Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/3181
Título: O currículo e a cultura escolar como espaço de poder: praticando estudos culturais numa escola pública
Título em inglês: Curriculum and school culture as a place of power: practicing cultural studies in a public school
Autor(es): Rodrigues, Francisco José
Orientador(es): Albuquerque, Luiz Botelho de
Palavras-chave: Sociedade
Cultura
Educação
Currículo
Society
Culture
Education
Curriculum
Escolas públicas - Fortaleza(CE) - Currículos
Jovens - Educação - Fortaleza(CE)
Jovens - Conduta - Fortaleza(CE)
Disciplina escolar - Fortaleza(CE)
Disciplina escolar - Fortaleza(CE)
Data do documento: 2007
Editor: www.teses.ufc.br
Citação: RODRIGUES, F. J. ; ALBUQUERQUE, L. B. (2007)
Resumo: Nosso estudo aborda o currículo na perspectiva da cultura escolar, tendo como objeto de investigação a problemática das relações contenciosas vivenciadas no espaço curricular pelos sujeitos envolvidos no processo educativo. O propósito do trabalho é investigar, à luz das teorias curriculares contemporâneas, no território curricular de uma escola pública, as práticas cotidianas dos grupos juvenis dominados, suas relações com a cultura oficial dominante e as relações de poder que se estabelecem neste encontro de natureza pedagógica. Assim sendo, fundamentados na análise cultural, buscamos analisar e esclarecer os processos de construção e reconstrução incessante do currículo real, conhecendo suas práticas e significados. Nesse sentido, optamos por uma abordagem metodológica qualitativa, definindo-a como um estudo de caso, de natureza etnográfica. Utilizamos como instrumentos de recolha de dados a observação participante, o diário de campo, entrevistas semi-estruturadas e grupo focal. Os sujeitos se constituíram de alunos, professores e dirigentes de uma escola pública de Fortaleza-Ceará, com ênfase nos primeiros. A pesquisa revela que a escola estatal se mantém como uma agência formadora e socializadora que concede primazia em seu currículo à cultura dominante e ao seu desejo de colonização da cultura popular, evidenciando seus vínculos com o Estado burguês capitalista. O contexto observado desvela um movimento de controle e de disciplinamento dos discentes, enredado pela cultura oficial da escola em busca de assegurar o status quo vigente e as formas de dominação próprias da sociedade moderna. Para tanto, elabora-se um aparato disciplinar que colima a produção de mentes e corpos dóceis entre os estudantes. A escola, enquanto tratado moderno, utiliza a farda, junto do sistema de padronização de aulas, horários, nota média, entre outras estratégias, como uma tecnologia moderna de uniformização e estandardização de comportamentos, práticas e visões de mundo. Revelam-se, ainda, outros significados e valores associados à farda. A investigação esclarece que, não obstante o esforço da escola de homogeneizar os estudantes, a dinâmica cultural do espaço curricular e escolar explicita um cenário marcado pela diversidade e pela diferença, típico da sociedade globalizada contemporânea. Desvela-se uma trama de mapeamento e ocupação desigual dos espaços físicos escolares, onde os grupos, de acordo com sua aproximação ou distanciamento da cultura oficial dominante no currículo, vão ocupando os espaços mais centrais ou afastando-se para os periféricos. Alguns grupos do cenário cultural da escola, passam mesmo a defender os interesses e as necessidades da cultura oficial dominante, em função dos ganhos simbólicos que são atribuídos aos seus aderentes. Nossa investigação revela, de outro lado, que o currículo e a cultura da escola pesquisada não estão caracterizados apenas pelo jogo da dominação e da submissão; o cotidiano escolar mostra-se marcado por uma série de acontecimentos contenciosos e díspares, que podem ser lidos como tendo um sentido fortemente voltado para o desejo de enfrentamento da perspectiva oficial dominante na escola e no currículo e que, portanto, têm uma intencionalidade marcada pelo ímpeto de resistência e de enfrentamento da ordem oficial. Dessa forma, a resistência e a insubmissão tornam-se, também, marcas da cultura escolar, características predominantes em alguns grupos do cenário cultural da escola e do currículo, colaborando, assim, para o desenvolvimento e manutenção de um capital contestatório, que passa a integrar as relações intersubjetivas dos diversos grupos que compõem o terreno curricular. A compreensão dos fenômenos estudados suscita a necessidade de empreendermos novos projetos políticos culturais e educacionais mais comprometidos com a autonomia e a liberdade, ensejando vivências inclusivas e marcadas pelo horizonte da diversidade, felicidade e realização plena das pessoas.
