Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/1822
Título: Estresse e estratégias de enfrentamento/coping em mulheres com câncer de mama
Título em inglês: Stress and coping strategies in women with breast cancer
Autor(es): Alves, Pricilla Cândido
Orientador(es): Fernandes , Ana Fátima Carvalho
Palavras-chave: Estresse Psicológico
Neoplasias da Mama
Data do documento: 2010
Citação: ALVES, P. C. (2010)
Resumo: As inúmeras mudanças no cotidiano de mulheres portadoras de câncer de mama, decorrentes de alterações cognitivas, podem representar ameaça à sua manutenção biopsicossocial, constituindo assim fator estressante na medida em que solicitam estratégias de enfrentamento/coping, cujo objetivo é a redução, eliminação ou manejo do estresse. A partir disso, o estudo objetivou verificar a ocorrência de estresse e a utilização de estratégias de enfrentamento/coping no cotidiano de mulheres diagnosticadas com câncer de mama. Estudo transversal, de natureza exploratório-descritiva, realizado no ambulatório de Mastologia da MEAC e no setor de Quimioterapia do CRIO, em Fortaleza-CE. A população foi composta por mulheres que haviam sido recentemente diagnosticadas com câncer de mama e que se encontravam em acompanhamento nos referidos locais. A partir de critérios estabelecidos e utilizando o processo de amostragem por conveniência, foram incluídas 21 mulheres no estudo e que estiveram presentes nos locais de coleta durante os meses de abril a julho de 2010. Utilizou-se como instrumento para obtenção dos dados um roteiro de entrevista estruturada com dados sociodemográficos e de história da doença, o Inventário de Sintomas de Stress para Adultos de Lipp (ISSL) e a Escala Modos de Enfrentar Problemas (EMEP). Os dados foram armazenados e analisados no programa SPSS versão 17.0, calculando-se média e desvio-padrão para variáveis contínuas, freqüência percentual para as categóricas, além dos testes 2 e ANOVA na verificação de associação entre as variáveis. Em todas as análises, um valor p<0,05 foi considerado significativo. A média de idade foi de 57,76 anos (DP=13,2), a escolaridade das mulheres apresentou-se com um baixo nível, em média quatro a seis anos de estudo (DP=1,5). A renda familiar teve uma média de R$ 966,00 (DP=0,4) e observou-se a média de dois filhos por mulher. A maioria (85,7%) das mulheres era portadora de carcinoma mamário com indicação cirúrgica como forma de tratamento, havendo maior indicação de realização de mastectomia total (42,9%). Do total de mulheres, 42,8% possuía indicação de realização de quimioterapia neoadjuvante como terapia complementar. O diagnóstico de estresse esteve presente em 66,7% da amostra, enquanto que em 33,3% das pacientes não foi evidenciado a presença de estresse. Das participantes que se achavam com estresse, as principais fases encontradas foi a de alarme (33,3%) e resistência (33,3%). No grupo com estresse, o principal tipo de enfrentamento utilizado foi a busca pela prática religiosa (42,8%) e no grupo sem estresse observou-se o uso do foco no problema na maioria das mulheres (23,7%), havendo associação estatisticamente significativa entre tais variáveis (teste 2 ; p=0,007). As médias de idade, renda e número de filhos entre as mulheres e sua relação com o tipo de enfrentamento utilizado, não demonstraram diferenças significativas através do teste F de Snedecor (ANOVA). A pesquisa demonstrou que as mulheres diagnosticadas com câncer de mama encontravam-se significativamente estressadas e utilizando como forma de enfrentamento a prática religiosa, havendo a não ocorrência de estresse entre aquelas que estavam procurando enfrentar a doença de forma resolutiva. De qualquer forma as situações de estresse provocadas pelo câncer de mama requerem uma resposta da mulher, seja uma resposta mais adaptativa ou não, assim, a mulher necessita descobrir quais os mecanismos possíveis de serem utilizados no processo de enfrentamento. Acredita-se que nesse ponto, a enfermagem tem um importante papel a desempenhar, no sentido de mediar respostas mais adaptativas à situação da doença.
Abstract: The various changes in the daily of women that have breast cancer, arising of cognitive changes, may represents threat to your manteinance biopsychosocial, being a stressful factor because request coping strategies whose aim is the reduction, elimination or management of stress. Thus, the study aimed to verify the occurrence of stress and the use of coping strategies in the daily of women diagnosed of breast cancer. It is a cross-sectional study, descriptive-exploratory, realized in the MEAC’s Mastology ambulatory and in the CRIO’s Chemotherapy sector. The population were composed by women that had been diagnosed recent with breast cancer and were in treatment in the locals refered. With criteria established and using the sampling procedure by convenience were included 21 women in the study and that were in the locals of collected during the months from April to July 2010. Used like instrument to obtain the dates a structured interview guide with sociodemographic dates and disease history, the Inventory of Symptoms of Stress to Adults of Lipp (ISSL) and the Ways of Coping Scale (WCS). The dates were stored and analysed in the SPSS program version 17.0, calculating mean and standard deviation to continuous variable, frequency percentage to categorically and the tests 2 and ANOVA in the verification of association among variables. All the analyses a p value<0.05 was considered statistically significant. The mean of age was 57,76 (DP=13,2), the instruction level was low average four to six years, the family income had a mean of R$966,00 (DP=0,4) and observed the mean of two children by women. Most of women (85,7%) had breast cancer with surgical indication like treatment, having most indication to realize total mastectomy (42,9%). From the total women, 42,8% had indication to realize neoadjuvant chemotherapy like complementary therapy. The stress diagnostic were present in 66,7% of sample while in 33,3% of patients it was not observed. From patients that were with stress, the mean phases were alarm (33,3%) and resistance (33,3%). In the group with stress, the mean type of coping used was the search for religious practice (42,8%) and in the group without stress observed the focus on the problem in the most of women (23,7%), having association statistically significant between these variables (test 2 ; p=0,007). The means of ages, income and number of children among women and the relation with the type of coping not demonstred association statistically significant with the test F of Snedecor (ANOVA). The research demonstred that the women with breast cancer were significantly stressed and used like way of coping the religious practice, having not occurrence of stress among women that were looking to face the disease of a resolving way. Anyway the stress situations caused by breast cancer request a response of women, be a more adaptive response or not, thus, the woman need to find the possible mechanism to be used in the coping process. It is believed that in this aspect the nursing have an important role to realize in order to mediate the more adapter responses in the disease’s situation.
Descrição: ALVES, Pricilla Cândido. Estresse e estratégias de enfrentamento/coping em mulheres com câncer de mama. 2010. 68 f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Farmácia, odontologia e Enfermagem, Fortaleza, 2010.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/1822
Aparece nas coleções:DENF - Dissertações defendidas na UFC

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2010_dis_pcalves.pdf660,69 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.