Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/2703
Título: Estudo da atividade antinoceptiva de β-amirina, um triterpeno pentaciclíco isolado de Protium heptaphyllum March. em modelos experimentais de dor
Título em inglês: Studies on the antinociceptive activity of β-amyrin, a pentacyclic triterpene isolated from Protium heptaphyllum March. (Burceraceae) in experimental models of pain
Autor(es): Oliveira, Cinthya Iamille Frithz Brandão de
Orientador(es): Rao , Vietla Satyanarayana
Palavras-chave: Dor Facial
Dor Ocular
Triterpenos
Data do documento: 2010
Resumo: Os efeitos dos triterpenos pentaciclicos -amirina e -amirina, isolados a partir da resina de Protium heptaphyllum March. (Burseraceae), foram testados preliminarmente em modelos de nocicepção oral, sendo que -amirina apresentou significantes efeitos antinociceptivos, norteando a pesquisa com este isolado na investigação de seus efeitos em modelos de dor orofacial induzida por capsaicina ou formalina e na dor induzida por capsaicina na córnea de camundongos; na dor térmica (testes de imersão de cauda em água quente e placa quente); e na nocicepção visceral induzida por ácido acético 0,6%. Camundongos Swiss machos (n = 8 / grupo) foram pré-tratados com β-amirina (10, 30 e 100 mg / kg, v.o.), morfina (5 mg / kg, s.c.) ou controle (água destilada + 0,05% de Tween 80, v.o.), uma hora antes de capsaicina (20 L, 1,5 g) ou formalina (20L/animal) serem administradas na vibrissa direita. β-amirina também foi avaliada em teste comportamental relacionado à dor, desta vez por aplicação tópica de capsaicina na conjuntiva do camundongo (“eye wiping test”). Neste teste foi medido o tempo, em segundos, que o animal passou “limpando” o olho durante um período de 10 minutos. O triterpenóide demonstrou principalmente um efeito antinociceptivo dose-independente em todos os modelos de nocicepção testados. Na dor orofacial induzida por capsaicina, -amirina (30 e 100 mg/kg) e morfina foram mais eficazes na redução da resposta nociceptiva. Nestas doses, as reduções foram de 81 e 90% para -amirina e 97% para morfina, respectivamente. No modelo de dor orofacial, a nocicepção produzida pela capsaicina é acompanhada por um aumento na resposta térmica localizada (que foi mensurada por termometria), e reduzida significantemente pelo pré-tratamento dos animais com -amirina ou L-NAME, um inibidor da NOS. Em animais diabéticos, a capsaicina injetada na vibrissa promoveu um menor grau de nocicepção orofacial comparada com os não-diabéticos. No teste da formalina, morfina e β-amirina apresentaram antinocicepção significativa reversível nas duas fases por naloxona. No entanto, β-amirina (30 mg/kg) inibiu a segunda fase com maior eficiência. Os valores de DE50 para β-amirina e morfina foram 16,44 mg/kg (LC 10,0-38,41) e 3 mg/kg (LC 2,5-5,0) na primeira fase e 43,37 mg/kg (LC 30,52-39,30) e 3 mg/kg (LC 2,5-5,0) na segunda fase, respectivamente. A co-administração de β-amirina e morfina, em seus respectivos níveis de dose de DE50, não apresentou qualquer efeito aditivo ou potencializador antinociceptivo. No entanto, as combinações das doses DE25 e DE12,5 apresentaram uma antinocicepção comparável ao efeito combinado da DE50, sugerindo que através da utilização de β-amirina, a dose analgésica de morfina poderia ser minimizada para evitar a sua alta dose e os efeitos colaterais associados. β-amirina também foi eficaz em aumentar o limiar de dor térmica no teste da imersão da cauda (mais não no teste placa quente) e, na redução das contorções induzidas por ácido acético. A antinocicepção produzida por β-amirina, foi significativamente bloqueada em animais pré-tratados com os respectivos antagonistas vermelho de rutênio (2 mg/kg, s.c.) e naloxona (1 mg/kg, i.p.), indicando o envolvimento de receptores da capsaicina (TRPV1) e opióides em seu mecanismo. No teste da formalina, de forma similar à morfina, β-amirina bloqueou significativamente a inibição da ingestão alimentar associada a dor. Assim como morfina, β-amirina apresentou ação inibitória sobre o trânsito intestinal, efeito esse revertido pelo pré-tratamento com antagonista opióide não seletivo, naloxona. Estes dados sugerem que β-amirina apresenta um potencial antinociceptivo comparável à analgesia periférica produzida pela morfina, evidencia a exploração desta para o desenvolvimento de um analgésico não-opióide útil na farmacoterapia de patologias do trigêmeo e visceral.
