Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/20096
Título: Autoexposição e imagens: uma análise do fenômeno selfie na sociedade de consumo
Título em inglês: Self-exhibition and images: a selfie phenomenon analysis in consumer society
Autor(es): Almeida, Fernanda Carvalho de
Orientador(es): Severiano, Maria de Fátima Vieira
Palavras-chave: Computadores e civilização
Sociedade de consumo
Estilo de vida
Culture industry
Consumption
Data do documento: 2016
Citação: ALMEIDA, F. C.; SEVERIANO, M. F. V. (2016)
Resumo: No contexto tecnocultural da sociedade de consumo contemporânea, observamos uma crescente virtualização das relações humanas. Os indivíduos transformam-se em potenciais terminais receptores e transmissores de dados via web, sendo grande parte destes, alusivos a imagens. Neste cenário, destacam-se os selfies, autorretratos capturados via smartphone ou webcam para o compartilhamento em redes sociais. Esta prática tem crescido e abarcado diferentes aspectos da vida: a hora de dormir (bedtimeselfie), de dirigir automóveis (drivingselfie) e, até mesmo, do sexo (aftersexselfie). Há, ainda, selfies como o braggie, que busca gerar inveja através da ostentação de objetos e vivências socialmente desejáveis. Logo, os selfies tornaram-se um importante veículo de difusão de ideais e estilos de vida contemporâneos. Este trabalho se propôs a analisar o fenômeno selfie, considerando o culto à autoexposição estetizada e modelada por ideais de consumo, bem como refletir sobre as repercussões deste fenômeno na subjetividade e sociabilidade dos indivíduos. Para este fim, utilizamos a Teoria Crítica da Escola de Frankfurt, bem como de críticos da cultura contemporânea que tematizam acerca de conceitos como Sociedade de Consumo, Tecnocultura, Indústria Cultural e Sociedade do Espetáculo. Metodologicamente, nos valemos da abordagem micrológica da Teoria Crítica, que concebe o particular como um valioso índice que remete ao todo. Logo, além de compreender o fenômeno selfie como um índice capaz de desvelar a totalidade de ideais culturais contemporâneos, também foi utilizada esta abordagem durante a coleta de dados: selfies, reportagens, hashtags, comentários de cibernautas, documentários, tutoriais e vídeos. Portanto, no decorrer deste trabalho, realizamos uma análise teórico-crítica, articulando prática e teoria, findando por erigir três categorias-chaves a partir da recorrência de certos temas: Dolce Vita, Telerrealidade e Corpo Ideal. A primeira refere-se a certo estilo de vida encontrado nas imagens, ao passo que a segunda alude à ambiência, que compõe este estilo de vida. Quanto à terceira, relaciona-se ao corpo nestas imagens. Nossas reflexões finais apontam para o selfie como um fenômeno de consumo do eu e do outro, de modo que observamos o espelhamento de aspectos da sociedade de consumo em suas diversas facetas - tipos, finalidade, busca por selfies perfeitos e por curtidas. Busca-se, pois, capturar o olhar do outro através do que lhe é familiar: a linguagem publicitária, espécie de idioma da indústria cultural. Almeja-se, enfim, o espetáculo, porque este se tornou um modo de existir total, concernente tanto a produtos quanto a pessoas: ele engloba a cena social. Daí a relevância deste estudo para a contemporaneidade, especialmente para a psicologia social crítica. Ainda, nesta investigação desvelam-se indivíduos imersos no clima homogeneizante de bens culturais produzidos por uma indústria cultural exacerbada pela tecnocultura. Logo, a produção deste indivíduo, isto é, a maneira que ele escolhe para autorretratar-se, espelha esta “pedagogia do existir” ou “pedagogia da visão”, na qual visibilidade e existência encontram-se, muitas vezes, sobrepostos.
Abstract: n contemporary consumer society’s tecnocultural context, we’ve watched a growing virtualization of human’s relations .The individuals become potential web terminals of data’s reception and transmittion, being images a great part of that data. In this scenario, a certain type of image detaches: the selfies. At those, individuals self-portrait themselves on smartphones or webcams to share their images on social medias. This practice has increased broadly and has enclosed many life’s aspects. For example, we highlight moments in bed (bedtimeselfie), while driving (drivingselfie) and even after sex time (aftersexselfie) . Also, there is a certain kind of selfie called braggie that seeks to cause envy through desirable objects or social experiences. Therefore, the selfies have become an important vehicle of contemporary ideals and lifestyles. The aim of this study proposes a selfie phenomenon analysis, considering the cult of self-exposition through consumption ideals and a reflection about the repercussion of this phenomenon on individual’s subjectivity and sociability. In order to do this, we approach the phenomenon, in a qualitative perspective, using the Critical Theory from Frankfurts’s School as a theoretical and methodological referential, in addition to contemporary critical authors that thematizes about aspects involving the object of the research. Methodologically, it was made a use of Critical Theory proposal, whose micro logical approach conceives the particular as a revealing index that remits to social whole. By this mean, we elected selfie phenomenon as an index able to uncover the totality of contemporary significant consumption ideals. Therefore, objectifying this phenomenon’s comprehension, we first percussed a documental stage, being oriented by details, marginal data, vestiges and evidences connected to the presented phenomenon. The documents considered were: selfies, reportings, hashtags, cybernauts’ comments, documentary, tutorials and videos. Afterwards, the collected material was organized on three key-categories by certain themes: Dolce Vita, Telerrealidade and Ideal Body. The first one refers to a certain lifestyle found in the analyzed images, while the second one specifies the ambience that compounds this lifestyle. The third category is related to the body that appears in those images. Finally, we proceeded to our final considerations, which involved a dialectical articulation between the adopted theory referential and the documental stage that pointed selfies as consumption phenomenon of the self and the other. In fact, on selfies many sides – its finality, its types, the search for the perfect selfie and for likes – we observe the mirroring of consumption society’s aspects. The perfect selfie, synonym of maximum visibility and likes, shows itself as the “perfect” integration of consumption ideals through new shapes. The search to capture the otherness eyes through what is familiar: the publicity language, part of Culture Industry’s speech. In the end, the spectacle is craved because became a total existing manner to people and to objects: it has included the social scene. By this mean, we point the relevance of this study to our contemporaneity, especially, to critical social psychology. Still, at this research, it’s uncovered an individual immersed in an homogenizing clime produced by a culture industry exacerbated by Tecnocultura. Therefore, this individual’s output, in other words, the way he chooses to portrait himself, shows this “existence pedagogy” or “vision pedagogy” , on which visibility and existence are, at many times, overlapped.
Descrição: ALMEIDA, Fernanda Carvalho de. Autoexposição e imagens: uma análise do fenômeno selfie na sociedade de consumo. 2016. 112f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Ceará, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Fortaleza (CE), 2016.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/20096
Aparece nas coleções:PPGP - Dissertações defendidas na UFC

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2016_dis_fcalmeida.pdf2,18 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.