Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/19899
Título: O indianismo e o problema da identidade nacional em A lágrima de um Caeté, de Nísia Floresta
Autor(es): LIMA, Stélio Torquato
Orientador(es): BORA, Zélia Monteiro
Palavras-chave: Identidade nacional
Indianismo
Polifonia
A Lágrima de um Caeté
Nísia floresta
Data do documento: 2008
Editor: Universidade Federal da Paraíba
Citação: LIMA, S. T.; BORA, Z. M. (2008)
Resumo: O período romântico configurou-se no Brasil em uma etapa relevante do processo de construção de nossa identidade nacional. Instaurando-se no país pouco depois da Independência, o Romantismo foi marcado pelo esforço de nossos escritores de erigirem os símbolos que nos identificariam frente às demais nações. É nessa perspectiva que a autora potiguar Nísia Floresta (1810-1885) desenvolveu uma interessante reflexão sobre a identidade brasileira em A lágrima de um caeté, longo poema escrito em 1849 e através do qual Nísia manifestou sua aspiração republicana. Mostrando-se simpática ao levante praieiro, ao mesmo tempo em que confere o papel de antagonista às tropas imperiais, Nísia Floresta utiliza-se do indianismo na referida obra como um modelo estruturante de um discurso através do qual ela expressa sua posição política. A despeito disso, cumpre destacar que o poema em foco é também marcado por desacordosentre as intenções humanitárias de Nísia Floresta e o lugar de onde ela emitia seu discurso, considerando a condição da escritora como uma representante da classe dominante e uma intelectual de uma nação periférica. Nesse contexto, este trabalho é desenvolvido tendo como horizonte de análise a hipótese de que o retrato do índio presente em A lágrima de um caetétermina por se coadunar com o pensamento majoritário das elites brasileiras em relação ao problema da identidade nacional. Na análise da questão da identidade nacional em A lágrima de um caeté, nos orientamos por um entendimento da nação como uma construção discursiva e ideológica, tal como defendem teóricos como Eric Hobsbawn, Benedict Anderson e Homi Bhabha. Por outro lado, as postulações teóricas de Mikhail Bakhtin, com ênfase para os conceitos de dialogismo e polifonia, nos permitiram compreender como a relação entre as vozes em conflito do poema nisiano evidenciam as contingências sócio-históricas que dificultavam, na primeira metade do século XIX, a construção de uma identidade nacional que pudesse dar conta da diversidade cultural brasileira. É nessa perspectiva que demonstramos em nosso trabalho como A lágrima de um caeté e seus atributos textuais se organizam enquanto representação estética do problema da identidade nacional.
Abstract: The Romantic period has figured itself in Brazil as a relevant stage of the construction process of our national identity. Soon after Independence, Romanticism established in our country, thus it was characterized by our writers’ effort in order to create symbols by means of which we could be recognized by other nations. It is in this perspective that Nísia Floresta (1810-1885), who was an authoress of Rio Grande do Norte state, developed an interesting reflection about Brazilian identity in A lágrima de um caeté (A caeté’s tear), a long poem written in 1849 by which Nísia Floresta expressed her republican aspiration. By doing so, she shows sympathy for the Praieira Revolt, at the same time she shows imperial troops as antagonists of her narrative, Nísia Floresta takes advantage of Indianism in the above-mentioned work as a structural pattern of a discourse through which she expresses her political position. In spite of that, it is necessary to point out that the poem in focus is also marked by disagreements between Nisia Floresta’s humanitarian intentions and the place from where she used to emit her speech, considering her condition as a dominant class representative and as an intellectual from a peripheral nation as well. In this context, this thesis is developed having as its analysis horizon the hypothesis that the representation of our Indians in A lágrima de um caeté comes to agree with the Brazilian elite’s majority point of view about the national identity question. In the analysis of national identity question in A lágrima de um caeté, we are based on a nation understanding as a discursive and ideological construction, the same comprehension defended by theorists such as Eric Hobsbawn, Bendict Anderson and Homi Bhabha. On the other hand, Mikhail Bakhtin’s theoretical postulations, emphasizing the dialogism and polyphony concepts, have allowed us to understand how the relation among the nisian poem’s voices in conflict reflects the social and historical contingencies that obstruct, in the first half of 19th century, the construction of a national identity that could range Brazilian cultural diversity as a whole. It is in this perspective that we demonstrate in our thesis how A lágrima de um caeté and its textual attributes have been organized as an esthetical representation of our national identity.
Resumo em espanhol: El período romántico se configuró en Brasil en una etapa relevante de lo proceso de construcción de nuestra identidad nacional. Instaurándose en el país poco después de la Independencia, el Romanticismo fue marcado por el esfuerzo de nuestros escritores de erigieren los símbolos que nos identificarían frente a las demás naciones. Es en esa perspectiva que la autora brasileña Nísia Floresta (1810-1885) desarrolló una interesante reflexión sobre la identidad brasileña en A lágrima de um caeté (La lagrima de un caeté), longo poema escrito en 1849 y a través de lo cual Nísia manifestó su aspiración republicana. Mostrando-se simpática a lo levante playero, a lo mismo tiempo en que confiere el papel de antagonista a las tropas imperiales, Nísia Floresta utilizase de lo indianismo en la referida obra como un modelo estructurante de un discurso a través de lo cual ella expresa su posición política. A despecho de eso, cumple destacar que el poema en foco es también marcado por desacuerdosentre las intenciones humanitarias de Nísia Floresta y el lugar de donde ella emitía su discurso, considerando la condición de la escritora como una representante de la clase dominante y una intelectual de una nación periférica. En ese contexto, este trabajo es desarrollado tiendo como horizonte de análisis la hipótesis de que el retrato de lo indio presente en A lágrima de um caetétermina por se coadunar con el pensamiento mayoritario de las elites brasileñas en relación al problema de la identidad nacional. En el análisis de la cuestión de la identidad nacional en A lágrima de um caeté, nos orientamos por un entendimiento de la nación como una construcción discursiva e ideológica, tal como defienden teóricos como Eric Hobsbawn, Benedict Anderson y Homi Bhabha. Por otro lado, las postulaciones teóricas de Mikhail Bakhtin, con énfasis para los conceptos del dialogismo y de la polifonía, nos permitieron comprender como la relación entre las voces en conflicto del poema nisiano evidencian las contingencias socio-históricas que dificultaban, en la primera mitad del siglo XIX, la construcción de una identidad nacional que pudiera dar cuenta de la diversidad cultural brasileña. Es en esa perspectiva que demostramos en nuestro trabajo como A lágrima de um caeté y sus atributos textuales se organizan como una representación estética del problema de la identidad nacional.
Descrição: LIMA, Stélio Torquato. O indianismo e o problema da identidade nacional em A lágrima de um Caeté, de Nísia Floresta. 2008. 185f. - Tese (Doutorado) - Universidade Federal da Paraíba, Programa de Pós-graduação em Letras, João Pessoa (PB), 2008.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/19899
Aparece nas coleções:DLIT - Teses defendidas em outras instituições

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2008_tese_stlima.pdf584,6 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.