Abstract: The effects of pentacyclic triterpene β-amiryn and β-amyrin, isolated from resin of Protium heptaphyllum March. (Burseraceae), were preliminarily showed significant tested in models of nociception oral, and antinociceptives effects, guiding the search with this isolate in the investigation of their effects in models of orofacial pain induced by capsaicin or formalin and against capsaicin-induced corneal pain; thermal pain (tail immersion test in hot water and hot-plate) and in acetic acid 0,6%-induced visceral nociception in mice. Male Swiss mice (n = 8 per group) were pre-treated with β-Amyrin (10, 30, and 100 mg/kg, p.o.), morphine (5 mg/kg, s.c.) or vehicle (distlled water + 0,05% Tween 80), one hour before the capsaicin (20 μl, 1.5 μg) or formalin (20 μl, 1.5%) injection into the right vibrissa. β-Amyrin was also assessed on pain-related behavioral test (Eye-wiping) by topical application of capsaicin (20 μl, 1.5 μg) on to the mouse conjuctiva and the time (sec) that the animal spent in eye wiping was determined during a 10 min period. The triterpenoid demonstrated mostly a dose-unrelated antinociception in all the test models of nociception. Against the orofacial pain induced by capsaicin, β-Amyrin (30 e 100 mg/kg, p.o.) and morphine showed greater potency in reducing the nociceptive response. At the doses employed, the reductions were 81 and 90% to β-Amyrin and 97% for the morphine, respectively. Capsaicin nociception in orofacial test is accompanied by a localized thermal flare (measured by thermometry), which was significantly diminished by pretreatment of animals with β-Amyrin or L-NAME, an NOS inhibitor. In four weeks diabetic mice, capsaicin injected into vibrissa pad demonstrated a lesser degree of orofacial nociception compared to non-diabetics. In formalin test, both morphine and β-Amyrin showed significant naloxone reversible antinociception in both phases. However, β-Amyrin inhibited the second phase response, more prominently, at 30 mg/kg. The caliculated ED50 values for β-Amyrin and morphine were 16,44 mg/kg (CL 10,0 - 38,41) and 3 mg/kg (CL 2,5 - 5,0) in the first phase and 43,37 mg/kg (CL 30,52 - 39,30) and 3 mg/kg (CL 2,5 - 5,0) in the second phase, respectively. Co-administration of β-Amyrin and morphine at their respective ED50 dose levels failed to demonstrate any additive or potentiating effect on anti-nociception. However, at ED25 and ED12.5 dose-combinations exhibited an antinociception that equalled their ED50 combination effect, suggesting that by the use of β-Amyrin, the analgesic dose of morphine could be minimised to avoid its high-dose-associated side-effects. Similar to morphine, β-Amyrin significantly blocked the pain-related suppression of food intake in formalin test. β-Amyrin (30 and 100 mg/kg was also effective in increasing the thermal pain threshold in hot-water tail immersion test (but not in hot-plate test), and in reducing the acetic acid-induced writhes. The antinociception produced by 30 mg/kg β-Amyrin was significantly blocked in animals pre-treated with the respective antagonists capsazepine (5 mg/kg, s.c.), and naloxone (1 mg kg/kg, i.p.), indicating the involvement of capsaicin (TRPV1) and opioid receptors in its mechanism. Like morphine, β-Amyrin showed an inhibitory effect on intestinal transit, an effect reversed by pretreatment with nonseletive opióide antagonist, naloxona. These data indicate that β-Amyrin has the antinociceptive potential comparable to peripheral analgesia produced by morphine that could be explored further on its suitability in developing a non-opioid analgesic useful in pharmacotherapy of trigeminal and visceral pathologies.
Descrição: OLIVEIRA, Cinthya Iamille Frithz Brandão de. Estudo da atividade antinoceptiva de ß-amirina, um triterpeno pentaciclíco isolado de Protium heptaphyllum March. em modelos experimentais de dor. 2010. 162 f. Tese (Doutorado em Farmacologia) - Universidade Federal do Ceará. Faculdade de Medicina, Fortaleza, 2010.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/2703
Aparece nas coleções:DFIFA - Teses defendidas na UFC

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2010_tese_cifboliveira.pdf3,56 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.