Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/1836
Título: Obesidade infantil : a família como unidade promotora da saúde
Título em inglês: Childhood obesity : the family as a health promotion unit
Autor(es): Saraiva, Klívia Regina de Oliveira
Orientador(es): Ximenes , Lorena Barbosa
Palavras-chave: Obesidade
Educação Alimentar e Nutricional
Conduta de Saúde
Data do documento: 2008
Citação: SARAIVA, K. R. O. (2008)
Resumo: A família tem um papel preponderante na promoção da saúde infantil, sendo a primeira unidade de cuidado que intervém no processo saúde-doença e a que mais influencia os hábitos de vida da criança. Em relação à alimentação, centra sua atenção na quantidade dos alimentos e não na qualidade da comida. O ato de nutrir a criança ultrapassa o ato biológico, pois está relacionado ao comportamento e às práticas alimentares da família, influenciados pelos meios histórico, social, tecnológico e econômico. Assim, com as mudanças de estilo de vida da família, a criança pode adquirir hábitos alimentares inadequados, resultando na obesidade infantil. Partindo dessa perspectiva, o estudo tem por objetivo compreender o modo de vida das famílias de crianças pré-escolares com risco para obesidade. Para tanto, tornou-se necessário a utilização da Teoria da Diversidade e Universalidade do Cuidado Cultural, de Leininger e do método de Etnoenfermagem, a partir do preenchimento de um formulário estruturado para avaliação antropométrica de 41 crianças pré-escolares matriculadas em duas creches-escolas particulares de Fortaleza, onde 8 apresentaram índice de massa corporal acima do percentil 95 (obesidade); e da realização de entrevistas abertas com as famílias dessas crianças durante o período de três meses, guiadas pelos modelos Observação-Participação-Reflexão (OPR) e Estranho-Amigo. A pesquisa aponta que o tema cultural conviver com filho com risco para obesidade: uma realidade vivenciada pelas famílias possui nuanças relacionadas a comer é mais do que suprir a fome; ser uma criança gorda traz problemas; e conflitos familiares em torno da criança gorda. Sendo assim, as famílias acreditavam que a alimentação da criança era uma atividade humana que deveria ser concedida, independente das suas condições socioeconômicas, dos alimentos serem nutritivos ou não e da quantidade ofertada. O excesso de peso da criança associado ao estigma do gordo e aos prejuízos físicos que pode causar foi pouco considerado pelas famílias, que afirmavam se tratar de uma característica da fase de crescimento infantil. As crianças, por serem o alvo principal de cuidados da família, muitas vezes eram o centro de conflitos familiares, que se apresentavam como disputa de poder entre as gerações e competição entre os pais. Diante dessas apreensões, considera-se que a família é o universo mais afetivo, protetor e compensador da criança, sendo necessário que a Enfermagem adentre e envolva os demais contextos – escolar e social – para assim desenvolver ações de prevenção da obesidade infantil, juntamente com familiares e educadores. Isto viria a corroborar com a proposta da Organização Pan-Americana de Saúde de criar Escolas Promotoras de Saúde, a partir de um estímulo a adoção de estilos de vida saudáveis em todos os contextos em que a criança está inserida.
Abstract: The family has a leading role in the child health promotion, being the first unity of care that intervenes in the health-sickness process and the is the one that has the greatest influence on the life habits of the child. With regards to feeding, it focus its attention on the quantity of food and not on its quality. The act of feeding the child goes beyond the biologic act, since it is related to the feeding behavior and practices of the family, which are influenced by the historic, social, technological and economic environments. Thus, with the changes in lifestyle of the families, the children can acquire inadequate feeding habits, resulting in child obesity. Starting from this perspective, the study has the goal of understanding the way of life of the families of pre-school age children with obesity risk. For that, it became necessary to use Leininger’s Theory of Diversity and Universality of Cultural Care and the method of Etnonursing, starting by filling an anthropometric evaluation form of 41 children in pre-school age enrolled in two daycares in Fortaleza, where 8 have shown body mass index above the 95 percent (obesity); and by carrying out open interviews with the families of these children during a three-month period, guided by the models Observation-Participation-Reflexion (OPR) and Stranger-Friend. The survey shows that the cultural theme to live with a child with obesity risk: a reality experienced by the families has nuances related with eating is more than satisfying a hunger; being a fat child brings troubles; and family conflicts around a fat child. Therefore, the families believed that feeding the child was a human activity that should be conceded, independently of their socio-economic conditions, of the nutrition value of the food and of the quantity available. The excess weight of the child associated with the stigma of the fat person and to the physical handicaps that it can cause was of little concern to the families, that said it to be characteristic of a child growth phase. The children, being the main target of the care of the family, often were the center of family conflicts, that presented themselves as power disputes between generations and competition between the parents. Faced with these apprehensions, it is understood that the family is the most affective, protective and rewarding universe of the children, being necessary for Nursing to reaches in and involve the remaining contexts – the school and the social ones – in order to develop actions of prevention of child obesity, together with relatives and teachers. That would corroborate the proposal of the Pan-American Organization of Health of creating Health Promotion Schools, starting from a support for the adoption of healthy lifestyles in all contexts of the child’s life.
Descrição: SARAIVA, Klívia Regina de Oliveira. Obesidade infantil : a família como unidade promotora da saúde. 2008. 139 f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem, Fortaleza, 2008.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/1836
Aparece nas coleções:DENF - Dissertações defendidas na UFC

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2008_dis_krosaraiva.pdf399,26 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.