Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/22247
Título: A peregrinação do santo vivo e o ser de Deus em Feuerbach
Autor(es): Oliveira, Marcelo João Soares de
Palavras-chave: Santo vivo
Peregrinação
Ex-voto
Feuerbach
Data do documento: 2015
Editor: Revista Dialectus
Citação: Oliveira, M. J. S. (2015)
Resumo: Este artigo é fruto de uma pesquisa teórica sobre a peregrinação do santo vivo e suas repercussões na construção das subjetividades, considerando os referenciais das ciências da religião e da crítica feuerbachiana sobre a religião. Em seus estudos, Ludwig Feuerbach tem apresentado grande preocupação com o fenômeno religioso. Ele pensa o problema de Deus como sendo o próprio homem exteriorizado e é através da religião que o ser humano se expressa.O fenômeno do santo vivo, é a linguagem própria de o peregrino expressar-se e revelar-se e de comunicar o que há de mais profundo em si mesmo, quando ele se relaciona com o santo vivo, descobre-se a si mesmo, vê a sua própria essência e não um personagem reconhecido por alguma instituição. Assim, o peregrino transforma a essência humana em santo vivo. A peregrinação em busca do santo vivo deve ser livre e sem interesse, não é obrigação, mas identificação.A partir da contextualização da peregrinação e seus significados para o peregrinose percebe que as peregrinações não são todas iguais, mas, escondem enigmas que apontam para a diversidade de sentidos, de gestos e de promessas dos peregrinos. O peregrino faz promessa não porque necessita, mas porque quer. Além disso, elas não podem ser coarctadas, restritassomente aocampo religioso, seu sentido ecoa nos aspectos sociais e políticos. Os clamores dos peregrinos revestidos de sentido religioso canalizam anseios de reconhecimento social. Assim, neste artigo pretendo pensar a peregrinação do santo vivoe a projeção de qualidades e desejosdos peregrinos refletindo algumas ideias de Feuerbach.
Abstract: This article is the result of theoretical research on the pilgrimage of the living saint and its repercussions in the construction of subjectivities, considering the reference of the religious sciences and Feuerbach's critique of religion. In their studies, Ludwig Feuerbach has shown great concern for the religious phenomenon. He thinks the problem of God as the man himself externalized and it is through religion that the human being is expressed. The phenomenon of living saint, is the very language of the pilgrim express themselves and prove and communicate what is deepest in itself, when it relates to the living saint, finds himself, see its very essence and not a character recognized by an institution. Thus, the pilgrim turns the human essence in living saint. The pilgrimage in search of the living saint should be free and without interest, it is not required, but identification. From the context of the pilgrimage and their meanings for the pilgrim realizes that pilgrimages are not all alike, but hide puzzles that point to the diversity of meanings, gestures and promises of pilgrims. The pilgrim does not promise because it needs, but because he wants to. In addition, they cannot be impeded in, restricted only to the religious field, its echoes felt in social and political aspects. The cries of coated pilgrims from religious sense channel longings for social recognition. So in this article I intend to think about the pilgrimage of the living saint and the projection of qualities and desires of pilgrims reflecting some ideas of Feuerbach.
Descrição: OLIVEIRA, Marcelo João Soares de. A peregrinação do santo vivo e o ser de Deus em Feuerbach. Revista Dialectus, Fortaleza, ano 2, n. 6, p. 138-149, jan./ago. 2015.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/22247
ISSN: 2317-2010
Aparece nas coleções:PPGEB - Artigos publicados em revistas científicas

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2015_art_mjsoliveira.pdf139,91 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.