Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/18834
Título: Efeito da lectina da alga marinha vermelha Pterocladiella capillace em feridas limpas induzidas em ratos
Título em inglês: Effect of lectin from the red seaweed Pterocladiella capillace in clean wounds induced in rats
Autor(es): Silva, Luana Maria Castelo Melo
Orientador(es): Benevides, Norma Maria Barros
Coorientador(es): Lima, Vilma de
Palavras-chave: Bioquímica
Lectinas
Polissacarídeos
Cicatrização
Lectins
Polysaccharides
Data do documento: 2012
Citação: SILVA, L. M. C. M. (2012)
Resumo: Com base na necessidade de obter novas formulações mais eficientes e diante das propriedades apresentadas pelas moléculas oriundas de algas marinhas, acredita-se que estas possam ser eficazes no processo de cicatrização. A lectina da alga marinha vermelha Pterocladiella capillacea (PcL) e os polissacarídeos da alga vermelha Solieria filiformis (SfP) inicialmente foram analisados em ensaio de toxicidade. PcL foi aplicada no ensaio do edema de pata seguido da dosagem de mieloperoxidase (MPO). Avaliou-se o efeito da lectina da alga Pterocladiella capillacea (PcL) e os polissacarídeos das algas Solieria filiformis (SfP) na cicatrização de feridas induzidas em ratos. Ambas as moléculas foram submetidas a ensaios microbiológicos e analisadas quanto ao efeito no processo de cicatrização em feridas limpas induzidas no dorso de ratos. SfP foi utilizado como um possível veículo para a administração de PcL e comparado ao Carbopol 940 (C). Os géis (0,9%) foram submetidos a análise reológica e então aplicados nas lesões durante um período de tratamento de 10 (dez) dias, utilizando kollagenase® como controle. O processo de cicatrização foi avaliado quanto ao tamanho das feridas, dosagem de MPO e análise histológica. PcL e SfP não demonstraram toxicidade quanto aos parâmetros de peso corpóreo, órgãos e dosagens bioquímicas. Entretanto a análise histológica mostrou pequenas alterações no fígado e rim. PcL (1, 3 e 9 mg/kg, i.v.) reduziu o edema induzido por carragenana e quando administrada com seu inibidor mucina não foi possível verificar a redução do edema o qual foi confirmado pela dosagem de MPO. As duas moléculas foram aplicadas em ensaios microbiológicos e não inibiram o crescimento de nenhum micro-organismo testado, os quais também não foram capazes de utilizar SfP como fonte de carbono. A análise reológica mostrou que os SfP utilizados na formulação dos géis (PcL+SfP e SfP) apresentaram a característica de um pseudoplástico. A análise macroscópica das feridas mostrou uma redução da área da lesão nos animais tratados com PcL+SfP e PcL+C (53,5 e 60%, respectivamente) no sexto dia de administração. Na análise histológica, não foi observado infiltrado inflamatório acentuado nos tecidos obtidos até o 4º dia da administração dos géis (PcL+SfP e PcL+C) e Kollagenase® (controle positivo). No 6º dia, os animais não tratados e os tratados apenas com SfP mostraram infiltrado inflamatório. A dosagem de MPO demonstrou redução no processo inflamatório nas amostras contendo PcL, cujo resultado corrobora com a análise histológica. Em conclusão, PcL auxiliou no reparo de feridas, sugerindo seu uso futuro como uma possível ferramenta para o tratamento de lesões. O papel biológico e farmacológico das lectinas e polissacarídeos de algas marinhas faz parte de uma área de estudos ainda pouco explorada, onde muito conhecimento deverá ser investido visto que estas biomoléculas podem ser promissoras para a indústria farmacêutica.
Abstract: Based on the need for new formulations that are more efficient and on the properties provided by molecules derived from seaweed, it is believed that these can be effective in healing process. The lectin from the red seaweed Pterocladiella capillacea (PcL) and the polysaccharides of red algae Solieria filiformis (SfP) were initially analyzed in toxicity testing. PcL was applied to the paw edema test followed by measurement of myeloperoxidase (MPO). We evaluated the effect of the seaweed Pterocladiella capillacea lectin (PcL) and algal polysaccharides Solieria filiformis (SfP) in healing wounds in rats induced. Both molecules were submitted to microbiological tests and assayed for the effect on wound healing in wounds clean induced on the back of rats. SfP was used as a possible vehicle for the administration of PcL and compared to Carbopol 940 (C). The gels (0.9%) were analyzed rheological and then applied to the lesions during a treatment period of 10 days, using kollagenase ® as control. The healing process was evaluated on the size of the wounds, levels of MPO and histological analysis. The molecule SfP and PcL is not toxic for the parameters of body weight, organ and biochemical measurements. However, the histological analysis showed minor changes in liver and kidney. PcL (1, 3 and 9 mg / kg, i.v) reduced the edema induced by carrageenan and its inhibitor when administered with mucin was not possible to check the reduction of edema which was confirmed by measurement of MPO. The two molecules were used in microbiological assays and not inhibit growth of any microorganism tested and unable to use SfP as carbon source. The rheological analysis showed that the SfP used in the formulation of the gels (PcL+SfP and SfP) had the characteristic of a pseudoplastic. Macroscopic analysis of wounds showed a reduction in lesion area in the animals treated with PCL, PCL+SfP, PCL+C (53.5 and 60% respectively) on the sixth day of administration. In histological analysis, there was no severe inflammatory infiltrate in the tissues obtained until 4th day of administration of the gels (PcL and PcL+SfP, PcL+C) and Kollagenase® (positive control). On day 6, the untreated animals and those treated only with SfP showed inflammatory infiltrate. The measurement of MPO showed a reduction in the inflammatory process in the samples containing PcL, whose results corroborate the histological analysis. In conclusion, PcL aid in wound repair, suggesting its use as a possible future tool for the treatment of lesions. The biological and pharmacological role of lectins and polysaccharides of seaweed is part of a study area little explored, where a lot of knowledge should be invested since these biomolecules can be promising for the pharmaceutical industry.
Descrição: SILVA, Luana Maria Castelo Melo. Efeito da lectina da alga marinha vermelha Pterocladiella capillace em feridas limpas induzidas em ratos. 2012. 135 f. Tese (Doutorado em bioquímica)- Universidade Federal do Ceará, Fortaleza-CE, 2012.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/18834
Aparece nas coleções:DBBM - Teses defendidas na UFC

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2012_tese_lmcmsilva.pdf9,01 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.