Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/24090
Title in Portuguese: Teoria da Amizade de Aristóteles e o egoísmo ético
Author: Faustino, Lucas Rocha
Keywords: Política
Aristóteles
Self-sufficiency.
Issue Date: 2014
Publisher: Argumentos - Revista de Filosofia
Citation: Faustino, L. R. (2014)
Abstract in Portuguese: A amizade funda uma relação política que secundariza qualquer primado instrumentalizador para as relações entre o eu e os outros, pois o que fundamentalmente está em jogo não são unicamente os próprios desejos “auto-referentes” ou os dos outros, mas a construção de uma base de ação e “co-relação” político-ética em que o fundamental é o que há de comum entre nós, o que “com-partilhamos” e “com-sentimos”. Defendemos, pois, que é tal perspectiva que Aristóteles procurará fundamentar em VII Ethica Eudemia e VIII, IX Ethica Nicomachea (EN). Dessa forma, a partir da estrutura existencial do homem, e assim mantendo a coerência com o que nos é exposto na Política, Physica, De Anima e Metaphysica, não por necessidade, mas por sua constituição política e ontocosmológica, a amizade apresenta-se como uma resposta “apropriada” ao modo como os homens devem relacionar-se, a saber: “o homem é um ser político e está na sua natureza o viver em comunidade. Por isso, mesmo o homem feliz viverá na companhia dos outros, visto possuir ele as coisas que são boas por natureza” (EN 1169b15-20).
Abstract: The friendship has founded a political relationship that put in the background any rule that instrumentalizes the relation between self and other. What is fundamental is not only our own “self-referential” desires or those of others, but the construction of a political-ethical base of action and “correlation” in which the key is what we have in common, i.e. what we share and consent. We defend, therefore, that it is such perspective that Aristotle seeks to support in VII Ethica Eudemia, VIII and IX Ethica Nicomachea (EN). Therefore, from the existential structure of man and thus maintaining consistency with Aristotle’s thoughts exposed in Politica, Physica, De Anima and Metaphysica, the friendship is, not by necessity, but by its political and ontocosmological constitution, an “appropriate” response to how men should relate to each other, namely: “ […] man is a political creature and one whose nature is to live with others. Therefore even the happy man lives with others; for he has the things that are by nature good” (EN 1169b15-20).
Description: FAUSTINO, Lucas Rocha. Teoria da Amizade de Aristóteles e o egoísmo ético. Argumentos Revista de Filosofia, Fortaleza, ano 6, n. 12, p. 114-125, jul./dez. 2014.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/24090
metadata.dc.type: Artigo de Periódico
ISSN: 1984-4255 (online)
1984-4247 (impresso)
Appears in Collections:PPGFILO - Artigos publicados em revistas científicas

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2014_art_lrfaustino.pdf105,87 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.