Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/38909
Title in Portuguese: Memória dos jesuítas portugueses e história da educação brasileira: relação entre a obra de Serafim Leite e Fernando de Azevedo
Author: Cavalcante, Maria Juraci Maia
Keywords: Os Jesuítas Portugueses no Brasil
República em Portugal (1910)
Brasil Colônia
Issue Date: 2011
Citation: CAVALCANTE, Maria Juraci Maia. Memória dos jesuítas portugueses e história da educação brasileira: relação entre a obra de Serafim Leite e Fernando de Azevedo. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO, 6., 16 a 19 maio 2011, Vitória (ES). Anais... Vitória (ES), 2011.
Abstract in Portuguese: Esta comunicação integra uma investigação mais abrangente, que tem como temática central Os Jesuítas Portugueses no Brasil, no século XX, em especial, no Ceará, a partir da perseguição sofrida por esta Ordem, depois do advento da República em Portugal (1910), e de sua expulsão, a 2 de Fevereiro de 1911, feita curiosamente por meio da reedição do decreto do Ministro de D. José de 1759. Em função da expulsão da Companhia de Jesus pelos republicanos, juntamente com todas as outras ordens religiosas de Portugal, é concebida e iniciada, conforme AZEVEDO(1986), a Missão Setentrional da Província Portuguesa Dispersa, dirigida à antiga colónia do Brasil, onde a Companhia de Jesus baseara grande parte do seu projecto de cristianização, por dois séculos, até a expulsão por ordem de Pombal. Devido a sua suposta hegemonia religiosa junto à população em geral, podemos imaginar o que representou para a Igreja Católica e os Jesuítas, em particular, a perseguição a eles dirigida por parte dos novos representantes políticos de Portugal. Os Proscritos noticiam em dois volumes, publicados, um em 1910, na Espanha, e o segundo, em 1914, na Bélgica, as circunstâncias “do que passaram os religiosos da Companhia de Jesus na revolução de Portugal em 1910.” Tiveram, segundo explicita o próprios autor, Gonzaga de Azevedo, padre da Companhia de Jesus, a função de autodefesa pública numa situação de exílio, razão pela qual tais escritos adquiriram grande ressonância social na época da terceira expulsão dos Jesuítas de Portugal, antecedida que foi pela de 1759, por Pombal e a de 1834, esta pelas forças liberais e constitucionalistas. Assim, na condição de proscritos, os intelectuais jesuítas adotariam com alarde a posição de vítimas da incoerência republicana.[...]
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/38909
metadata.dc.type: Artigo de Periódico
ISSN: 2236-1855
Appears in Collections:DTPE - Trabalhos apresentados em eventos

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2011_eve_mjmcavalcante.pdf313,16 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.