Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/22390
Título: Aprender como é o mundo: histórias de vida de jovens egressas do acolhimento institucional
Título(s) alternativo(s): Apprendre le Monde: histoires de vie jeunes qui est sorti de soins en établissement
Autor(es): Sousa, Aline da Silva
Orientador(es): Olinda, Ercília Maria Braga de
Palavras-chave: Transição para a vida adulta
Jovens e Crianças Institucionalizadas – transição para a vida adulta – Maracanaú (CE)
Jovens e crianças institucionalizadas – Maracanaú (CE)
Résilience
Empowerment
Data do documento: 2016
Citação: Sousa, A. S.; Olinda, E. M. B. (2016)
Resumo: O presente trabalho insere-se na confluência entre diferentes campos: Educação em Direitos Humanos, com destaque para os direitos de crianças e de adolescentes; Sociologia da Juventude; história de vida e formação, consubstanciada na abordagem (auto) biográfica e os estudos sobre resiliência e empoderamento. Trata da experiência de jovens que passaram longo período em situação de acolhimento institucional. Pela via da narrativa autobiográfica interpretei o que jovens, que passaram por esta experiência, nos ensinam sobre resiliência e empoderamento. Busquei compreender a trajetória formativa e vivencial de sete jovens que passaram de cinco a doze anos acolhidas na Casa Família Maria Mãe da Ternura, em Maracanaú – CE e os enfrentamentos para vencer, fortalecer-se e/ou transformar-se a partir das experiências adversas vividas. O objetivo geral da pesquisa foi compreender, através das histórias de vida das jovens egressas da Casa Família, o significado da institucionalização durante longos anos, identificando os fatores presentes nas respostas resilientes e atitudes de empoderamento que foram capazes de desenvolver e que as levaram a elaborar projetos vitais. Para alcançar os objetivos pretendidos na investigação, encontrei suporte inicial na pesquisa qualitativa, a partir de sua dimensão múltipla e espaço prático diversificado. Neste universo, que não desconsidera a subjetividade e a dimensão afetiva, optei pela pesquisa (auto)biográfica, abordagem que dá centralidade às histórias de vida e sua contribuição para a construção da figura de si dentro de um processo educativo norteado pelo paradigma do singular-plural. O uso desse referencial visa subsidiar a ampliação da compreensão dessa área de conhecimento, capaz de despertar o indivíduo para si e para o mundo, num processo de empoderamento, a partir da apropriação que ele faz de sua própria história ao narrar sua vida. Para me aproximar dos objetivos delineados, optei pela estratégia metodológica da Entrevista Narrativa. As narrativas decorrentes das entrevistas foram analisadas a partir da metáfora da “tempestade de luz”, configurada na Análise Textual Discursiva proposta por Roque Moraes. As histórias de vida indicaram: as condições materiais, estruturais e relacionais da instituição; aspectos emocionais, sociais, psicológicos, espirituais e educativos das jovens, bem como da transição para uma vida não institucionalizada. Mostraram, principalmente, as contradições entre processos de assujeitamento e de resistência, demonstrando que a resposta resiliente não é inata, nem linear, comportando conflitos, avanços e recuos.
Descrição: SOUSA, Aline da Silva. Aprender como é o mundo: histórias de vida de jovens egressas do acolhimento institucional. 2016. 196f. – Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Ceará, Programa de Pós-graduação em Educação Brasileira, Fortaleza (CE), 2016.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/22390
Aparece nas coleções:PPGEB - Teses defendidas na UFC

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2016_tese_assousa.pdf1,86 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.