Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/19961
Título: Fantasmas e sonhos milenaristas
Autor(es): BEZERRA DE MENEZES, Eduardo Diatahy
Palavras-chave: Fim do mundo
Fantasmas
Medos
Sonhos
Data do documento: 2006
Editor: Trajetos Revista de História UFC
Citação: BEZERRA DE MENEZES, E. J. (2006)
Resumo: "Um povo aterrorizado pela iminência do fim do mundo: no espírito de muitos homens de cultura, essa imagem do Ano Mil permanece viva ainda hoje, a despeito de tudo quanto escreveram para destruí-la Marc Bloch, Henri Focillon ou Edmond Pognon. Isso prova que, na consciência coletiva, os esquemas milenaristas absolutamente não perderam de todo em nossa época o seu poder de sedução. Essa miragem histórica, portanto, ocupou um lugar mui comodamente num universo mental inteiramente disposto a acolhê-Ia. A história romântica a herdara de alguns historiadores e arqueólogos que empreenderam, no século XVII e no XVIII, a exploração científica da Idade Média, dessa época obscura - como diziam -, subjugada, mãe de todas as superstições góticas que as Luzes começavam então a dissipar. E, na verdade, é por certo no fim do século XV, no momento dos triunfos do novo humanismo, que aparece a primeira descrição conhecida dos terrores do Ano Mil. Georges DUBY [1975] "Há algo grande, mas também profundamente irreal, em viver na esperança». Gershom SHOLEM "A religião é mais gigantesca utopia já aparecida na história". Antonio GRAMSCI Este texto posto na primeira das epígrafes acima, que traduzi e cujas passagens mais significativas grifei, para citá-Ia aqui como uma espécie de abertura; eu o extraí do livro sobre O ano mil da era cristã, do grande medievalista francês e um dos principais colaboradores do movimento da J Iistória Nova, Georges Duby (1919-1996), por certo um dos melhores onhecedores dessa temárica escarológica constante de nossas raízes culturais, ao lado de outros estudiosos como Norman Cohn, Henri Desroche, Jacques Lc Goff, V Lanternari, Jean Delumeau erc. O texto mostra, à maravilha, quão antigas são as raízes dos medos, fantasmas, sonhos e esperanças que povoam nossa mentalidade coletiva, estendo-se aos nossos dias, conforme ficou claramente demonstrado por várias manifestações sociais, pelo menos no Ocidente, em torno do ano 2000, inclusive no asséptico mundo da tecnologia informática, segundo as fantasias e temores construídos e amplamente divulgados sobre o bug do milênio, para não falar de medos anteriores em face dos armamentos nucleares, das ondas terroristas ou da nova "peste negra" que nos chegou com a AIOS (SIDA, em vernáculo), assim como de outras ameaças de epidemias ou da terrificante perspectiva de destruição pelo aquecimento global de que nos demos conta com a agudização da consciência ecológica...
Descrição: BEZERRA DE MENEZES, Eduardo Diatahy. Fantasmas e sonhos milenaristas.Trajetos Revista de História UFC, Fortaleza, v. 4, n. 8, p. 37-58, 2006.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/19961
ISSN: 1676-3033
Aparece nas coleções:DHIS - Artigos publicados em revistas científicas

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2006_art_edbmenezes.pdf9,33 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.