Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/2633
Título: Avaliação da eficácia antimicrobiana do extrato hidroalcoólico dos frutos de punica granatum l. (romã) na placa bacteriana
Título em inglês: Evaluation of the antimicrobiana effectiveness of the hidroalcoólico extract of the punica fruits granatum l. (romã) in the bacterial plate
Autor(es): Menezes, Silvana Magalhães Siqueira
Orientador(es): Viana, Glauce Socorro de Barros
Palavras-chave: Microbiologia
Placa Dentária
Ortodontia
Data do documento: 2004
Citação: MENEZES, S. M. S. (2004)
Resumo: A avaliação, in vivo, do efeito do Extrato hidroalcóolico dos frutos da Punica granatum L. (EHA) na inibição da placa bacteriana supragengival, foi realizada em portadores de aparatologia ortodôntica fixa. O material foi coletado pela manhã, após 24 horas sem higiene oral, de 23 homens e 37 mulheres (com idade variando entre 9 e 25 anos), em consultório odontológico, na cidade de Crato (Ceará), Brasil. Após randomização, foram divididos em três grupos de vinte indivíduos cada. Grupo 1 - EHA; Grupo 2 - gluconato de clorhexidina a 0,12% (CLX); Grupo 3 (controle) – água destilada . Cada grupo recebeu, sob a forma de bochecho de 1 minuto, 15 ml do EHA (60mg/ml), do CLX e da água destilada. A placa dentária foi coletada antes e após o bochecho com uma destas três substâncias. As colônias bacterianas foram contadas para determinação de unidades formadoras de colônias (UFC/ml) e determinou-se a concentração inibitória mínima (CIM) e o tempo de duração do efeito do EHA sobre os microorganismos da placa dentária. Avaliou-se a atividade antimicrobiana in vitro do EHA e da CLX sobre 14 linhagens patogênicas do Banco de Microorganimos da Faculdade de Medicina de Juazeiro – FMJ. Foi determinada a CIM do EHA frente a quatro linhagens sensíveis (S. β-hemoliticus, S.aureus, P. aeruginosa e C. albicans). A análise estatística (Mann-Whitney U) não mostrou diferença entre os grupos EHA e CLX (p = 0.7251), mas uma diferença significante foi observada no EHA (p< 0.0001), quando comparado com o grupo controle. As porcentagens de inibição foram de 83.5% e 79%, após bochecho com EHA e CLX, respectivamente. A CIM do EHA sobre os microorganismos da placa dentária foi de 15 mg/ml. Houve uma redução em UFC/ml de 72.2% e de 63.8%, imediatamente após o bochecho com EHA e 1 hora depois, respectivamente. O EHA apresentou um efeito antibacteriano semelhante ao observado com a CLX, ambos mostraram-se ativos contra as linhagens de S. aureus, S. β-hemolyticus, S. β-hemolyticus, P. aeruginosa, E. coli, K. pneumoniae e P. vulgaris. O EHA foi efetivo contra C. albicans. A CIM do EHA sobre linhagens de S. β-hemolyticus, S. aureus, P. aeruginosa e C. albicans foram, respectivamente, 1.87, 3.75, 7.5 e 15 mg/ml. O EHA apresenta uma atividade significante contra microorganismos presentes na placa dentária.
Abstract: The in vivo, evaluation, of the effect of the hydroalcoholic extract from Punica granatum L. (HAE) in the inhibition of the supragengival dental plaque, was carried with 60 voluntaries using fixed orthodontic appliance. The material was collected in the morning after 24h without oral hygiene, from 23 men and 37 women (age ranging from 9 to 25 years) at the city of Crato (Ceará), Brasil. The voluntaries were randomly distributed in to 3 groups of 20 subjects. Group 1: HAE; group 2: 0.12% Chlorhexidine gluconate (CLX); group 3 (control): distilled water. Each group received, under the form of a mouth-rinse for 1 minute, 15 ml of either HAE; CLX or distilled water. The dental plaque was collected before and after the mouth-rinse with one of these three substances. The bacteria colonies were counted and results expressed as colony forming unities (CFU). The minimum inhibitory concentration (MIC) and duration of the antimicrobial effect of HAE on the dental plaque were determined. The bacterial susceptibility tests in vitro to HAE and chlorhexidine on 14 pathogenic bacterial strains of the FMJ Bank, were assessed and MIC values for each bacterial strain susceptible to HAE were also determined. The statistics analysis (Mann-Whitney U) showed no difference between HAE and CLX groups (p = 0, 7251), but a significant difference was observed in the HAE group (p<0.0001) as compared against control. The percentages of inhibitions of the order of 83.5% and 79% after mounth-rinse with the HAE and CLX respectively. The MIC of the HAE on the microorganisms of the dental plaque was of 15 mg/ml. The antibacterial effect of the HAE lasted for at least 1h and the percentage of inhibition of the CFU was 72.2% after the mounth-rinse and 63.8%, 1h later. The HAE presents an antimicrobial efficacy similar to that shown by CLX, both being actives against S. aureus, S. β-hemoliticus, S. β-hemoliticus, P. aeruginosa, K. pneumoniae, P. vulgaris and E. coli. The HAE was also effective against C. albicans. The MICs of HAE on the strains of S. β-hemoliticus, S. aureus, P. aeruginosa and C. albicans were 1.87, 3.75, 7.5 and 15 mg/ml, respectively. The HAE presents a significant activity against microorganisms present in the dental plaque.
Descrição: MENEZES, Silvana Magalhaes Siqueira. Avaliação da eficácia antimicrobiana do extrato hidroalcoólico dos frutos de punica granatum L. (romã) na placa bacteriana. 2004. 82 f. Dissertação (Mestrado em Farmacologia) - Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Medicina, Fortaleza, 2004.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/2633
Aparece nas coleções:DFIFA - Dissertações defendidas na UFC

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2004_dis_smsmenezes.pdf1,46 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.