Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/2639
Título: Efeito analgésico, antiinflamatório e gastroprotetor dos ácidos anacárdicos, isolados de anacardium occidentale l., em modelos experimentais
Título em inglês: Analgesic, antiinflammatory and gastroprotective effects of anacardic acids isolated from anacardium occidentale l., in experimental models
Autor(es): Morais, Talita Cavalcante
Orientador(es): Santos , Flávia Almeida
Palavras-chave: Ácidos Anacárdicos
Medição da Dor
Úlcera Gástrica
Data do documento: 2010
Citação: MORAIS, T. C. (2010)
Resumo: Os Ácidos Anacárdicos (AA), isolados do líquido da casca da castanha, da planta medicinal Anacardium occidentale (cajueiro, Anacardiaceae) e que possuem propriedades antioxidante, inibidora de lipoxigenase, anti-Helicobacter pylori e antitumoral foram avaliados e caracterizados farmacologicamente, pela primeira vez, usando modelos animais de nocicepção (contorções pelo ácido acético, formalina, capsacina e placa quente), inflamação (edema de pata pela carragenina e granuloma por pellet de algodão) e úlcera gástrica (etanol e indometacina). Em camundongos, a administração oral dos AA (10, 30 e 100 mg/kg) e ácido acetilsalicílico (250 mg/kg) reduziram significativamente as contorções abdominais induzidas pelo ácido acético em 33, 44, 47 e 70%, respectivamente. Os AA (10, 30 e 100 mg/Kg, v.o.) demonstraram atividade antinociceptiva nas duas fases do teste da formalina, o mesmo efeito sendo observado com a morfina (7,5mg/kg, s.c.). AA demontraram efeito antinociceptivo no modelo da placa quente, mas não no modelo da capsaicina. AA, nas mesmas doses, demonstraram significante atividade antiinflamatória, evidenciada pela redução no edema de pata induzido pela carragenina e redução dos pesos úmido e seco dos granulomas de algodão. Além disso, observou-se que AA (10, 30 e 100 mg/kg) e misoprostol (50μg/kg) administrados oralmente proporcionaram gastroproteção contra as ulcerações gástricas induzidas por etanol e indometacina. Nas respectivas doses, as reduções foram de 25, 64, 83 e 63%, no modelo do etanol, e de 21, 41, 50 e 61%, no modelo da indometacina. No estudo do mecanismo de gastroproteção, os papéis de receptores TRPV1, prostaglandinas endógenas, óxido nítrico e canais de potássio sensíveis ao ATP foram analisados. O efeito dos tratamentos sobre os marcadores do estresse oxidativo associado ao etanol, GSH, MDA, catalase, SOD e níveis totais de nitrato/nitrito como um índice de NO também foram medidos no tecido gástrico. O efeito dos AA sobre o volume secretório gástrico e acidez total foram analisados no modelo de ligadura pilórica em ratos. AA proporcionaram gastroproteção dose dependente contra os danos causados pelo etanol e preveniram as alterações induzidas pelo etanol sobre os níveis de GSH, MDA, catalase, SOD e nitrato/nitrito. Contudo, AA falharam em modificar a secreção e acidez total gástrica. A gastroproteção dos AA foi reduzida em animais pré-tratados com capsazepina, indometacina, L-NAME e glibenclamida. Os resultados sugerem que os AA exercem gastroproteção principalmente através de um mecanismo antioxidante. Outros mecanismos complementares incluindo a ativação dos receptores TRPV1, estimulação de prostaglandinas endógenas e óxido nítrico e a abertura de canais de potássio dependentes de ATP estão envolvidos. Esses efeitos combinados podem estar provavelmente acompanhados pelo aumento na microcirculação gástrica. Os resultados demonstram que os ácidos anacárdicos, isolados de A. occidentale, possuem atividade antinociceptiva, antiinflamatória e gastroprotetora, e que merecem maior avaliação futura em modelos animais que simulem doenças inflamatórias degenerativas agudas e crônicas em humanos.
Abstract: The anacardic acids (AA), isolated from cashew nut-shell liquid of popular medicinal plant Anacardium occidentale (cajueiro, Anacardiaceae) and were shown to possess antioxidant, lipoxygenase inhibitory, anti-Helicobacter pylori and antitumor properties were evaluated and pharmacologically characterized for the first time using the animal models of nociception (acetic acid writhing. formalin, capsaicin, and hot-plate), inflammation (carrageenan paw edema, cotton pellet granuloma), and gastric ulcer (ethanol, indometacin). In mice, orally administered AA (10, 30, and 100 mg/kg) and acetylsalisylic acid (250 mg/kg) significantly reduced the acetic acid-induced abdominal writhes by 33, 44, 47 and 70 %, respectively. AA (10, 30 and 100 mg/Kg, p.o.) significantly reduced the formalin-induced nociception at both first and second phases in a manner similar to morphine (7,5mg/kg, i.p.). AA reduced nociceptive effect in the model of hot-plate, but not in the capsaicin-induced hind-paw nociception. AA, at similar doses were found to have significant anti-inflammatory activity, evidenced by decreases in hind-paw edema in carrageenan model and reductions in both wet and dry weights of granulomas in cotton pellets model. It was further observed that AA (10, 30, and 100 mg/kg, p.o.) and misoprostol (50μg/kg) administered orally afforded gastroprotection against gastric ulcerations evoked by both ethanol and indomethacin. At the repective doses, the reductions were 25; 64; 83 and 63 %, respectively in ethanol model, and 21; 41; 50 e 61 %, respectively, in indomethacin model. In the study of gastroprotective mechanism(s), the roles of TRPV1 channel, endogenous prostaglandins, nitric oxide and ATP-sensitive potassium channels were analysed. Treatments effects on ethanol-associated oxidative stress markers GSH, MDA, catalase, SOD, and total nitrate/nitrite levels as an index of NO were also measured in gastric tissue. Besides, the effects of AA on gastric secretory volume and total acidity were analysed in pylorus-ligated rat. AA afforded a dose-related gastroprotection against the ethanol damage and further prevented the ethanol-induced changes in the levels of GSH, MDA, catalase, SOD and nitrate/nitrite. However, they failed to modify the gastric secretion or the total acidity. It was observed that the gastroprotection by AAs was greatly reduced in animals pretreated with capsazepine, indomethacin, L-NAME or glibenclamide. These results suggest that AAs afford gastroprotection principally through an antioxidant mechanism. Other complementary mechanisms include the activation of TRPV1 channel, stimulation of endogenous prostaglandins and nitric oxide, and opening of K(+)(ATP) channels. These combined effects are likely to be accompanied by an increase in gastric microcirculation. Taken together, these data suggest that anacardic acids from A. occidentale possess anti-inflammatory, antinociceptive and gastroprotective properties that merit further evaluation of these acids in animal models that simulate the acute and or chronic degenerative inflammatory diseases in humans.
Descrição: MORAIS, Talita Cavalcante. Efeito analgégico, antiinflamatório e gastroprotetor dos ácidos anacárdicos, isolados de anacardium occidentale L., em modelos experimentais. 2010. 154 f. Dissertação (Mestrado em Farmacologia) - Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Medicina, Fortaleza, 2010.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/2639
Aparece nas coleções:DFIFA - Dissertações defendidas na UFC

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2010_dis_tcmorais.pdf1,01 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.