Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/37048
Título: Quando a sinestesia se personifica e ensina, a todos, que a verdadeira beleza reside em buscar cidadania
Autor(es): Santos, Alana Lins dos
Fontenele, Amanda Venâncio
Pedrosa, Ingrid Martins Aguiar Magalhães
Nascimento, Francisca Cecília Karine Rebouças do
Silva, Maurício Xavier
Bastos, Rafael Queiroz
Carneiro, Rosilene Serafim
Oliveira, Ruth Lene da Silva
Gonçalves, Sarah Yarina Lima Carvalho
Neves, Thais Norões
Orientador(es): Salgado, José Ronaldo Aguiar
Palavras-chave: Surdez
Humanidade
Desafios
Cidadania
Educação
Data do documento: 2017
Editor: Revista Entrevista
Citação: Santos, A. L.; Fontenele, A. V.; Pedrosa, I. M. A. M.; Nascimento, F. C. K. R.; Silva, M. X.; Bastos, R. Q.; Carneiro, R. S.; Oliveira, R. L. S.; Gonçalves, S. Y. L. C.; Neves, T. N.; Salgado, J. R. A. (2017)
Resumo: Nascer é relativo. O início da vida, como sucessão de fatos em ordem cronológica, constituídos enquanto habitamos esta dimensão, nem sempre marca, de fato, o início do viver. O caos inicial, existente - assim como no livro do Gênesis - antes do início da luz, pode perdurar durante vários anos. Às vezes, pode perdurar por uma infância inteira. Vanessa Lima Vidal nasceu, de fato, aos 13 anos de idade. Somente a essa altura começou a viver a vida que tinha direito. A - cronologicamente - adolescente, que até então se envergonhava da condição surda, cedeu lugar a uma menina que, agora, não necessitava mais das frustradas tentativas de se encaixar na sociedade ouvinte, por medo do preconceito dos outros ou, principalmente, por receio de assumir a própria surdez. Já não precisava mais existir pela metade, rir do que não compreendia ou adequar-se ao mecanicismo que caracterizara, até então, o aprendizado e processo - forçado - de oralização dela. A nova "alfabetização" e a descoberta da Língua Brasileira de Sinais (Libras) mudaram o comportamento de Vanessa, e a fizeram ver a vida de forma completamente distinta - passou a ouvir com outros olhos e falar por outras mãos. Foi crescendo menina-sinestesia, dona dos próprios sentidos. [...]
Descrição: VIDAL, Vanessa Lima. Quando a sinestesia se personifica e ensina, a todos, que a verdadeira beleza reside em buscar cidadania. Revista Entrevista, Fortaleza, n. 37, p. 84-102, abr. 2017. Entrevista concedida a Alana Lins dos Santos, Amanda Venâncio Fontenele, Ingrid Martins Aguiar Magalhães Pedrosa, Francisca Cecília Karine Rebouças do Nascimento, Maurício Xavier Silva, Rafael Queiroz Bastos, Rosilene Serafim Carneiro, Ruth Lene da Silva Oliveira, Sarah Yarina Lima Carvalho Gonçalves e Thais Norões Neves.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/37048
Aparece nas coleções:ICA - Artigos publicados em revistas científicas

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2017_art_vlvidal.pdf4,39 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.