Abstract: Our study approaches the curriculum in the perspective of the school culture. Its objective was the quarrelsome relations experienced in the curricular space by the subjects involved in the educational process. Its purpose was to investigate, under the light of the contemporary curricular theories, in the curricular territory of a public school, the routine practices of the dominated youthful groups, its relations with the dominant official culture and the power relations that are established in the encounter of pedagogical nature. Therefore, substantiated in the cultural analysis, we seek to analyze and clearify the incessant construction and reconstruction of the real curriculum and to know its practices and meanings. In that sense, we opted for a qualitative methodological approach, defyning it as a case study of ethnographic nature. We used participant observation as an instrument of data collection, a field journal, semi-structured interviews and focal groups. The subjects were constituted of students, professors and managers of a public school in the city of Fortaleza, Brasil, with emphasis in the students. The research reveals that the state-owned school is a creating and socializing agency that grants primacy to the curriculum of the dominant culture and to its desire of colonization of the popular culture, showing its toes with the bourgeois capitalist State. The context observed uncovers a movement of control and of discipline of the student body, entangled by the official culture of the school seeking to assure the status quo and the forms of domination of the modern society. For such, it elaborates a discipline apparatus that cultivates the production of docile minds and bodies among the students. The school, as a modern treaty, utilizes the uniform, a stardandization system of classes, schedules, average grade, among other strategies, as a modern technology of uniformization and standardization of behaviors, practices and world views. Others meanings and values associated to the uniform are revealed. The research poits out that, despite the effort of the school to homogenize the students, the cultural dynamic of the curricular space sets out a setting marked by diversity and difference, typical of the globalized contemporary society. It shows a story line of mapping and uneven occupation of the school physical spaces, where the groups, according to their closeness or separation of the dominant official culture in the curriculum, occupy the more central spaces or move away to the periphery. Some groups of the cultural setting of the school, even start to defend the interests and the needs of the dominant official culture, in function of the symbolic profits that are attributed to the their adherents. The research shows, on the other hand, that the curriculum and the culture of the school researched are not characterized only by the game of domination and submission; the school routine is marked by a series of disparate and quarrelsome events, that can be read as having a strong sense directed to the desire to clash with the dominant official perspective in the school and in the curriculum Thus, it has the intension marked by the impetus of resistance and of clashing of the official order. For this reason, resistance and non-submission, also, marks of the school culture, predominant characteristics in some groups of the cultural setting of the school and of the curriculum, collaborating, thus, for the development and maintenance of a contentious capital, that starts to integrate the intersubjective relations of the diverse groups that compose the curricular territory. The comprehension of the phenomena studied stirs up the need for new political, cultural, and educational projects that are more committed with autonomy and freedom, offering inclusive experiences and marked by the horizon of diversity, happiness and full achievement of the people.
Descrição: RODRIGUES, Francisco José . O currículo e a cultura escolar como espaço de poder: praticando estudos culturais numa escola pública. 2007. 235f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Ceará, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira, Fortaleza-CE, 2007.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/3181
Aparece nas coleções:PPGEB - Teses defendidas na UFC

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2007_Tese_FJRODRIGUES.pdf1,29 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.