Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/24725
Title in Portuguese: Acesso a medicamentos para doenças crônicas no Brasil : uma abordagem multidimensional
Author: Oliveira, Maria Auxiliadora
Luiz, Vera Lucia
Tavares, Noemia Urruth Leão
Mengue, Sotero Serrate
Arrais, Paulo Sergio Dourado
Farias, Mareni Rocha
Pizzo, Tatiane da Silva Dal
Ramos, Luiz Roberto
Bertoldi, Andréa Dâmaso
Keywords: Idoso
Uso de Medicamentos
Doença Crônica
Issue Date: 2016
Publisher: Revista de Saúde Pública
Citation: OLIVEIRA, M. A. ; LUIZA, V. L. ; TAVARES, N. U. L. ; MENGUE, S. S. ; ARRAIS, P. S. D. ; FARIAS, M. R. ; PIZZOL, T. S. D. ; RAMOS, L. R. ; BERTOLDI, A. D. (2016)
Abstract in Portuguese: OBJETIVO: Analisar o acesso a medicamentos para tratar doenças crônicas não transmissíveis no Brasil segundo fatores socioeconômicos, demográficos e de saúde, sob perspectiva multidimensional. MÉTODOS: Análise de dados da Pesquisa Nacional sobre Acesso, Utilização e Promoção do Uso Racional de Medicamentos (PNAUM), inquérito domiciliar, plano amostral por conglomerados com representatividade da população brasileira e grandes regiões do País, segundo domínios de sexo e idade. Dados coletados em 2013-2014 com amostra constituída por adultos (≥ 20 anos) que referiram ter doenças crônicas não transmissíveis e indicação médica para usar medicamentos (n = 12.725). Avaliou-se a prevalência de acesso aos medicamentos para doenças crônicas não transmissíveis autorreferidas, considerando quatro dimensões: disponibilidade, acessibilidade geográfica, aceitabilidade e capacidade aquisitiva. Aplicou-se teste Qui-quadrado de Pearson para avaliar a significância estatística das diferenças entre os estratos, considerando o nível de significância de 5%. RESULTADOS: Foram encontradas prevalências de 94,3%, 5,2% e 0,5% para acesso total, parcial e nulo, respectivamente. Maiores prevalências ocorreram entre os idosos, na região Sul comparada à região Nordeste; naqueles que referiram ter uma doença crônica não transmissível comparados aos que referiram ter duas ou mais; naqueles que precisavam de um medicamento comparados aos que precisavam de três ou mais; e naqueles que autoavaliaram sua saúde como boa ou muito boa. A acessibilidade geográfica foi semelhante no Sistema Único de Saúde e nas farmácias privadas (72,0%). A disponibilidade total de medicamentos foi de 45,2% no Sistema Único de Saúde, 67,4% no Programa Farmácia Popular e 88,5% nas farmácias privadas. A aceitabilidade foi de 92,5% no Sistema Único de Saúde, 97,8% no Programa Farmácia Popular e 98,7% nas farmácias privadas. Quanto à capacidade aquisitiva, 2,6% dos indivíduos não tomou os medicamentos que deveria nos 30 dias anteriores à entrevista devido à dificuldade financeira. CONCLUSÕES: A prevalência do acesso total aos medicamentos para doenças crônicas não transmissíveis no Brasil é alta e apresenta diferenças significativas por faixa etária, região do País, número de doenças crônicas não transmissíveis e de medicamentos prescritos e autoavaliação da saúde. Foram identificadas as principais barreiras ao acesso a medicamentos nas dimensões analisadas.
Description: OLIVEIRA, Maria Auxiliadora et al. Acesso a medicamentos para doenças crônicas no Brasil : uma abordagem multidimensional. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 50, p. 1s-13s, 2016.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/24725
ISSN: 1518-8787 online
Appears in Collections:DFAR - Artigos publicados em revistas científicas

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2016_art_maoliveira.pdf241,76 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.