Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/18101
Título: Trajetórias de vida do lixo: a interface entre meio ambiente, pobreza e empoderamento no município de Santa Maria-RS, Brasil
Autor(es): LIMA, João Vicente Costa
PADOIN, Isabel Graciele
Palavras-chave: Economia
Lixão da Caturrita
Santa Maria-RS
Sobrevivência
Data do documento: 2015
Editor: Revista de Ciências Sociais
Citação: LIMA, J. V. C.; PADOIN, I. G. (2015)
Resumo: O presente texto objetiva compreender o tipo humano cuja vida, no sentido amplo, é perpassada por eventos econômicos e sociopolíticos diversos que giram ao redor do antigo depósito de lixo da sede municipal de Santa Maria, no Rio Grande do Sul, Brasil. Conhecido por Lixão da Caturrita, em um passado recente, centenas de pessoas tinham naquele espaço o horizonte possível para sua sobrevivência, tirando, pois, dali o seu sustento e construindo, simultaneamente, redes de sociabilidade ricas e complexas, à margem de determinações econômicas redutoras. A realidade complexa do lixo na cidade de Santa Maria foi administrada pelos órgãos públicos sempre a partir de visões da realidade e de políticas públicas estanques, compartimentalizadas. De um lado, a Fundação Estadual do Meio Ambiente (FEPAM) enxergava apenas a realidade da área degradada, dos resíduos sólidos e líquidos que afetavam o ecossistema de referência. De outro, a Secretaria de Assistência Social do município tentava lidar com o problema de uma multidão de pobres com pouquíssimos recursos (material e de capital social) para se inserirem no mercado de trabalho formal. O órgão ambiental fiscalizador não enxergava o indivíduo miserável que transitava pelo Lixão como parte da equação ambiental; via, sobretudo, a dimensão biofísica. As políticas implementadas pela Prefeitura focalizavam estritamente o indivíduo e a família na sua condição de pobreza, excluindo a dimensão ambiental. O antigo Lixão da Caturrita, como lugar degradado em rotinas que interseccionavam miséria, humilhação e situação de risco – saúde pública, degradação ambiental – deixou de existir. Em seu lugar, o poder público viabilizou a alternativa do tratamento do lixo por uma empresa focada em novas tecnologias tidas como ecologicamente corretas. O início do funcionamento da empresa trouxe a formalização do trabalho para 55% dos antigos catadores do lixo. Os outros 45% não foram absorvidos pela empresa e, tampouco, puderam voltar à condição de catadores do antigo lixão, nas condições de degradação de outrora e seguiram os caminhos incertos do trabalho informal na coleta de lixo pela cidade afora. O presente artigo se volta para estes dois grupos humanos – derivados da sociabilidade e economia do antigo lixão –, analisando como se articulavam, ali, os elementos signifi cativos, formadores de um padrão de racionalidade cotidiano, a saber: a valoração do agir econômico nos termos de uma “cultura do lixo” e de suas conexões com a vida política comunitária. Perscrutam-se as conexões existentes entre a economia e a “cultura do lixo” e a formação de uma ordem política comunitária...
Descrição: LIMA, João Vicente Costa; PADOIN, Isabel Graciele. Trajetórias de vida do lixo: a interface entre meio ambiente, pobreza e empoderamento no município de Santa Maria-RS, Brasil. Revista de Ciências Sociais, Fortaleza, v. 46, n. 1, p. 143-164, jan./jun. 2015.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/18101
ISSN: 2318-4620
0041-8862
Aparece nas coleções:DCSO - Artigos publicados em revistas científicas

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2015_art_jvclimaigpadoin.pdf254,82 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.