Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/1835
Título: Reprodução e sexualidade de pessoas que (con)vivem com HIV/AIDS : uma abordagem humanística
Título em inglês: Reproduction and sexuality of people who live with HIV/AIDS : a humanistical approach
Autor(es): Vidal, Eglídia Carla Figueiredo
Orientador(es): Pinheiro , Ana Karina Bezerra
Palavras-chave: Comportamento Reprodutivo
Comportamento Sexual
Planejamento Familiar
Data do documento: 2008
Citação: VIDAL, E. C. F. (2008)
Resumo: O surgimento do HIV/aids e o delineamento da epidemia demandaram mudanças para a saúde sexual e reprodutiva de homens e mulheres que (con) vivem com o vírus. A sobrevida e a qualidade de vida melhoradas com o aparecimento da terapia antiretroviral combinada colocou em destaque o aspecto de cronicidade da infecção pelo HIV, delineando possibilidades de relações afetivo-sexuais e reprodutivas, mediante esta nova realidade, num panorama complexo que envolve casais soroconcordantes e sorodiscordantes em contextos de vida similares aos não-infectados, num processo de re-significação do HIV/aids e de busca pelo controle dessa pandemia. Este estudo teve como objetivo compreender vivências sexuais e reprodutivas de pessoas que (con) vivem com HIV. A Teoria Humanística de Enfermagem de Paterson e Zderad foi utilizada como referencial teórico-metodológico. Trata-se de uma pesquisa descritiva com delineamento qualitativo, realizada no ambulatório de infectologia do Hospital-Escola Santo Inácio, em Juazeiro do Norte-CE. Os sujeitos do estudo foram 16 pessoas que (con) vivem com HIV/aids, 7 homens e 9 mulheres. Os dados foram coletados nos meses de julho a novembro de 2007, por meio de observação livre, consulta aos prontuários e entrevista semi-estruturada. Para análise dos depoimentos foi adotada a técnica de análise de conteúdo, de onde emergiram três temáticas: 1. Vivência Sexual; 2. Vivência Reprodutiva; e 3. Vivência da Conjugalidade. Nestas temáticas, foram identificadas onze sub-temáticas: 1. O preservativo nas relações sexuais; 2. Alterações no desejo após a descoberta da soropositividade ao HIV; 3. Alterações na prática sexual após a descoberta da soropositividade ao HIV; 4. Métodos contraceptivos usados antes da vivência e convivência com o HIV/aids; 5. O preservativo como referência contraceptiva e de proteção nas relações sexuais; 6. Desconhecimento do uso de outros métodos contraceptivos na infecção pelo HIV; 7. Desejo de ter filhos; 8. Medo da transmissão vertical do HIV; 9. (Des)conhecimento das medidas profiláticas na redução da transmissão vertical do HIV; 10. Modificação na relação conjugal frente ao cuidado consigo e com o outro; 11. A quebra da confiança depositada no outro frente ao HIV. Das pessoas que vivem e convivem com HIV/aids foram apreendidas diferentes experiências e significados para as vivências sexuais e reprodutivas, em cenários de vida complexos, ainda permeados pelos estigmas decorrentes da aids. Os sujeitos deste estudo viviam em união conjugal variando de oito meses há mais de quinze anos, dos quais onze viviam em relação conjugal soroconcordante ao HIV e cinco em relação sorodiscordante. Não percebemos divergência de dados pela variável tempo de união. Verificamos situação sócio-econômica precária e presença de filhos, dos quais cinco concebidos após o conhecimento do status sorológico, e mais duas mulheres no período gestacional. O tempo de convivência com a infecção foi variável, de menos de um ano a mais de onze anos. Em metade dos casos o contexto de descoberta da infecção pelo HIV envolveu o período gestacional, sendo os outros após doença oportunista ou por convocação de parceiro, revelando-se como um momento difícil pela infidelidade conjugal comprovada. Os resultados indicaram que o preservativo não fazia parte da rotina sexual até o conhecimento do status sorológico, sendo essa condição determinante para a adesão ao preservativo masculino. A estabilidade da relação conjugal atuava, na fase pré-infecção, como um dos fatores que contribuía para a determinação do não uso de preservativo, oferecendo contextos de maior vulnerabilidade, onde o gênero aparece como principal fator. O uso do preservativo masculino, após a soroconversão, evidenciou as dificuldades nessa adesão, principalmente entre os que nunca haviam experienciado esse método de proteção, revelando possível consciência para a necessidade de adaptação ao dispositivo na relação sexual, que se mostra re-significada para essas pessoas. Contudo, há um enfrentamento maior para a manutenção da prática de prevenção pelo uso do preservativo masculino em casais sorodiscordantes. A descoberta da soropositividade ao HIV demandou modificações na rotina sexual, evidenciando a diminuição do desejo sexual e alteração nas práticas sexuais, com distintos aspectos entre homens e mulheres pesquisados. Foram expressas mudanças no uso rotineiro dos métodos contraceptivos anterior à soroconversão, com a utilização de novos métodos, notadamente o preservativo masculino, frente à presença do HIV. Evidenciamos o desconhecimento de alternativas anticonceptivas diante da infecção pelo HIV e da aids. O desejo de ter filhos foi observado em homens e mulheres, onde o medo da transmissão vertical aparece como forte determinante em abolir essa escolha, com o desconhecimento de medidas profiláticas na redução da transmissão vertical. As dificuldades no enfrentamento do HIV/aids impõem mudanças no cotidiano da conjugalidade, destacando um comportamento conjugal bilateral de cuidado com o outro em uma relação ambígua frente à confiança quebrada exposta com o conhecimento do status sorológico. Este estudo nos permitiu perceber que é preciso abrir canais de diálogo sobre experiências sexuais e reprodutivas, salientando a importante dimensão que é conferida às relações entre profissionais e pacientes, como partícipes na busca da promoção da saúde numa realidade em construção, de re-significação de vida, relações e saúde. Evidencia-se o período gestacional como um importante momento para o diagnóstico da infecção pelo HIV, para aconselhamento das recomendações para redução da transmissão vertical, com inicio precoce da profilaxia da transmissão vertical, num atendimento humanizado, livre de julgamentos e preconceitos. A assistência em saúde sexual e reprodutiva às pessoas vivendo com HIV demanda inúmeras questões e desafios, mas, sobretudo, aponta para a necessidade da assistência integral, não-dicotômica, onde prevenção e tratamento se conjugam, reconhecendo limites, possibilidades, finalidades e prioridades, na individualização do cuidado humano.
