Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/18120
Título: As desigualdades categóricas e duradouras de propriedade, raça e sexo na Sociologia Paulista das décadas de 1950 e 1960
Autor(es): MINDOSO, André Victorino
RASIA, José Miguel
Palavras-chave: Desigualdades sociais
Raça
Sexo
São Paulo
Data do documento: 2015
Editor: Revista de Ciências Sociais
Citação: MINDOSO, A. V.; RASIA, J. M. (2015)
Resumo: Neste artigo, nos propomos a identificar e analisar a forma como as desigualdades sociais foram tratadas por sociólogos da geração que estudou a sociedade brasileira entre as décadas de 1950 e 1960. Para tanto, tomamos como objeto de análise textos produzidos à época e que foram considerados importantes para a sociologia do período, tais como: Brancos e negros em São Paulo, de Roger Bastide e Florestan Fernandes (1959); Cruz das Almas, de Donald Pierson (1966); Os parceiros do Rio Bonito, de Antonio Candido (1977); O mandonismo local na vida política brasileira, de Maria Isaura Pereira de Queiroz (1957) e; Homens livres na ordem escravocrata, de Maria Sylvia de Carvalho Franco (1997)1. A escolha dos textos como objeto da análise deve-se tanto à contribuição desses autores para o desenvolvimento da sociologia brasileira – embora todos tratem mais especificamente de São Paulo – quanto por representarem a geração de sociólogos que deixa de lado a tradição ensaística até então vigente na sociologia feita no Brasil, passando a conjugar, segundo Antonio Candido (2006), a especialização da disciplina com estudos empiricamente fundados. Outro aspecto ressaltado por este autor a respeito da produção dessa geração de sociólogos é que os trabalhos em questão, à exceção do texto de Bastide e Fernandes, têm o “meio rural” como foco de análise. Isto se explica, segundo Candido, pela forte influência da antropologia sobre os autores. Assim, temáticas como “cultura rústica”, “sincretismo religioso”, “relações raciais” e “poder local” constituíam o ponto de partida de suas análises. Em termos temporais, estamos diante de um período peculiar da história do Brasil, caracterizado pela acentuação do processo de modernização, notadamente em São Paulo. Quando falamos em modernização, nos referimos ao conjunto de transformações sociais, econômicas, tecnológicas e políticas cuja consequência é a relativa igualdade dos indivíduos, no que diz respeito à condição de cidadão (BENDIX, 1996). Isto quer dizer que esse conjunto de transformações supunha, pelo menos teoricamente, que os indivíduos de origens sociais, raciais, econômicas ou sexuais diferentes passassem a gozar dos mesmos direitos de cidadania...
Descrição: MINDOSO, André Victorino; RASIA, José Miguel. As desigualdades categóricas e duradouras de propriedade, raça e sexo na Sociologia Paulista das décadas de 1950 e 1960. Revista de Ciências Sociais, Fortaleza, v. 46, n. 2, p. 265-285, jul./dez. 2015.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/18120
ISSN: 2318-4620
0041-8862
Aparece nas coleções:DCSO - Artigos publicados em revistas científicas

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2015_art_avmindosojmrasia.pdf242,26 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.