Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/51393
Title in Portuguese: Avaliação do conhecimento, atitude e prática de gestantes sobre incontinência urinária: estudo observacional
Author: Ribeiro, Gabriela Lima
Advisor(s): Vasconcelos, Camila Teixeira Moreira
Keywords: Incontinência Urinária
Conhecimentos, Atitudes e Prática em Saúde
Gravidez
Issue Date: 6-Mar-2020
Citation: RIBEIRO, G. L. Avaliação do conhecimento, atitude e prática de gestantes sobre incontinência urinária: estudo observacional. 2020. 71 f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2020.
Abstract in Portuguese: O estudo teve como objetivo avaliar o conhecimento, atitude e prática (CAP) de gestantes sobre Incontinência Urinária (IU), identificar a prevalência de IU durante a gestação, avaliar o impacto dessa condição na qualidade de vida das gestantes e identificar os fatores associados ao CAP inadequadas de gestantes em relação à IU. Trata-se de um estudo transversal, envolvendo 237 gestantes, selecionadas por conveniência, que realizavam pré-natal em dois ambulatórios vinculados a Universidade Federal do Ceará (UFC). A coleta de dados aconteceu no período de maio a novembro de 2019, por meio de formulário eletrônico contendo dois instrumentos. O primeiro com questões relacionadas aos dados sociodemográficos e obstétricos e avaliação das perdas urinárias; e o segundo direcionado para avaliação do CAP sobre IU. Os dados foram analisados por meio do IBM SPSS® Statistics versão 20.0 para Windows, utilizando-se o Teste de Qui-quadrado para as variáveis dicotômicas e teste T para variáveis intervalares. O projeto foi submetido e aprovado no Comitê de Ética em pesquisa da Maternidade Escola Assis Chateaubriand, com número de parecer 3.284.173 e respeitou as normas da resolução nº466/12 do Conselho Nacional de Saúde. A amostra foi composta por mulheres com idade entre 18 a 43 anos, sendo a maioria casada ou em união estável (86,1%) e com ensino médio completo (50,6%). A prevalência de IU foi 49,3%, com frequência mínima de perda urinária de 2 a 3 vezes por semana (50%), em “pequena quantidade” (84,2%) e com baixo impacto na qualidade de vida (Md: 4,0±3,6 pontos). Em relação à avaliação do CAP, a maioria apresentou conhecimento (89,6%) e prática tanto para prevenir (89,2%) como para tratar (78,8%) inadequados. Mais da metade das gestantes reconheceu a IU como um problema (55,2%) que acomete mais mulheres (91%) e que pode ocorrer em alguma fase da vida (91%). Na gestação, a maioria (57,2%) considerou normal a perda urinária. Muitas gestantes já tinham ouvido falar sobre IU (84,8%), contudo, baixos percentuais de acerto foram detectados em relação ao conhecimento dos fatores de risco (46,8%), da prevenção (43,8%) e do tratamento da IU (42,8%). Dentre aquelas que apresentavam IU (49,2%), apenas 21(21,2%) buscaram ajuda profissional. Apesar disso, a atitude foi avaliada como adequada para maioria das mulheres (98,5%). A maioria referiu sentir-se muito à vontade para reportar a queixa de IU ao profissional de saúde (92,0%) mesmo que este fosse do sexo masculino(80,1%) e praticamente todas (99,0%) reconheceram o pré-natal com um momento adequado para conversar com um profissional de saúde sobre formas de evitar ou tratar a perda de xixi. Não receber orientações sobre preparo do períneo para o parto durante o pré-natal (p=0,019), possuir escolaridade baixa (p<0,001), quadros mais leves de IU (p=0,027) e ser gestante de alto risco (p=0,004) estiveram associados à prática inadequada. Ausência de orientações sobre o preparo do períneo também esteve associado ao conhecimento inadequado sobre IU (p<0,001). Nenhuma variável apresentou associação com a atitude ou prática (prevenção) inadequadas e apresentar conhecimento inadequado esteve associado à prática para tratamento inadequada (p=0,019). Conclui-se que o conhecimento sobre as causas, formas de prevenir e tratar a IU é insuficiente e interfere na prática para gerenciar essa condição. Apesar de apresentar elevada prevalência na gestação a temática ainda é pouco abordada durante esse período e até mesmo mulheres que já buscaram ajuda profissional não receberam orientação adequada, evidenciando a necessidade de elaboração de intervenções direcionadas à essa população e focadas, especialmente, nos fatores estão associados ao CAP inadequados.
Abstract: The study aimed to assess the knowledge, attitude and practice (CAP) of pregnant women on Urinary Incontinence (UI), identify the prevalence of UI during pregnancy, assess the impact of this condition on the quality of life of pregnant women and identify the factors associated with Inadequate CAP of pregnant women in relation to UI. This is a cross-sectional study, involving 237 pregnant women, selected for convenience, who underwent prenatal care at two outpatient clinics linked to the Federal University of Ceará (UFC). Data collection took place from May to November 2019, using an electronic form containing two instruments. The first with questions related to sociodemographic and obstetric data and evaluation of urinary losses; and the second directed to CAP assessment on UI. The data were analyzed using IBM SPSS® Statistics version 20.0 for Windows, using the Chi-square test for dichotomous variables and the T test for interval variables. The project was submitted to and approved by the Research Ethics Committee of the Maternity Escola Assis Chateaubriand, with opinion number 3,284,173 and complied with the rules of Resolution No. 466/12 of the National Health Council. The sample consisted of women aged 18 to 43 years, most of whom were married or in a stable relationship (86.1%) and had completed high school (50.6%). The prevalence of UI was 49.3%, with a minimum frequency of urinary loss 2 to 3 times a week (50%), in “small quantity” (84.2%) and with a low impact on quality of life (Md: 4.0 ± 3.6 points). Regarding the evaluation of the CAP, the majority had knowledge (89.6%) and practice both to prevent (89.2%) and to treat (78.8%) inadequate. More than half of pregnant women recognized UI as a problem (55.2%) that affects more women (91%) and that can occur at some stage in life (91%). During pregnancy, the majority (57.2%) considered urinary loss normal. Many pregnant women had already heard about UI (84.8%), however, low percentages of correct answers were detected in relation to the knowledge of risk factors (46.8%), prevention (43.8%) and treatment of UI (42.8%). Among those with UI (49.2%), only 21 (21.2%) sought professional help. Despite this, the attitude was assessed as adequate for most women (98.5%). Most reported feeling very comfortable reporting the UI complaint to the health professional (92.0%) even though he was male (80.1%) and practically all (99.0%) acknowledged the pre -natural with an appropriate time to talk to a health professional about ways to prevent or treat the loss of pee. Not receiving guidance on preparing the perineum for delivery during prenatal care (p = 0.019), having low schooling (p <0.001), lighter UI (p = 0.027) and being a high-risk pregnant woman (p = 0.004 ) were associated with inappropriate practice. Lack of guidance on preparing the perineum was also associated with inadequate knowledge about UI (p <0.001). No variable was associated with an inappropriate attitude or practice (prevention) and having inadequate knowledge was associated with the practice for inadequate treatment (p = 0.019). It is concluded that the knowledge about the causes, ways to prevent and treat UI is insufficient and interferes in the practice to manage this condition. Despite having a high prevalence during pregnancy, the theme is still little addressed during this period and even women who have already sought professional help have not received adequate guidance, showing the need to develop interventions aimed at this population and focused, especially, on the factors that are associated inadequate CAP.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/51393
metadata.dc.type: Dissertação
Appears in Collections:DENF - Dissertações defendidas na UFC

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2020_dis_glribeiro.pdf1,54 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.