Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/44181
Title in Portuguese: Seguimento de cinco anos do envolvimento do sistema respiratório em pacientes com doença de Pompe de início tardio em terapia de reposição enzimática irregular no estado do Ceará
Author: Sousa, Nancy Delma Silva Vega Canjura
Advisor(s): Holanda, Marcelo Alcantara
Keywords: Doença de Depósito de Glicogênio Tipo II
Terapia de Reposição de Enzimas
Sistema Respiratório
Issue Date: 24-Oct-2018
Citation: SOUSA, N. D. S. V. C. Seguimento de cinco anos do envolvimento do sistema respiratório em pacientes com doença de Pompe de início tardio em terapia de reposição enzimática irregular no estado do Ceará. 2018. 154 f. Dissertação ( Mestrado em Ciências Médicas) - Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2018.
Abstract in Portuguese: A Doença de Pompe (DP) conhecida também por doença de depósito de glicogênio tipo II é um distúrbio hereditário autossômico recessivo raro caracterizado por uma deficiência na enzima α-glucosidase ácida (AGA). Essa falha causa o acúmulo de glicogênio nos tecidos dos músculos esqueléticos e respiratório. Apresenta-se nas formas: infantil, juvenil e adulta (início tardio). Na Doença de Pompe de Início Tardio (DPIT) o diafragma e os músculos axiais paraespinhais são frequentemente envolvidos. A Terapia de Reposição Enzimática (TRE) é o único tratamento vigente no momento e pouco se conhece sobre as suas manifestações e resposta a essa terapia no Brasil. OBJETIVOS: Descrever uma série de casos de cinco pacientes com DPIT no Estado do Ceará ao longo de cinco anos de seguimento ambulatorial com os objetivos de: Caracterizar o envolvimento respiratório e motor à época do diagnóstico e sua evolução no período do estudo; Descrever e analisar o impacto de interrupções não programadas da TRE sobre o envolvimento respiratório e motor, analisando o comportamento das seguintes variáveis: parâmetros espirométricos - Capacidade Vital Forçada (CVF), Volume Expiratório Forçado no 1º Segundo (VEF1), Pico de Fluxo Expiratório (PFE), Índice de Tiffenau (VEF1/CVF); Pressões respiratórias máximas- Pressões Inspiratória e Expiratória Máximas (PI MAX e PE MAX); Função motora: forças Muscular Esquelética Global e Preensão Palmar, dispneia e tolerância ao exercício: Teste de Caminhada 6 Minutos (distância percorrida, saturação periférica de oxigênio, sensação de dispneia e fadiga nos MMII). E, avaliar a correlação de parâmetros da função pulmonar que se correlacionam com a disfunção diafragmática medida pela diferença percentual da CVF nas posições sentada e deitada. MÉTODO: Estudo de coorte, prospectivo, descritivo e observacional em humanos. O estudo foi realizado nos Laboratórios da Respiração da Faculdade de Medicina, e no Hospital Universitário Walter Cantídio da Universidade Federal do Ceará, no período de dezembro de 2012 a julho de 2018. A população foi composta por cinco pacientes com diagnóstico molecular confirmado de DPIT com indicação de TRE no Estado do Ceará. Foram incluídos pacientes adultos, maiores de 18 anos, de ambos os sexos. Foram realizadas avaliação da função respiratória (espirometria) e das pressões respiratórias máximas, nas posições sentada e deitada; radiografia de tórax; avaliação da espessura diafragmática, através de exame de RNM e tomografia computadorizada do tórax de alta resolução (TCAR), medida da pressão transdiafragmática (Pdi), evolução funcional (Teste de caminhada de seis minutos - TC6); com 10 acompanhamento ambulatorial e monitoramento da TRE dos pacientes. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa institucional e sob parecer nº 1.867.794. RESULTADOS E CONCLUSÕES: A queixa clínica mais comum foi de fraqueza da musculatura dos membros inferiores seguida de dor muscular. Percebeu-se um déficit motor em especial dos músculos de membros inferiores e da musculatura axial dos cinco pacientes. O envolvimento respiratório da DPIT se mostrou variável, dependendo diretamente do tempo da doença. Os dois pacientes com maior comprometimento respiratório apresentavam clinicamente movimento respiratório paradoxal. O comprometimento da função diafragmática nesses casos se mostrou maior que o próprio envolvimento motor em dois dos cinco indivíduos e se associou à necessidade de ventilação não-invasiva (VNI) noturna. A TRE promoveu melhora ou estabilidade da evolução da CVF e de outros parâmetros espirométricos confirmando assim ser este o melhor parâmetro para avaliação e seguimento do envolvimento respiratório. A avaliação da força motora global pela escala da MRC demonstrou-se melhor para o seguimento da progressão da DPIT do que a medida da força de preensão palmar. Períodos de interrupções da TRE, sobretudo se prolongados, comprometeram a resposta ao tratamento, com recuperação funcional parcial ou total após retomada do mesmo. As pressões respiratórias máximas não variaram de forma correspondente às mudanças na CVF nem os parâmetros medidos no teste de caminhada de 6 minutos, sendo esses possivelmente menos úteis para avaliar a resposta à TRE do que a CVF medida nas posições sentada e deitada. A medida da diferença do PFE nas posições sentada e deitada tem correlação com a medida correspondente para a CVF, e pode ser objeto de estudo em trabalhos futuros.
