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.