Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/21261
Título: Índios Pitaguary: práticas terapêuticas, crenças religiosas e curas tradicionais
Autor(es): Andrade, João Tadeu de
Sousa, Carlos Kleber Saraiva de
Palavras-chave: Pitaguary
Curas tradicionais
Práticas terapêuticas
Crença religiosa
Data do documento: 2012
Editor: 28ª Reunião Brasileira de Antropologia
Citação: Andrade, J. T.; Sousa, C. K. S. (2012)
Resumo: O estudo em pauta intenciona compreender os conhecimentos e as práticas terapêuticas tradicionais de curas desenvolvidos pelos índios Pitaguary, situados nas aldeias de Munguba e Santo Antônio do Buraco, no Município de Maracanaú-Ceará. Essa proposta geral se desdobra em outras mais específicas e que remetem a: 1) classificar esses saberes e ações direcionadas à promoção da saúde; 2) analisar essas práticas médicos-tradicionais enquanto ritos étnicos que organizam elementos diversos de crenças religiosas. Os dados etnográficos (observações diretas, entrevistas abertas, rodas de conversas, capturas de imagens paradas e em movimento e participações em situações cotidianas da comunidade) foram coletados entre os meses de Outubro de 2010 e Julho de 2011. Entre os resultados obtidos, sublinhamos os que envolvem aspectos culturalmente híbridos entre os saberes tradicionais apresentados, nas práticas terapêuticas e nos rituais religiosos de curas.
Descrição: ANDRADE, João Tadeu de; SOUSA, Carlos Kleber Saraiva de. Índios Pitaguary: práticas terapêuticas, crenças religiosas e curas tradicionais. In: REUNIÃO BRASILEIRA DE ANTROPOLOGIA, 28., 2012, São Paulo. Anais... São Paulo: ABA, 2012, p. 1-21.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/21261
ISBN: 978-85-87942-07-4
Aparece nas coleções:DCSO - Trabalhos apresentados em eventos

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2012_eve_jtandrade.pdf229,43 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.