Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/2999
Título: O Movimento Operário e a Educação dos Trabalhadores na Primeira República: a Defesa do Conhecimento Contra as Trevas da Ignorância
Título em inglês: Education and labor movement in the context of Brazilian First Republic: the defense of knowledge against the darkness of ignorance.
Autor(es): RIO, Cristiane Porfírio de Oliveira do
Orientador(es): JIMENEZ, Maria Susana Vasconcelos
Palavras-chave: Trabalhadores – Educação – Brasil – História – República Velha,1889-1930
Trabalhadores – Educação – Ceará – História – República Velha,1889-1930
Trabalhadores – Brasil – Atividades políticas – História – República Velha,1889-1930
Trabalhadores – Ceará – Atividades políticas – História – República Velha,1889-1930
Sindicatos e Educação – Brasil – História – República Velha,1889-1930
Sindicatos e educação – Ceará – História – República Velha,1889-1930
Data do documento: 2009
Editor: http://www.teses.ufc.br
Citação: RIO, C. P. O ; JIMENEZ, M. S. V. (2009)
Resumo: A presente Tese insere-se na Linha Marxismo, Educação e Luta de Classes do Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira da Universidade Federal do Ceará - UFC, outrossim, integra as produções do Grupo de Pesquisa Trabalho, Educação e Luta de Classes abrigado no Instituto de Estudos e Pesquisas do Movimento Operário - IMO da Universidade Estadual do Ceará - UECE. Elegemos como objeto de estudo a formação dos trabalhadores na esfera do Movimento Operário (urbano), tentando avaliar, mais precisamente, como este tem enfrentado, historicamente, a problemática questão das relações entre formação escolar e formação políticoideológica. O interesse pelo tema está relacionado à experiência de dez anos, como pesquisadora/colaboradora, junto ao IMO, ao longo de cujo período, vimos participando de um conjunto significativo de pesquisas, as quais, em consonância com a orientação formativa adotada por esse Instituto, apóiam-se, explicitamente no referencial teórico-metodológico indicado por Marx, e na esteira deste, nas elaborações de Lukács, Gramsci, Mészáros, dentre outros. A rica experiência de estudos e pesquisas deixou-nos como herança para o doutorado o interesse de investigar os antecedentes históricos da atual política de formação sindical vigente no país, centrada na educação escolar, ainda que tente, em tese, associá-la à formação político-sindical – esta última, vale ressaltar, distanciada do referencial classista. Cumpre-nos asseverar que a presente elaboração insere-se na interseção de três grandes áreas do conhecimento, quais sejam: História, Educação e Sociologia do Trabalho, encarnado, fundamentalmente, como uma pesquisa bibliográfica, apoiada de maneira pontual numa rarefeita pesquisa empírica. A Tese está dividida em três capítulos: O primeiro apresenta, inicialmente, uma rápida contextualização da Primeira República brasileira, dando relevo aos fatos mais marcantes, em seguida traça uma densa síntese da história do movimento operário brasileiro circunscrita ao período em estudo e, por último, conferi o mesmo tratamento à história do movimento operário cearense; o segundo capítulo esboça uma necessária recuperação da história da educação na Primeira República em âmbito nacional, apresentando as principais propostas educacionais formuladas pelo movimento operário brasileiro; e o terceiro capítulo recupera o quadro educacional do Ceará da Primeira República, delineando ao final as propostas formativas efetivadas pelo movimento operário cearense. À guisa de considerações, diante dos resultados trazidos pela pesquisa, defendemos a tese de que desde os seus primórdios o Movimento Operário Brasileiro e, de forma particular, o Cearense, manifestou uma contínua preocupação com a questão educacional dos trabalhadores, numa clara expressão da defesa do conhecimento contra as trevas da ignorância. Contudo, vale observar que o horizonte político adotado pelas diversas correntes que compuseram o Movimento Operário da Primeira República são definidores dos seus projetos pedagógicos, de modo que a concepção educacional adotada pelos socialistas (a despeito da sua versão reformista), anarquistas e comunistas constituiu-se frontalmente oposta àquelas adotadas pelas forças movidas por valores conservadores vinculados a Maçonaria e a Igreja Católica. Assim, se para o primeiro grupo a educação é concebida como um instrumento de elevação das consciências embotadas pelas mistificações do capital; para o segundo grupo assume a forma apenas de ascensão social ou, o que é mais grave, encarna a feição de controle social. Bem como se o primeiro grupo não expressou significativa preocupação com a formação profissional, isto é, a formação para o mercado; o segundo dirigiu considerável parte dos seus investimentos para isto. Em uma frase: os trabalhadores sempre abominaram a ignorância e lutaram tenazmente para instruir-se!
