Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/27965
Title in Portuguese: Nomadismo e solidão na cidade veloz: alegorias da compressão do tempoespaço na ficção de Caio Fernando Abreu
Author: Lima, Daniel Mattos de Araújo
Germano, Idilva Maria Pires
Keywords: Compressão do tempo-espaço
Experiência urbana na ficção
Processos de subjetivação contemporâneos
Literatura Brasileira
Caio Abreu
Time-space compression
Urban experience in fiction
Brazilian Literature
Issue Date: 2008
Publisher: Revista Mal-estar e Subjetividade
Citation: Lima, D. M. A.; Germano, I. M. P.; (2008)
Abstract in Portuguese: Este trabalho discute a figuração literária dos processos de subjetivação contemporâneos na ficção do escritor Caio Fernando Abreu (1948- 1996), a partir de uma reflexão sobre os efeitos da “compressão do tempo-espaço” (Harvey, 1994) sobre as experiências psicossociais no mundo tardo-moderno. Em Caio Abreu, visualizamos as mais diversas cenas da vida urbana ancorada na cultura do consumo, bem como as diferentes situações que evocam a fragmentação do sujeito e as novas sensibilidades e formas de lidar com a efemeridade, a velocidade e a perda das utopias na cultura contemporânea. Seus contos, novelas e seu epistolário exploram o espectro de situações nefastas em que está mergulhado o indivíduo no final do século XX, especialmente mediante os temas do nomadismo, da errância, da solidão e do narcisismo que parecem caracterizar os tempos pósutópicos. Ao delinear personagens, enredos e cenários figurativos da experiência urbana globalizada, o escritor lança um olhar particularmente revelador de tais condições no contexto do Brasil contemporâneo. Este trabalho examina alguns contos incluídos em Os dragões não conhecem o paraíso (1988), Morangos mofados (1995), Estranhos estrangeiros (1996) e o romance Onde andará Dulce Veiga (1990) à luz da crítica da modernidade empreendida por autores como David Harvey, Zygmunt Bauman, Fredric Jameson entre outros teóricos.
Abstract: This essay discusses the contemporary processes of subjectivization based on the effects of “time-space compression” (Harvey, 1994) on psychosocial experience, as presented in the fiction of the Brazilian writer Caio Fernando Abreu (1948-1996). His works reveal different scenes of urban life under the dominance of the consumer society, as well as situations that evoke the fragmentation of the subject and the emergence of new strategies for dealing with transitoriness, speed and loss in contemporary culture. His short-stories, novels and personal letters show deep social criticism to grievous situations in which individuals find themselves at the end of the twentieth century. Errantry, loneliness and narcissism are some of the themes explored that seem to characterize subjectivity under a post-utopian perspective. Abreu’s literature shapes various faces of contemporary subjectivity in characters, plots and scenarios which represent global urban experience, with particular focus on the Brazilian context of modernization. This paper discusses a selection of short-stories included in Os dragões não conhecem o paraíso (1988), Morangos mofados (1995), Estranhos estrangeiros (1996) and the novel Onde andará Dulce Veiga (1990) under the light of the critique of modernity outlined by authors such as David Harvey, Zygmunt Bauman, Fredric Jameson among others.
Description: LIMA, Daniel Mattos de Araújo; GERMANO, Idilva Maria Pires. Nomadismo e solidão na cidade veloz: alegorias da compressão do tempo-espaço na ficção de Caio Fernando Abreu. Revista Mal-Estar e Subjetividade, Fortaleza, v. 8, n.2, p. 343-363, jun. 2008.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/27965
metadata.dc.type: Artigo de Periódico
ISSN: 1518-6148 (Impresso)
2175-3644 (Online)
Appears in Collections:DPSI - Artigos publicados em revistas científicas

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2008_art_impgermano.pdf137,42 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.