Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/19382
Título: Corpos, heteronormatividade e performances híbridas
Título em inglês: Bodies, heteronormativity and hybrid performances
Autor(es): MÉLLO, Ricardo Pimentel
Palavras-chave: Estudos queer
Performatividade
Corpos vibráteis
Relações de gênero
Queer studies
Performativity
Vibratile bodies
Gender relations
Data do documento: 2012
Editor: Psicologia & Sociedade
Citação: MÉLLO, R. P. (2012)
Resumo: Maneiras de viver, muitas vezes, são naturalizadas como se houvesse uma forma predeterminada de corpo feminino ou masculino, nos remetendo vivência de nossos corpos como inertes, em oposição à alma imortal e ativa. Os corpos são qualificados como materialidades biológicas, sendo experimentados como provas de nossa sexualidade e da existência de gêneros e aqueles que não se acomodam a essas normalizações são tratados como “abjetos”. O movimento feminista se opôs as pressupostas diferenças biológicas entre homens e mulheres utilizando o conceito de gênero, mas o sexo permaneceu como categoria básica e o corpo como matéria inerte. Como não sucumbir a perspectivas binárias e dicotômicas? Como fazer de nossas vidas experimentações que ousem transbordar as normalizações histórico-culturais? A partir de estudos queer propõem-se corpos como vibráteis, estranhos, formados e dobrados em redes, uma instigação de resistência à ação de isolamento do que se considera abjeto como consequência da biopolítica.
Abstract: Ways of life often are naturalized as if there was a predetermined shape of the female and male body. The bodies are classified as a biological materiality, which is experienced as evidence of the existence of our sexuality and gender. thus, bodies that do not accommodate to these norms are treated as abjects. to counteract this biological assumption, the feminist movement began to use the concept of gender in order to strip of the supposedly biological differences between male and female. However, the sexual organ is still the basic category for differentiation and the body is still understood as an inert materialization. How not to succumb to binary perspectives? How to live a life that dares to overflow the historical and cultural commonalities? Taking the queer studies’ perspectives, it is put forward an idea of bodies as vibratile, strange, freakish devices made and molded in social webs; this is a proposal of biopolitical resistance to the isolation imposed on the abjects.
Descrição: MÉLLO, Ricardo Pimentel. Corpos, heteronormatividade e performances híbridas. Psicologia & Sociedade, Belo Horizonte, v. 24, n. 1, p. 197-207, jan./abr. 2012.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/19382
ISSN: 1807-0310 (online)
0102-7182 (impresso)
Aparece nas coleções:DPSI - Artigos publicados em revistas científicas

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2012_art_rpmello.pdf369,58 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.