Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/37031
Title in Portuguese: Tecnologia da informação e comunicação como suporte à prática clínica de farmacêuticos em hospitais brasileiros: do diagnóstico situacional à proposta de modelo
Author: Néri, Eugenie Desirèe Rabelo
Advisor(s): Fonteles, Marta Maria de França
Keywords: Farmácia
Troca de Informação em Saúde
Sistemas de Informação em Farmácia Clínica
Assistência Farmacêutica
Issue Date: 27-Sep-2018
Citation: NÉRI, E. D. R.Tecnologia da informação e comunicação como suporte à prática clínica de farmacêuticos em hospitais brasileiros: do diagnóstico situacional à proposta de modelo. 2018. 214 f. Tese (Doutorado em Ciências Farmacêuticas) - Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2018.
Abstract in Portuguese: Pouco se sabe sobre o acesso, o conhecimento, a habilidade e a atitude dos farmacêuticos no uso das tecnologias da informação e comunicação no Brasil. Baseado em survey, com aplicação de questionário eletrônico validado, elaborou-se diagnóstico, fundamentando a proposição de modelo teórico-esquemático para software de suporte à prática clínica (PC) dos farmacêuticos. Foram obtidas 348 respostas válidas, as quais identificaram que os farmacêuticos clínicos possuem acesso a computador no trabalho (89,4%; n=311); com internet (83,9%; n=292) e sentem-se competentes para realizar buscas de artigos em base de dados (93,4%; n=325), e para usar termos MeSH (97,4%; n=347); porém, revelaram a inexistência de educação formal para tal. Apesar do acesso aos buscadores e às bases de dados científicos, a maioria utiliza o Google® como principal buscador de informações (78,7%; n=274) e reconhece a necessidade de expandir seus conhecimentos na busca de informações de suporte para a prática clínica. Identificou-se ainda que 97,41% (n=339) dos farmacêuticos registra a sua PC e destes, 64,01% (n=217) o faz em meio eletrônico, utilizando principalmente planilha eletrônica (47,93%; n=104). O arquivamento é realizado por 87,61% (n=297) dos farmacêuticos, principalmente em meio físico (80,13%; n=238), e por tempo inferior ao normatizado (77,31%; n=184). A documentação da prática em prontuário é realizada por 55,17%(n=192) deles e a disseminação das informações por 74,71%(n=260), aumentando com o tempo dedicado exclusivamente à PC (p=0,012). O mapeamento realizado revelou 1092 requisitos, principalmente funcionais (93,5%; n=1021), bem como entradas de dados, saídas de informação, e interfaces com bases de dados científicos e outros softwares. Os requisitos não funcionais destacaram a importância da segurança dos dados (p<001) e do arquivamento de informações usando descritores padronizados (p <001). Por sua vez, os requisitos funcionais revelaram preocupação com segurança do paciente, com comunicação, e com funções que facilitem a rotina profissional. Esse diagnóstico fundamentou a proposição de modelo para software de PC ancorado nos conceitos de rede colaborativa, de referência, de contrarreferência, de compartilhamento, de territorialização do cuidado, de empoderamento e de geração de valor para as pessoas em uso de medicamentos.
Abstract: Little is known about the access, knowledge, skill, and attitude of pharmacists in the use of information and communication technologies in Brazil. Based on a survey, using a validated electronic questionnaire, a diagnosis was elaborated, grounding the proposition of a theoretical-schematic model for software to support the clinical practice (CP) of pharmacists. In total, 348 valid responses were obtained, identifying that clinical pharmacists have computer access at work (89.4%; n = 311); with internet (83.9%, n = 292); feel competent to perform article searches in databases (93.4%, n = 325), and to use MeSH terms (97.4%, n = 347); but revealed the absence of formal education for this purpose. Despite access to search engines and scientific databases, most use Google® (78.7%, n = 274) as the main search engine, and recognize the need to expand their knowledge in the area. It was also identified that 97.41% (n = 339) of the pharmacists registered CP in electronic media (64.01%; n = 217), using a spreadsheet (47.93%, n = 104). But 87.61% (n = 297) maintain archives, in physical media (80.13%, n = 238), and for a shorter period than established in the regulations (77.31%, n = 184). Furthermore, 55.17% (n = 192) document their practice in medical records; and 74.71% (n = 260) disseminate the information, increasing with time dedicated exclusively to CP (p = 0.012). The mapping revealed 1092 requirements, mainly functional (93.5%, n = 1021); as well as: data inputs; information outputs; and interfaces with scientific databases and other software. Non-functional requirements emphasized the importance of security (p <001) and of information archives using standardized descriptors (p <001). The functional requirements revealed concern about: patient safety; communication, and with functions that facilitate the professional routine. This diagnosis grounded the proposition of a model for CP software, anchored in the concepts of collaborative network, referral, counter-referral, sharing, territoriality of care; empowerment and value creation for people on medication. We hope that this proposal will raise concerns and stimulate advances in the clinical practice of pharmacists in Brazil.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/37031
metadata.dc.type: Tese
Appears in Collections:DFAR - Teses defendidas na UFC

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2018_tese_edrneri.pdf486,73 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.