Abstract: The arise of HIV/AIDS and the design of the epidemy demanded changes in the sexual and reproductive health of men and women who live with the virus. The fact that survival and life quality improved with the advent of antiretroviral therapy highlighted the aspect of chronicity of HIV infection, outlining possibilities for affective-sexual and reproductive relationships in this new reality, in a complex scenery that involves concordant and discordant couples in contexts of life similar to non-infected people, in a process of re-signification of HIV/AIDS and of search for control of this pandemy. This study aimed to understand sexual and reproductive experience of people who live with HIV. The Humanistic Nursing Theory by Paterson and Zderad was used as a theoretical and methodological reference. This is a descriptive research with qualitative design, held at the infectology clinic of the School Hospital Santo Inácio, in Juazeiro do Norte-CE. The subjects of the study were 16 people who live with HIV/AIDS, 7 men and 9 women. Data were collected from July through November, 2007, through free observation, analysis of medical records and semi-structured interview. For the testimonies’ analysis the technique of content analysis was adopted, from which emerged three themes: 1. Sexual experience; 2. Reproductive experience, and 3. Marriage Experience. In these themes one identified eleven sub-themes: 1. The condom in sexual intercourses; 2. Changes in desire after the discovery of HIV seropositivity, 3. Changes in sexual practice after the discovery of HIV seropositivity, 4. Contraceptive methods used before the experience and living with HIV/AIDS; 5. The condom as a contraceptive reference and protection in sexual intercourses; 6. Ignorance about the use of other contraceptive methods in HIV infection; 7. Desire to have children; 8. Fear of vertical transmission of HIV; 9. (Lack of) knowledge about prophylactic measures to reduce the vertical transmission of HIV; 10. Modification in marital relationship due to self-care and care with the other; 11. The distrust in the partner because of HIV. Out of the people who experience and live with HIV/AIDS one got different experiences and meanings for sexual and reproductive experiences in complex life sceneries, still permeated by the stigma resulting from AIDS. The subjects of this study lived in marital union ranging from eight months through over fifteen years, eleven of whom lived in conjugal concordant relationship to HIV and five in discordant relationship. We did not notice divergence of data by the variable time of union. We noticed difficult socioeconomic situation and presence of children, including five conceived after the knowledge of HIV, and two women during pregnancy. The time spent living with the infection varied from less than a year to more than eleven years. In half the cases the context of discovery of HIV infection involved the gestational period, the others after opportunistic disease or by convincing of the partner, being a difficult moment due to proved marital infidelity. The results indicated that the condom was not part of their sexual routine until the knowledge of HIV, being the virus a determinant condition for joining the condom. The stability of the conjugal relationship served in the pre-infection phase as one of the factors that contributed to the non-use of condoms, causing larger contexts of vulnerability, where the genre appears as the main factor. The use of male condoms, after seroconversion, highlighted the difficulties in adhesion, especially among those who had never experienced this method of protection, revealing possible awareness of the need to adapt to the device in sexual intercourse, which is re-signified for these people. However, there is a bigger confrontation for the maintenance of the prevention practice by the use of condoms in discordant couples. The discovery of HIV seropositivity demanded changes in sexual routine, showing a decrease in sexual desire and change in sexual practices, with different aspects for men and women surveyed. There were changes in routine of contraceptive methods used before the seroconversion, using new methods, especially the male condom, in the presence of HIV. We highlighted the lack of knowledge of alternatives contraceptive methods face to HIV infection and AIDS. The desire to have children was observed in men and women, and the fear of vertical transmission appears as a strong determinant to deny that choice, with the lack of prophylactic measures to reduce vertical transmission. The difficulties in fighting against HIV/AIDS require changes in the daily life of the couple, highlighting a bilateral marital behavior of care for the other in an ambiguous relationship because of distrust with the knowledge of HIV infection. This study allowed us to realize that we must open channels of dialogue about sexual and reproductive experiences, stressing the important dimension that is given to the relationships between professionals and patients, as participants in the search of health promotion in a reality still in construction, of re-signification of life, of relationships and health. The gestational period is highlighted as an important moment for the diagnosis of HIV infection, to advise the recommendations and to reduce vertical transmission, beginning with early prevention of vertical transmission, through humanized care, free of judgments and prejudice. The assistance in sexual and reproductive health for people living with HIV demands several questions and challenges, but it points mainly to the need of integral and non-dichotomous assistance, where prevention and treatment work together, recognizing limits, possibilities, aims and priorities, in the individualization of human care.
Descrição: VIDAL, Eglídia Carla Figueiredo. Reprodução e sexualidade de pessoas que (con)vivem com HIV/AIDS : uma abordagem humanística. 2008. 185 f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem, Fortaleza, 2008.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/1835
Aparece nas coleções:DENF - Dissertações defendidas na UFC

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2008_dis_ecfvidal.pdf1,69 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.