Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/21978
Título: O lugar da agressividade na educação a partir da perspectiva lacaniana
Autor(es): Araújo, Fabíola Menezes de
Palavras-chave: Agressividade
Alienação
Desalienação
Outro
Olhar
Data do documento: 2013
Editor: Revista Dialectus
Citação: Araújo, F. M. (2013)
Resumo: O objetivo do presente artigo é expor a leitura que a psicanálise lacaniana levanta acerca das causas que levam à irrupção da agressividade, principalmente em razão do caráter frequente deste fenômeno em educação. Sendo o método utilizado basicamente o dissertativo, procurou-se ressaltar a dimensão filosófica do problema. O próprio Lacan se apropria do legado hegeliano e marxista para desdobrar a tese da agressividade enquanto realização de uma dinâmica instaurada a partir do olhar e que tem o seu modus operandi nos movimentos de alienação e de desalienação. A agressividade, ilustrada, por exemplo, pelas injúrias sofridas pelos professores mostra-se como tentativa de provocar a queda do Outro, queda essa tida como objeto a cujo modo de aparição é regulado pelo complexo de Édipo. Isto é, tanto o modo como se inscrevem as figuras de autoridade parentais nas cadeias significantes de que é composto o sujeito quanto o modo como essa inscrição molda as possibilidades existenciais de articulação com o sexo oposto seriam chave para antevermos em que medida o sujeito faz uso da agressividade. Nessa medida, o complexo de Édipo, reinvestido pelo acontecimento da puberdade, seria responsável pelo deslocamento da libido ora para o Outro ora para o próprio sujeito. O Outro, no desdobramento teórico de Lacan que se segue à década de 60, compreende tanto as escolhas identificatórias quanto aquilo que escapa a qualquer identificação. O Outro, por exemplo, na figura do professor, tem tanto o papel de se posicionar enquanto tal e assim gerar intuitivamente um processo de identificação, quanto o delicado papel de sustentar a dialética que surge no momento em que o Outro cai, momento esse que frequentemente se segue à identificação e que acontece junto a um gozo capaz de desvelar o objeto a. Muito embora o papel em educação não seja manter uma ausculta a esse objeto, a educação pode fazer com que esse objeto não seja excluído e seja contornado junto ao advento de singularidades. Neste momento, a explicitação das regras através das quais a educação se constitui assim como a empatia do educador aparecem como instrumentos fundamentais na educação tanto quanto a própria matéria a ser ensinada. Do texto, depreendemos a seguinte conclusão: acerca da necessidade de causarmos a colocação da agressividade na fala como via de conquista do processo de desalienação conjugada com uma possibilidade de sustentação do desejo.
Abstract: This paper aims to show issues raised by lacanian psychoanalyses concerning the reasons of the phenomenon of aggressiveness, mainly due to the frequency of this phenomenon in education. In this paper, it was intended to highlight the philosophical dimension of the problem, since we are using basically the dissertative method. Lacan takes Hegelian and Marxist legacy to develop the thesis of aggressiveness as realization of a dynamic introduced from the gaze and that has its modus operandi in the movements of alienation and non-alienation. The aggressiveness illustrated, for example, by the injuries suffered by teachers shows itself as a tentative to cause the fall of the Other, this fall is considered as the object a of which its appearance is regulated by the Oedipus Complex. Namely, both the way how the parental authority figures are inscribed in the significant chains that compose the individual and how this inscription shapes the existential possibilities of interaction with the opposite sex would be the key to foresee the extent the individual makes use of aggressiveness. In this way, the Oedipus complex, reinvested by the event of puberty would be responsible for the displacement of the libido one time to the ´Other´ and other time to the own subject. The Other, in the theoretical development of Lacan that follows the decade of 1960, comprehends the identifier choices and also what escapes from any identification. The Other, as a teacher, has the role of positioning itself to generate intuitively one process of identification and has the delicate function of sustain the dialectic that emerges in the moment where the Other falls, moment which usually comes after the identification and that happens with a joy capable of unveiling the object a. Although the role of education is not to maintain an auscultation to this object, the education can influence its nonexclusion and make this object be contoured with the advent of singularities. In this moment, the explicitness of the rules which education constitutes itself as well as the empathy from the educator can be a fundamental instrument in education like the subject to be taught. From the text, we can conclude that: we need to put the aggressiveness in our speech as via of achievement of the non-alienation process conjugated with the possibility to support the desire.
Descrição: ARAÚJO, Fabíola Menezes de. O lugar da agressividade na educação a partir da perspectiva lacaniana. Revista Dialectus, Fortaleza, ano 1, n. 2, p. 131-145, jan./jun. 2013.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/21978
ISSN: 2317-2010
Aparece nas coleções:PPGEB - Artigos publicados em revistas científicas

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2013_art_fmaraújo.pdf1,48 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.