Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/20003
Título: Resenha de BUARQUE, Virgínia Albuquerque de Castro. Escrita singular. Capistrano de Abreu e Madre Maria José
Autor(es): BATISTA, Paula Virginia Pinheiro
Palavras-chave: Escrita singular
Correspondência
Capistrano de Abreu
Honorina Abreu
Data do documento: 2006
Editor: Trajetos Revista de História UFC
Citação: BATISTA, P. V. P. (2006)
Resumo: A escrita epistolar é uma prática cultural produzida por um autor(a) inserido no seu tempo e no seu espaço social. Esse usa um objeto da cultura material de sua época (a correspondência) para comunicar-se com o outro. Entretanto, não podemos considerar essas cartas apenas como veículos de comunicação à distância entre as pessoas, posto que não são formas "naturalizadas" e "espontâneas" de expressão, mas sim uma escrita regida por fórmulas particulares, gestos e normas sociais que compõem meios de construção de identidades de si e coletivas. Mesmo assim, podemos afiançar que a distância física entre os correspondentes e a distância temporal entre os atos de escrever, ler e guardar cartas são fundamentais para entender a prática epistolar, Torna-se imprescindível, para a análise desse tipo de material, compreender o lugar social dos correspondentes e entender as vicissitudes do tempo dessa prática. Sobre o tempo da escrita na prática epistolar há diversas questões a serem consideradas pelo pesquisador, como o porquê de em determinadas circunstâncias (aniversário, festas, morte etc.) serem enviadas cartas com mais freqüência do que em outras situações. Mas também se deve olhar o período anterior para saber quando a troca de correspondências se iniciou entre aqueles sujeitos. No presente trabalho, os sujeitos são o historiador Capistrano de Abreu e sua filha Honorina Abreu, que mantiveram uma copiosa troca epistolar impulsionada pela distância física que os separou após a entrada de Honorina para a Ordem do Carmelo Descalço, em 10 de janeiro de 1911. A escrita e a leitura das cartas trocadas entre eles foi uma maneira que encontraram de continuarem "juntos". Além disso, as cartas velavam a separação e a ausência do outro...
Descrição: BATISTA, Paula Virginia Pinheiro. Resenha. Trajetos Revista de História UFC, Fortaleza, v. 4, n. 8, p. 297-300, 2006.Resenha de: BUARQUE, Virgínia Albuquerque de Castro. Escrita singular. Capistrano de Abreu e Madre Maria José. Fortaleza: Museu do Ceará/Secretaria da Cultura, 2003.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/20003
ISSN: 1676-3033
Aparece nas coleções:DHIS - Artigos publicados em revistas científicas

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2006_art_pvpbatista.pdf1,54 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.