Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/2399
Título: Importância da análise da frequência cardiáca na diferenciação de eventos epilépticos e não epilépticos
Título em inglês: Importance of Heart Rate Analysis in the differentiation of epileptic and non epileptic events
Autor(es): Oliveira, Gisele Ramos de
Orientador(es): Rola , Francisco Hélio
Palavras-chave: Frequência Cardíaca
Epilepsia
Sistema Nervoso Central
Data do documento: 2006
Citação: OLIVEIRA, G. R. (2006)
Resumo: As convulsões dialépticas têm como principais alterações ictais as alterações de consciência que são independentes das manifestações ictais no eletroencefalograma. Essa classificação de convulsões epilépticas foi proposta por Lüders et al em 1998 e tem como base exclusivamente a semiologia ictal. O presente estudo avalia um total de 59 eventos dialépticos de 27 pacientes. Os eventos foram retrospectivamente avaliados e classificados em: crises dialépticas parciais complexas, crises dialépticas parciais simples, e eventos dialépticos não epilépticos. É de amplo conhecimento que a regulação cardiovascular é uma função da atividade neuronal no córtex cerebral, na amígdala e na formação reticular do bulbo e que a ativação seletiva dos centros cardíacos nessas áreas produz aumento ou diminuição da freqüência cardíaca. Esse estudo analisou as alterações da freqüência cardíaca 1 hora antes, durante e 1 hora depois de cada evento dialéptico. Foi observado que a freqüência cardíaca do período basal era semelhante nos grupos de crises parciais complexas e de crises não epilépticas. Também foi observado que a freqüência cardíaca basal está aumentada no grupo de pacientes com crises parciais simples (P<0,05). Por sua vez, a freqüência cardíaca no período ictal não aumentou no grupo de crises não epilépticas, bem como no grupo de crises parciais simples. Foi observado um aumento da freqüência cardíaca (taquicardia) em cada crise dialéptica parcial complexa (P<0,05), com o retorno da freqüência cardíaca aos níveis basais no período pós ictal. Esses achados indicam que a taquicardia mediada por vias centrais é uma característica das crises dialépticas parciais complexas. Na segunda parte do estudo, foram analisada as alterações da freqüência cardíaca induzidas pelo movimento em crises epilépticas e não epilépticas. Foi demonstrado que em nenhuma crise não epiléptica moderada houve um aumento da freqüência cardíaca durante a fase ictal acima de 39,3%, comparando-se com a freqüência cardíaca do período basal. Não houve aumento da freqüência cardíaca em nenhuma crise não epiléptica leve acima de 16,3% durante a fase ictal, bem como nenhuma crise parcial simples apresentou um aumento da FC acima de 20,6%, comparando-se com o período basal. Foi verificado que a utilização de uma escala para gradação da quantidade de movimento pode ser usada como ferramenta na verificação de uma tendência de alteração da freqüência cardíaca de acordo com a quantidade de alteração de movimento. Assim, a análise da freqüência cardíaca pode ser usada como critério para exclusão de eventos psicogênicos.
Abstract: Dialeptic seizures are characterized by ictal loss of consciouness, that is independent of the EEG correlate. This classification of epileptic seizures is based only on ictal semiology and was proposed by Lüders et al in 1998. We studied 59 dialeptic events of 27 patients. The events were retrospectively analyzed and classified in: dialeptic complex partial seizures, dialeptic simple partial seizures and dialeptic non epileptic events. It is well known that cardiovascular regulation is a function of neuronal activity in the cerebral cortex, amygdala, and reticular formation in the medulla, and that selective activation of cardiac centers in theses areas is responsible for changes in the heart rate. Our study analyzed the heart rate changes 1 hour prior, during and 1 hour after each dialeptic event. It was shown that the heart rate of the basal period was similar in the complex partial seizures group and in the non epileptic group. The basal heart rate was increased in the simple partial seizures group (P<0.05). The ictal heart rate did not increase in the non epileptic group, as well as in the simple partial seizures group. We showed an increase in the heart rate in each dialeptic complex partial seizure (P<0.05), and the heart rate returned to normal in the post-ictal period. Our study showed that central mediated tachycardia is a feature of dialeptic complex partial seizures. In the second part of our study, the heart rate changes secondary to movement in epileptic and non epileptic seizures were analyzed. It was shown that none of the moderate non epileptic seizures had an increase in the ictal heart rate above 39.3% when compared to the heart rate in the basal period. There wasn’t any heart rate increase in any of the mild non epileptic seizures greater than 16.3% in the ictal period. None of the simple partial seizures showed heart rate increase above 20.6% of the basal period. We showed that a scale for movement quantification allow us to show a tendency of heart rate changes secondary to different degrees of body movement. Therefore, heart rate analysis can be used as an additional criterion for exclusion of psychogenic events.
Descrição: OLIVEIRA, Gisele Ramos de. Importância da análise da frequência cardiáca na diferenciação de eventos epilépticos e não epilépticos. 2006. 92 f. Dissertação (Mestrado em Farmacologia)- Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Medicina, Fortaleza, 2006.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/2399
Aparece nas coleções:DFIFA - Dissertações defendidas na UFC

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2006_dis_groliveira.pdf182,15 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.