Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/20540
Título: Estudo molecular do gene TP53 e da expressão da proteína p53 nas características prognósticas de pacientes com síndrome mielodisplásica de baixo risco
Título em inglês: Molecular study of gene TP53 and immunohistochemical expression of p53 protein in the prognostic characteristics of patients with low-risk myelodysplastic syndrome
Autor(es): Duarte, Fernando Barroso
Orientador(es): Vasconcelos, Paulo Roberto Leitão de
Palavras-chave: Síndromes Mielodisplásicas
Genes p53
Células-Tronco Hematopoéticas
Prognóstico
Transplantes
Data do documento: 11-Out-2016
Citação: DUARTE, F. B. ; VASCONCELOS, P. R. L. (2016)
Resumo: A Síndrome Mielodisplásica (SMD) compreende um conjunto heterogêneo de doenças clonais com a patogênese complexa, que envolve várias etapas e fatores. As mutações no gene TP53 têm sido implicadas em alterações na homeostase de células progenitoras, com impacto em funções relevantes no desenvolvimento de neoplasias, como manutenção da integridade genômica, regulação do ciclo celular, apoptose e resposta inflamatória. O objetivo do estudo foi investigar o impacto da expressão da proteína p53, mutações no gene TP53 e do polimorfismo R72P em pacientes com SMD de baixo risco associando-os aos marcadores clínicos e com escores prognósticos e a sua aplicabilidade como critério adicional para auxiliar a indicação do TCTH. Trata-se de um estudo analítico e prospectivo envolvendo 73 pacientes, de ambos os sexos estratificados como de baixo risco, em acompanhamento no ambulatório do Hospital Universitário Walter Cantídio (HUWC), no período de fevereiro de 2012 a agosto de 2016. A expressão da proteína p53 foi avaliada por imunohistoquímica, as mutações e o polimorfismo R72P foram analisados por sequenciamento direto. A análise estatística utilizou o programa GraphPad Prism 5.0 e considerou o nível de significância do p<0,05. Dos 73 pacientes que participaram do estudo, 20 (27,4%) foram positivos para a expressão da proteína p53. No grupo com expressão de p53 houve significativa redução dos níveis de hemoglobina e hematócrito com aumento da frequência de fibrose, hipercelularidade e positividade CD34 em megacariócitos. Dos 73 pacientes, 35 foram analisados quanto a pesquisa da mutação do TP53 e do polimorfismo R72P. Foram identificadas duas mutações na população em estudo, com uma frequência de 5,7%. Uma mutação nonsense foi identificada pela primeira vez na SMD, em um paciente do sexo feminino e uma mutação missense, ainda não descrita na literatura, em um paciente do sexo masculino. Quanto ao polimorfismo R72P, houve uma predominância do alelo G e do genótipo GG. Todos os pacientes com o genótipo “heterozigoto” (CG) foram do sexo masculino. Não houve associação entre as mutações, os genótipos do polimorfismo e as variáveis clínicas e de prognóstico. Durante o seguimento do estudo, dois pacientes apresentaram indicação para o transplante de células tronco hematopoiéticas. Um deles foi positivo para p53 em 40% dos precursores granulocíticos e foi a óbito seis meses após o diagnóstico. O segundo, negativo para a expressão de p53 e mutação TP53, foi submetido ao TCTH, e encontra-se estável. Os resultados mostraram que a expressão de p53 pode influenciar evolução clínica e está associada a pior prognóstico, mesmo em pacientes de baixo risco refletindo a complexidade da SMD e fornecendo subsídios para novos estudos, a fim de esclarecer o impacto do gene TP53 e da expressão da proteína na origem, na progressão da doença e na conduta terapêutica, incluindo o TCTH.
Abstract: The Myelodysplastic Syndrome (MDS) comprises a heterogeneous group of clonal diseases with complex pathogenesis, involving several phases and factors. TP53 gene mutations have been involved in progenitor cell homeostasis alterations with an impact on relevant functions in the development of neoplasms, such as genomic integrity maintenance, cell cycle regulation, apoptosis and inflammatory response. The aim of the study was to investigate the impact of the p53 protein expression, TP53 gene mutations and the R72P polymorphism on patients with low-risk MDS, associating them with clinical markers and prognostic scores and their applicability as an additional criterion to support hematopoietic stem cell transplantation (HSCT) indication. This is an analytical and prospective study involving 73 patients, of both genders, stratified as low risk, followed at the Outpatient Clinic of Walter Cantídio University Hospital (HUWC) from February 2012 to August 2016. The p53 protein expression was assessed by immunohistochemistry, whereas the mutations and the R72P polymorphism were analyzed by direct sequencing. The statistical analysis used the GraphPad Prism 5.0 software and the significance level was set at p <0.05. Of the 73 patients who participated in the study, 20 (27.4%) were positive for the p53 protein expression. In the group with p53 expression, there was a significant reduction in hemoglobin and hematocrit levels, with increased frequency of fibrosis, hypercellularity and CD34 positivity in megakaryocytes. Of the 73 patients, 35 were screened for mutations in the TP53 gene and R72P polymorphism. Two mutations were identified in the study population, with a frequency of 5.7%. A nonsense mutation was identified for the first time in MDS in a female patient and a missense mutation, not yet reported in the literature, in a male patient. As for the R72P polymorphism, there was a predominance of the G allele and the GG genotype. All patients with "heterozygous" (CG) genotype were males. There was no association between mutations, polymorphism genotypes and clinical and prognostic parameters. During the study follow-up, two patients had indication for hematopoietic stem cell transplantation. One of them was positive for p53 in 40% of granulocytic precursors and died six months after the diagnosis. The second, who was negative for p53 expression and TP53 mutation, was submitted to HSCT and is in a stable condition. The results showed that p53 expression can influence clinical evolution and is associated with poor prognosis even in low-risk patients, reflecting the complexity of MDS and providing subsidies for further studies aiming to clarify the impact of the TP53 gene and the protein expression on the disease origin, progression and its therapeutic management, including HSCT.
Descrição: DUARTE, F. B. Estudo molecular do gene TP53 e da expressão da proteína p53 nas características prognósticas de pacientes com síndrome mielodisplásica de baixo risco. 2016. 82 f. Tese (Doutorado em Cirurgia) - Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2016.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/20540
Aparece nas coleções:DCIR - Teses defendidas na UFC

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2016_tese_fbduarte.pdf1,51 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.