Abstract: INTRODUCTION: Pompe disease (PD), also known as type II glycogen deposition disease, is a rare autosomal recessive hereditary disorder characterized by a deficiency in the enzyme α-glucosidase acid (AGA). This failure causes the accumulation of glycogen in tissues of the skeletal and respiratory muscles. It is presented in forms: infant, juvenile and adult (late onset). In late-onset Pompe disease (LOPD) the diaphragm and the paraspinal axial musclesare often involved. Enzyme Replacement Therapy (ERT) is the only current treatment. Little is known about pulmonary manifestations in PD in Brazil, contributing to the management difficulty in this population. OBJECTIVES: To describe a series of cases of five patients with LOPDin the state of Cearaduring five years of outpatient follow-up with the objectives of: Characterizing the respiratory and motor involvement at the time of diagnosis and its evolution in the study period; To describe and analyze theimpact of unprogrammed interruptions of ERT on respiratory and motor involvement by analyzing the behavior of the following variables: Spirometric parameters -Forced Vital Capacity (FVC), Forced Expiratory Volume in the 1st Second (FEV1), Expiratory Flow Peak ), Tiffenau Index (FEV1/ FVC); Maximum respiratory pressures -Maximum Inspiratory and Expiratory Pressures (MIPand MEP); Motor function: Global Muscle Forcesand Palmar Hold, dyspnea and exercise tolerance: Walk Test 6 Minutes (distance,peripheral oxygen saturation, dyspnea sensation and fatigue in the lower limbs). And, evaluate the correlation of pulmonary function parameters that correlate with diaphragmatic dysfunction measured by the percentage difference of FVC in the sitting and lying positions. METHOD: This was a prospective, descriptive and observational cohort study in humans. The study was carried out at Resplab and the Walter Cantídio University Hospital of the Federal University of Cearafrom December 2012 to July 2018. The population was composed of five patients with a confirmed molecular diagnosis of LOPDwith indication of ERTin the State of Ceara. Adult patients, older than 18 years, of both genders were included. The respiratory function (spirometry) and the maximum respiratory pressures were evaluated in the sitting and lying positions; chest X-ray; evaluation of the diaphragmatic thickness, through examination of MRI and high resolution chest computed tomography (HRCT), transdiaphragmatic pressure measurement (Pdi), functional evolution (six-minute walk test -6MWT); with outpatient follow-up and monitoring of patientsERT. The study was approved by the Ethics Committee in Institutional Research and under opinion nº 1,867,794. RESULTS AND CONCLUSIONS: The most common clinical complaint was weakness of lower limb muscles followed by muscle pain. A motor deficit was especially noticed in the muscles of the lower limbs and the axial musculature of the five patients. The respiratory involvement of the LOPDwas variable, depending directly on the time of the disease. Two patients with the greatest respiratory compromise had a paradoxical respiratory movement. The impairment of diaphragmatic function in these cases was greater than the motor involvement itself in two of the five individuals and was associated with the need for noninvasive ventilation (NIV) at night. The ERTpromoted improvement or stability of the evolution of FVC and other spirometric parameters confirming that this is the best parameter for evaluation and follow-up of respiratory involvement. The assessment of global motor strength by the MRC scale was shown to be better for the follow-up of LOPD progression than the measurement of palmar grip strength. Periods of ERT interruptions, especially if prolonged, compromised the response to treatment, with partial or total functional recovery after resumption of treatment. The maximum respiratory pressures did not vary correspondingly to the changes in FVC nor the parameters measured in the 6-minute walk test, which were possibly less useful for evaluating the ERTresponse than the FVC measured in the sitting and lying positions. The measurement of the difference in PEF in the sitting and lying positions correlates with the corresponding measure for FVC, and maybe object of study in future studies.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/44181
metadata.dc.type: Dissertação
Appears in Collections:DMC - Dissertações defendidas na UFC

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2018_dis_ndsvcs.pdf3,88 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.