Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/24726
Title in Portuguese: Prevalência da automedicação no Brasil e fatores associados
Author: Arrais, Paulo Sérgio Dourado
Fernandes, Maria Eneida Porto
Pizzol, Tatiane da Silva Dal
Ramos, Luiz Roberto
Mengue, Sotero Serrate
Luiza, Vera Lucia
Tavares, Noemia Urruth Leão
Farias, Mareni Rocha
Oliveira, Maria Auxiliadora
Bertoldi, Andréa Dâmaso
Keywords: Automedicação
Uso de Medicamentos
Fatores Socioeconômicos
Issue Date: 2016
Publisher: Revista de Saúde Pública
Citation: ARRAIS, P. S. D. ; FERNANDES, M. E. P. ; PIZZOL, T. S. D. ; RAMOS, L. R. ; MENGUE, S. S. ; LUIZA, V. L. ; TAVARES, N. U. L. ; FARIAS, M. R. ; OLIVEIRA, M. A. ; BERTOLDI, A. D. (2016)
Abstract in Portuguese: OBJETIVO: Analisar a prevalência e os fatores associados à utilização de medicamentos por automedicação no Brasil. MÉTODOS: Este estudo transversal de base populacional foi realizado com dados da Pesquisa Nacional de Acesso, Utilização e Promoção do Uso Racional de medicamentos (PNAUM), coletados de setembro de 2013 a fevereiro de 2014, por meio de entrevistas em domicílio. Todas as pessoas que referiram usar qualquer medicamento sem prescrição por médico ou dentista foram classificadas como praticantes de automedicação. Foram calculadas razões de prevalência bruta e ajustada (regressão de Poisson) e seus respectivos intervalos de confiança de 95% na investigação dos fatores associados ao consumo de medicamentos por automedicação. As variáveis independentes foram: aspectos sociodemográficos, de condições de saúde e de acesso e utilização de serviços de saúde. Adicionalmente, foram identificados os medicamentos mais consumidos por automedicação. RESULTADOS: A prevalência da automedicação no Brasil foi de 16,1% (IC95% 15,0–17,5), sendo maior na região Nordeste (23,8%; IC95% 21,6–26,2). Após análise ajustada, automedicação mostrou-se associada a ser do sexo feminino, pertencer às faixas etárias 10-19 anos, 20-29 anos, 40-59 anos e 60 anos ou mais, residir na região Norte, Nordeste ou Centro-Oeste, e ter uma ou duas ou mais doenças crônicas. Os analgésicos e os relaxantes musculares foram os grupos terapêuticos mais utilizados por automedicação, sendo a dipirona o fármaco mais consumido. No geral, a maioria dos medicamentos usados por automedicação foram classificados como isentos de prescrição (65,5%). CONCLUSÕES: A automedicação é prática corrente no Brasil e envolve, principalmente, o uso de medicamentos isentos de prescrição, devendo os usuários ficarem atentos aos seus possíveis riscos.
Description: ARRAIS, Paulo Sérgio Dourado et al. Prevalência da automedicação no Brasil e fatores associados. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 50, p. 1-11, 2016.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/24726
ISSN: 1518-8787 online
Appears in Collections:DFAR - Artigos publicados em revistas científicas

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2016_art_psdarrais.pdf207,29 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.