Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/18091
Título: Nina Rodrigues: os náufragos do tempo e a esfinge do futuro
Título em inglês: Nina Rodrigues: the castaways of the time and the sphinx of the future
Autor(es): Silva, Joelma Tito da
Orientador(es): Ramos, Francisco Régis Lopes
Palavras-chave: History
Miscegenation
Rodrigues, Nina, 1862-1906
História
Miscigenação
Data do documento: 2015
Citação: Silva, J. T.; Ramos, F. R. L. (2015)
Resumo: Esta tese versa sobre o tempo e Nina Rodrigues, aparece como possibilidade de entendermos as muitas camadas temporais que se entrecruzam e se separam na barafunda de experiências sobre o presente, passado e futuro. Não se trata de realizar uma reflexão sobre o pretérito ou os contextos, mas de um esforço que busca entender como o tempo foi mobilizado de diversas maneiras, primeiro, nas construções de um médico-cientista obcecado pelo futuro no embate com a duração lenta atribuída ao Outro, para o qual o presente aparece como lugar da ação, possibilidade de uma missão associada à razão. Esta experiência foi associada pelos seus leitores ao pessimismo, uma categoria temporal que nos remete ao desencantamento produzido pela certeza de que o vir-à-ser estaria marcado pela decadência motivada pela mestiçagem. O desencantamento nos aparece como um lado desta experiência com o tempo, encantada com as possibilidades advindas da racionalidade, da ciência e seus objetos, dos seus ritmos e rituais, dos prognósticos que a racionalidade poderia produzir. E assim, Nina Rodrigues lança-se a promover a ideia de sua própria originalidade, tal como lobo solitário a produzir conhecimento científico em um ambiente classificado, por ele, como refratário às verdades produzidas pela ciência. A construção desta ideia o colocava em ação no presente. Optamos, portanto, pela metáfora do náufrago do tempo para pensarmos a mediação entre o desencantamento e a esperança. Entendemos, pois, que ao lançar-se para o futuro, a degenerescência e sua esfinge estavam no horizonte ao lado das promessas da ciência moderna. Em segundo lugar objetivamos analisar como as leituras sobre Nina Rodrigues o localizaram em um tempo do legado e da distância a partir de atividades editoriais e comemorativas que exumaram seu corpo escrito muitas vezes, a elaborar memórias acerca da produção do conhecimento antropológico sobre o negro não apenas nos anos de 1930, mas durante todo o século XX. No escopo desta análise sobre as danações do tempo fizemos usos particulares de teorias que, à primeira vista, se separam, tais como os estudos sobre a experiência temporal moderna em Reinhart Koselleck e a reabilitação do anacronismo no trabalho do historiador proposta por Jacques Rancière. Porém, o problema do tempo como experiência subjaz as propostas de ambos os autores e possibilita um emprego singular de pensamentos tão distintos.
Descrição: SILVA, Joelma Tito da. Nina Rodrigues: os náufragos do tempo e a esfinge do futuro. 2015. 332f. – Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Ceará, Programa de Pós-graduação em História Social, Fortaleza (CE), 2015.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/18091
Aparece nas coleções:PPGH - Teses defendidas na UFC

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2015_tese_jtsilva.pdf2,17 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.