Abstract: The present thesis comes under the heading “Marxism, Education and Class Struggle” of the postgraduate program in Brazilian Education at the Federal University of Ceará (UFC) and is an integral part of the production of the research group “Work, Education and Class Struggle” from the Institute of Study and Research on the Workers’ Movement (IMO) at the Ceará State University (UECE). The objective of the study was to clarify relations between formal schooling and political education within the workers’ movement, particularly in the urban setting. The study assesses how the workers’ movement has historically dealt with the problematic of the relation between formal schooling and political-ideological education. Our interest in the subject stems from our experience as a researcher/collaborator with the workers’ movement during ten years, participating in a considerable amount of research work based on the theory and methodology proposed by Marx, in accordance with the orientation of the IMO, along with the works of thinkers such as Lukács, Gramsci and Mészáros. Our extensive research work led us to investigate the development of the educational policies of the Brazilian trade unions. These policies are based on formal schooling and only theoretically associated with non-class struggleoriented political-ideological education. The study provides a comprehensive review of the literature on History, Education and Sociology of Work, supported by selected empirical findings. The first of the thesis’ three chapters lays the foundation of the work through a synthesis of the history of the workers’ movement at international, national and local level. The terms used in the debate on class struggle become the basic elements in the construction of the argument in accordance with the project´s theoretical framework. Marx´s concepts of class and class-consciousness are briefly described along with an overview of the early days of the international workers’ movement. Upon this groundwork the First Brazilian Republic is introduced, followed by an account of the composition and organization of the working classes in Brazil and in Ceará. In the second chapter the educational panorama during the First Brazilian Republic is described in detail, beginning with the basic structure of the educational system of the period. Reformations and major pedagogic currents are then outlined, followed by an analysis of the relation between the workers’ movement and workers’ formal schooling. The third chapter looks into the history of formal education in Ceará during the First Brazilian Republic, comparing the public school system with the educational projects proposed by the workers’ movement. The author shows how the workers’ movement in Brazil, and especially in Ceará, has always been concerned with workers’ formal education, considering knowledge “a defense against the darkness of ignorance”. However, differences in the political outlook of different factions within the workers’ movement during the First Brazilian Republic have left their imprint on pedagogic projects. Thus, the educational concepts of socialists (inspite of their moderatism), anarchists and communists, on one side, and of conservative institutions such as Masonry and the Catholic Church, on the other, were diametrically opposed in that for the former group education was seen as an instrument for freeing workers’ of the mystifications of capital, while for the latter group it was merely a means of social mobility or, even worse, of social control. Unlike the conservative factions, the former group did not focus on job and market-oriented schooling. In short, it may be said that the working classes have always abhorred ignorance and fought tenaciously to acquire knowledge. It is our hope that this modest, though honest and carefully researched study may help recover the history of the workers’ movement in Brazil and Ceará at a time when the subject is receiving very little attention and the Left is going through worldwide crisis and demobilization. More than ever, the twenty-first century calls for an urgent and indispensable retake of the workers’ revolutionary project, promoting the struggle for a society freed from the slavery of work for the sake of capital, and making a society of free men possible in which the human race can develop without limits.
Descrição: RIO, Cristiane Porfírio de Oliveira do. O movimento operário e a educação dos trabalhadores na primeira república: a defesa do conhecimento contra as trevas da ignorância. 2009. 275f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Ceará, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira, Fortaleza-CE, 2009.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/2999
Aparece nas coleções:PPGEB - Teses defendidas na UFC

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2009_Tese_CPORio.pdf1,44 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.