Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/2247
Título: O papel do pai na fobia e na neurose obsessiva: o Pequeno Hans e o Homem dos ratos em Freud e em Lacan
Autor(es): CARVALHO, Evelyn Benevides
Orientador(es): BARROCAS, Ricardo Lincoln Laranjeira
Palavras-chave: Função paterna
Angústia
Neurose obsessiva
Fobia
Paternal function
Anguish, obsessive neuroses
Phobia
Freud,Sigmund,1856-1939 - Crítica e interpretação
Lacan, Jacques, 1901-1981 - Crítica e interpretação
Figura paterna
Fobias
Transtorno obsessivo-compulsivo
Data do documento: 2006
Editor: http://www.teses.ufc.br
Resumo: Este trabalho tem como objetivo pensar a atuação do pai (entendido, aqui, como pai da realidade), em sua possível contribuição ao encaminhamento do filho para uma neurose obsessiva ou fobia, a partir da relações que acontecem no contexto da triangulação edipiana. Sendo a neurose uma estratégia de defesa frente à castração, que particularidades nas relações desejantes poderiam conduzir a uma ou outra forma típica de defesa? Se a conflitiva obsessiva desenrola-se eminentemente no plano do pensamento; e a fóbica, no plano da realidade (na relação com o objeto fóbico), o que poderia gerar esta diferença? Visando esclarecer alguns aspectos acerca do papel do pai real na estruturação da neurose da criança, é necessário observar o próprio desdobramento da função paterna em seus níveis real, simbólico e imaginário; a relação do pai com diversos outros elementos da dinâmica familiar: a dinâmica desejante no casal parental, a forma como cada um de relaciona com a lei, os elementos que interferem nestas relações, como se dá a circulação do falo em cada caso, dentre outros. Optamos por uma pesquisa bibliográfica e elegemos os casos clínicos ‘Pequeno Hans’ e ‘Homem dos Ratos’ como base primordial de nossa discussão, pois acreditamos que a análise do que é mais particular pode revelar aspectos universais de cada estrutura. Além disso, partimos do princípio de que o texto freudiano não está esgotado em suas possibilidades de nos surpreender e oferecer novos questionamentos. Utilizamos a contribuição lacaniana (em um momento inicial de seu ensino) e sua releitura destes casos clínicos. Autores como Jerusalinsk, Julien, Dor, Ambertín, Gazzola, Melman, dentre outros, também são convocados a enriquecer nossa discussão. Investigamos as semelhanças e diferenças na forma como o pai, em cada caso, cumpriu sua função que é dupla: interditor e modelo de identificação, assim como suas possíveis conseqüências sobre o sujeito, a forma deste lidar com o desejo e a castração. Na fobia, para delimitar e apaziguar a angústia, o sujeito precisa lançar mão do objeto fóbico como suplência para a função paterna que comparece de forma insuficiente na relação mãe-filho. Este objeto vem fornecer limites ao mundo do sujeito, demarcar pontos de perigo e servir de suporte a uma série de elaborações simbólico-imaginárias que podem possibilitar um remanejamento significante, como no caso de Hans em que houve uma intervenção analítica. Na neurose obsessiva, observa-se um sujeito atormentado por pensamentos recorrentes e impelido a rituais como tentativas de proteção frente ao perigo, eternamente em conflito com a instância fálica, oscilando entre o desejo de transgredi-la e a submissão fervorosa. Lei que, para o obsessivo ficou difícil de elaborar, talvez por ter sido colocada de forma excessiva ou ambígua no contexto desejante da criança. No obsessivo, a passagem do ‘ser’ ao ‘ter’ torna-se mais problemática pela mensagem de insatisfação materna em relação ao marido. Isto dificulta o sujeito abrir mão de sua identificação fálica imaginária, ao mesmo tempo em que reconhece a existência e teme a instância da lei. Já o fóbico, pode ter ficado mais a mercê do desejo materno, sem uma instância terceira que o proteja do risco de aniquilamento. ‘Matar (o pai) ou morrer’ é o impasse do obsessivo. ‘Escapar (do gozo materno)’ é o esforço do fóbico. Desta forma, buscamos trazer nossas contribuições, reconhecer paradoxos e deixar em aberto algumas perguntas que se abrem ao longo do processo e que podem servir como ponto de partida para futuras pesquisas.
Abstract: This work aims at thinking upon the actions of the father (here understood as father in reality) in his possible contribution in leading the son to an obsessive neurosis or phobia from the relationships that happen in the context of the Oedipal triangulation. As neurosis is a defense strategy in face of castration, which particularities in the desiring relationships could lead to one typical form of defense or another? If the obsessive conflict unfolds eminently in the level of thought and the phobic in the level of reality (in the relationship with the phobic object), what could generate this difference? Aiming at clarifying some aspects of the role of the real father in structuring the child’s neurosis, it is necessary to observe the very development of the paternal function in its real, symbolic and imaginary levels; the relationship of the father with several other elements of the family’s dynamics: the desiring dynamics in the parental couple, the way that each of them relates to the law, the elements that interfere in those relationships, how the circulation of the phallus takes place in each case, among others. We have decided to carry out a bibliographical research and selected the clinical cases ‘Little Hans’ and ‘Rat Man’ as the fundamental basis of our discussion, as we believe that the analysis of what is most particular can unveil universal aspects of each structure. Furthermore, we start from the principle that the Freudian text is not exhausted in its possibilities of surprising us and offering new questions. We utilize the Lacanian contribution (in an initial moment of his teachings) and another reading of those clinical cases. Authors such as Jerusalinsk, Julien, Dor, Ambertín, Gazzola, Melman, among others, are also summoned to enrich our discussion. We investigate the similarities and the differences in the way that the father, in each case, has performed his function, which is dual: restrainer and model of identification, as well as his possible consequences on the subject, the subject’s way of dealing with desire and castration. In phobia, to delimitate and allay the anguish, the subject needs to resort to the phobic object as a supplement to the paternal function that appears in an insufficient form in the relationship mother-son. This object comes to provide limits to the subject’s world, to demarcate points of danger and to serve as support to a series of symbolic-imaginary elaborations which can render possible a meaningful change, as in Hans’ case, in which there was an analytical intervention. In the obsessive neurosis, there is a subject tormented by recurring thoughts and driven to rituals as attempts of protection in face of danger, permanently in conflict with the phallic instance, oscillating between the wish of transgressing it and the devoted submission. A law that, for the obsessive has become difficult to elaborate, perhaps because it has been put in excessive or ambiguous way in the desiring context of the child. In the obsessive, the passage from the ‘being’ to the ‘having’ becomes more problematic due to the message of maternal dissatisfaction in relation to the husband. That makes it difficult to the subject to give up on his imaginary phallic identification, while at the same time he recognizes the existence and fears the instance of the law. As to the phobic, it can be that he has been more at the mercy of maternal desire, without a third instance to protect him of the risk of annihilation. ‘Killing (the father) or dying’ is the obsessive’s impasse. ‘Escaping (the maternal pleasure) is the phobic’s effort. This way, we attempt to bring our contributions, to recognize paradox and leave unanswered some questions that arise along the process and that can serve as a starting point to future research.
Descrição: CARVALHO , Evelyn Benevides. O papel do pai na fobia e na neurose obsessiva: o Pequeno Hans e o Homem dos ratos em Freud e em Lacan. 2006. 151f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade Federal do Ceará, Departamento de Psicologia, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Fortaleza-CE, 2006.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/2247
Aparece nas coleções:PPGP - Dissertações defendidas na UFC

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2006_dis_EBCarvalho.PDF795,27 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.