Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/13733
Title in Portuguese: Conhecimento, satisfação e segurança à saúde de usuárias de implante subcutâneo com etonogestrel
Title: Knowledge, satisfaction and safety to implant users of health with subcutaneous etonogestrel
Author: Rebouças, Lidiane Nogueira
Advisor(s): Moura, Escolástica Rejane Ferreira
Keywords: Satisfação do Paciente
Conhecimento
Issue Date: 2015
Citation: REBOUÇAS, L. N. Conhecimento, satisfação e segurança à saúde de usuárias de implante subcutâneo com etonogestrel. 2015. 108 f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2015.
Abstract in Portuguese: Pesquisa transversal, que teve por objetivo realizar diagnóstico situacional do uso do implante subcutâneo com etonogestrel (Implanon®) na perspectiva do conhecimento, satisfação e segurança à saúde das usuárias. A população correspondeu às usuárias de Implanon® (N=181) da 2ª Coordenadoria Regional de Saúde do Estado do Ceará e a amostra tipo censo correspondeu a 106 sujeitos. Os dados foram coletados de março a novembro de 2014, por meio de entrevistas. Foram processados no software Statistical Package for Social Sciences (SPSS) versão 20.0, receberam análise estatística descritiva e bivariada (testes de Razão de Verossimilhança e de 2), considerando significância estatística das diferenças entre proporções p<0,05. A média de idade das participantes foi de 31,32±6,18 anos e de anos de estudos 11,83±3,74 anos; 77,4% declararam-se casadas ou em união estável. Predominou renda per capita de “mais de ¼ a ½ salário mínimo” (40,6%). O conhecimento sobre o Implanon® apresentou maiores proporções nos itens “não previne DST/HIV/aids” (95,3%), reversibilidade (93,4%), eficácia (91,5%), tempo adequado para troca do método (91,5%) e mecanismo de ação (83,0%). Constatou-se associação entre conhecimento sobre tempo para troca do Implanon® e municípios (p=0,016), em que os municípios 1 (28,0%) e 2 (17,6%) apresentaram maiores proporções de conhecimento inadequado; quanto à reversibilidade do Implanon® (p=0,051) e o método não prevenir DST/HIV/aids (p=0,030), o município 1 apresentou maior proporção de conhecimento inadequado, ou seja, 20,0% e 16,0%, respectivamente. Anos de estudos influenciou o conhecimento sobre o tempo adequado para a troca do método (p=0,015). Predominou o conhecimento sobre as alterações menstruais (72,6%). Município e anos de estudos influenciaram o nível de conhecimento sobre as alterações sistêmicas (p=0,016 e p=0,040, respectivamente), com o município 1 apresentando maior proporção de ausência deste conhecimento (24,0%) e 80% das usuárias de até 5 anos de estudos apresentaram ausência deste conhecimento. Sobre as complicações todos os itens prevaleceram “sem conhecimento”, com maior conhecimento quanto ao sangramento abundante (35,8%) e cefaleia intensa (34,0%). Município influenciou o conhecimento sobre a complicação sangramento abundante (p=0,012), com o município 2 apresentando maior percentual de desconhecimento (94,1%); acerca da infecção no local da inserção (p=0,024), os municípios 3, 4 e 1, apresentaram os maiores percentuais de desconhecimento (97,7%; 96,0%; e 90,9% respectivamente). A ausência de conhecimento sobre cefaleia intensa teve associação com anos de estudos (p=0,015), com os maiores percentuais de ausência de conhecimento recaindo sobre menos anos de estudos. Tempo de uso do método não influenciou o conhecimento. A maioria das participantes (71,7%) mostrou-se muito satisfeita, verificando-se associação entre satisfação e maior tempo de uso do Implanon® (p<0,0001). Repercussões incisionais acometeram 15,1% das participantes e não houve associação com município, tempo de uso do Implanon® e anos de estudos (p>0,05). Todas as usuárias apresentaram pelo menos um efeito adverso, predominando a amenorreia (74,5%). Complicações acometeram 27,4% das participantes, predominando o sangramento abundante (17,9%). Quanto à segurança à saúde, 74,5% das usuárias do Implanon® estavam nas categorias 1 e 2 dos critérios médicos de elegilibidade para uso de anticoncepcionais, 25,5% na categoria 3 e nenhuma na categoria 4.
Abstract: Cross-sectional study aimed to conduct a situational diagnosis of the use of etonogestrel subcutaneous implant (Implanon®) in the perspective of knowledge, satisfaction, and safety to the health of female users. The population comprised the female users of Implanon® (n=181) from the 2nd Local Health Coordination of the Ceará State, Brazil, and the census sampling method accounted for 106 individuals. Data collection took place through interviews from March to November 2014. Data analysis occurred through the Statistical Package for Social Sciences (SPSS) software version 20.0, and received descriptive statistics and bivariate analysis (Likelihood Ratio and Chi-square tests), considering statistical significance of differences among proportions p<0.05. Average age of participants was 31.32±6.18 years and average years of education were 11.83±3.74. 77.4% of them reported being married or in stable relationship. Per capita income from “over ¼ to ½ minimum wage” (40.6%) prevailed. Knowledge about Implanon® presented higher proportions in items “does not prevent STD/HIV/AIDS” (95.3%), reversibility (93.4%), efficiency (91.5%), adequate time for changing method (91.5%), and mechanism of action (83.0%). We verified association between knowledge of adequate time for changing Implanon® and municipalities (p=0.016), in which municipalities 1 (28.0%) and 2 (17.6%) showed higher inadequate proportions of knowledge. Regarding reversibility of Implanon® (p=0.051) and the method does not prevent STD/HIV/AIDS (p=0.030), municipality 1 presented higher proportion of inadequate knowledge, 20.0% and 16.0%, respectively. Years of education influenced knowledge about adequate time for changing method (p=0.015). There was a predominant knowledge about menstrual alterations (72.6%). Municipality and years of education influenced the level of knowledge about systemic changes (p=0.016 and p=0.040, respectively), in which municipality 1 had a higher proportion of ignorance (24.0%) and 80% of users with up to 5 years of study did not have this knowledge. About complications, “lack of knowledge” prevailed in all items, with greater knowledge of profuse bleeding (35.8%) and severe headache (34.0%). Municipality influenced the knowledge of profuse bleeding complications (p=0.012), with municipality 2 presenting greater percentage of ignorance (94.1%); as for infection at the insertion site (p=0.024), municipalities 3, 4 and 1 had the highest percentage of ignorance (97.7%, 96.0% and 90.9%, respectively). Lack of knowledge about severe headache was associated with years of education (p=0.015), with the highest percentages of ignorance among those with fewer years of study. Time of method use did not influence knowledge. Most participants (71.7%) proved to be very satisfied, revealing an association between satisfaction and longer use of Implanon® (p<0.0001). Incisional complications affected 15.1% of participants and had no association with municipality, time of Implanon® use, and years of study (p>0.05). All users demonstrated at least one adverse effect, predominantly amenorrhea (74.5%). Complications affected 27.4% of participants, with special reference to profuse bleeding (17.9%). With relation to health safety, 74.5% of Implanon® users belonged to categories 1 and 2 of the medical eligibility criteria for contraceptive use, 25.5% to category 3, and no one to category 4.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/13733
Appears in Collections:DENF - Dissertações defendidas na UFC

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2015_dis_lnreboucas.pdf688,19 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.