Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/20039
Título: Mapeamento psicossocial participativo: metodologia de facilitação comunitária
Título em inglês: Psychosocial participatory mapping: community facilitation methodology
Autor(es): LIMA, Deyseane Maria Araújo
BOMFIM, Zulmira Áurea Cruz
Palavras-chave: Comunidade
Reinserção
Sociedade
Subjetividade
Facilitação comunitária
Community
Re-insertion
Society
Subjectivity
Community facilitation
Data do documento: 2012
Editor: Psicologia Argumento
Citação: LIMA, D. M. A.; BOMFIM, Z. A. C. (2012)
Resumo: O artigo a visa a análise da percepção dos jovens sobre a comunidade a partir da metodologia de facilitação comunitária denominada de Mapeamento Psicossocial Participativo com alunos do ProJovem Urbano, com base no referencial teórico da psicologia comunitária. Essa metodologia promove o conhecimento da comunidade, sensibilização com o meio, interação com os moradores e a participação em atividades, bem como o reconhecimento das dificuldades vivenciadas e os potenciais a serem desenvolvidos. A pesquisa desenvolveu-se com natureza qualitativa pautada no método dialógico vivencial. Teve como amostra dez alunos do ProJovem Urbano da Escola Papa João XXIII, no Bairro Vila União, em Fortaleza. Utilizamos a observação participante e a realização do mapeamento psicossocial participativo e de círculos de cultura. Para a análise, recorremos à construção de sentidos. Observamos, portanto, que os jovens participantes tendiam geralmente a se afastar da comunidade, não participando das atividades comunitárias e nem se sentiam pertencentes àquele meio social, necessitando de metodologias participativas para realizar a reinserção social com a comunidade. Concluímos que o mapeamento psicossocial participativo propicia uma reflexão sobre a reinserção e ressocialização dos jovens na sua comunidade, pois consistiu em uma forma de diálogo e de problematização da realidade, por meio do conhecimento e da sensibilização em relação ao contexto social.
Abstract: The article analyzes the perception of young people about the community from the community facilitationmethodology named participatory psychosocial mapping with “ProJovem Urbano” program students, based on the theory of community psychology. This methodology promotes community’s knowledge, awareness with the environment, interaction with residents and participation in activities, as well as recognition of the difficulties experienced and the potential to be developed. The survey was developed with qualitative nature based on the dialogic experiential method. It had a sample size of ten students from “Escola Papa João XXIII” of the “ProJovem Urbano” program in Vila União, in Fortaleza. We used participant observation and participatory map and the psychosocial and cultural circles. We used the construction of meaning for the analysis. We observed, however, that the participants generally tended to move away from the community, not participating in community activities and not feeling belonging to that social environment, requiring participatory methodologies to accomplish the social reinsertion in the community. We conclude that the psychosocial participatory mapping provides a reflection on the reinsertion and reintegration of young people into their communities because it consisted of a form of dialogue and problematization of reality, through knowledge and awareness of the social context.
Descrição: LIMA, Deyseane Araújo Lima; BOMFIM, Zulmira Áurea Cruz. Mapeamento psicossocial participativo: metodologia de facilitação comunitária. Psicologia Argumento, Curitiba, v. 30, n. 71, p. 679-689, out./dez. 2012.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/20039
ISSN: 0103-7013 (impresso)
1980-5942 (online)
Aparece nas coleções:DPSI - Artigos publicados em revistas científicas

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2012_art_zacbomfim.pdf366,87 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.