Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/26128
Title in Portuguese: Poéticas da resistência: diálogos entre folhetos de cordel e xilogravuras sobre o caldeirão
Author: Santos, Ana Cláudia Veras
Kunz, Martine Suzanne
Keywords: Literatura de folhetos nordestina
Narrativas
Caldeirão do beato José Lourenço
Diálogos
Issue Date: 2017
Publisher: XV Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada
Citation: SANTOS, Ana Cláudia Veras; KUNZ, Martine Suzanne. Poéticas da resistência: diálogos entre folhetos de cordel e xilogravuras sobre o Caldeirão. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE LITERATURA COMPARADA,15, 2017, Rio de Janeiro. Anais.. Rio de Janeiro: ABRALIC, 2017. p. 4016-4027.
Abstract in Portuguese: A literatura de folhetos nordestina é uma poesia que passa por transformações do ponto de vista da condução argumentativa ao versejar fenômenos associados às "minorias" populares, caso do Caldeirão do beato José Lourenço. O intuito é observar narrativas desse fenômeno, como a xilogravura, em diálogo com o cordel. A partir do cotejo dessas representações foi possível balizar quebras de paradigmas na condução das narrativas, num esquema de mudança processado pelo poeta que rompe com a tradição da poesia popular e passa a se valer de "assinaturas de prestígio" como fontes para sua poética (BOURDIEU, 2002). Essa nova situação de legitimação argumentativa se configura como medida de rebate àqueles que colocam o cordel numa subcategoria em relação à literatura “hegemônica”. Desse modo, o cordel se insere num terreno movediço e formado por contrassensos, sobretudo, quando narra conflitos históricos que continuam em desenvolvimento. Caso das narrativas aqui apreciadas que cerca de oitenta anos após seu acontecimento, quando se deu a invasão do Caldeirão, em 1930, no Cariri cearense, são (re)criadas. Seus rumores tiram do esquecimento o conluio personificado no Estado, na Igreja Católica e nos grandes proprietários que ao “temer” uma nova Canudos, teria destruído aquela comunidade "modelo de reforma agrária". Nesse sentido, a conduta dessas narrativas reunidas num corpus composto por folhetos remanescentes do fenômeno, mais os produzidos em 1970, 1980, 1990, 2000 e 2010, a colocaria num patamar de documento literário e histórico juntamente com outras performatividades que representam o Caldeirão em oposição às elites detentoras da linguagem. Propomos analisar essas narrativas, suas memórias e os diálogos que constituem essa teia de sentidos, a partir da sentença que elevaria a poesia a uma forma líquida em torno da qual as potencialidades de "compartilhamento de códigos" (BARTHES, 2004) e as “intertextualidades” estariam a seu serviço.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/26128
metadata.dc.type: Artigo de Evento
ISSN: 2317-157X
Appears in Collections:DLE - Trabalhos apresentados em eventos

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2017_eve_pacvsantos.pdf225,76 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.