Please use this identifier to cite or link to this item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/5585
Title in Portuguese: Capital humano e rendimento dos trabalhadores das Regiões Nordeste e Sudeste do Brasil: um modelo simultâneo
Author: Araújo, José Anízio Rocha de
Advisor(s): Arraes, Ronaldo de Albuquerque e
Keywords: Capital humano
Rendimentos Individuais
Issue Date: 2006
Citation: ARAÚJO, José Anízio Rocha de. Capital humano e rendimento dos trabalhadores das regiões nordeste e sudeste do Brasil: um modelo simultâneo. 2006. 52f. Dissertação (mestrado profissional) - Programa de Pós-Graduação em Economia CAEN, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza-CE, 2006.
Abstract in Portuguese: A teoria econômica e as evidências empíricas mostram que o capital humano é decisivo para determinar tanto os rendimentos individuais quanto a renda agregada. Como decorrência, o capital humano é determinante do bem-estar individual. Nesse sentido, o presente estudo foge ao comum ao definir capital humano como um vetor de duas variáveis tidas a priori como endógenas – educação formal e estado de saúde do trabalhador – as quais comporão um trinômio base na determinação dos diferenciais de rendimentos individuais, aqui tomados em termos domiciliar per capita. Para atender as hipóteses teóricas montou-se, como base metodológica, um modelo de equações simultâneas envolvendo aquelas três variáveis endógenas, tendo como método de escolha para estimação os mínimos quadrados em três estágios. Para a verificação empírica foram utilizados os microdados da Pesquisa sobre Padrão de Vida (PPV) do IBGE, para o período 1996-1997, comparando-se as regiões Nordeste e Sudeste. Das estimações, comprovou-se a simultaneidade da hipótese teórica de endogeneidade envolvendo as duas variáveis de capital humano e rendimentos. As duas componentes de capital humano contribuem, sobremaneira, para explicar o diferencial de rendimentos dos indivíduos em favor da região Sudeste. Os resultados mostram que a condição de saúde dos indivíduos pode ser explicada em até 11% pelo seu nível educacional, enquanto que indivíduos que possuem uma condição de saúde entre regular a excelente chegam a possuir um nível educacional até 4,32% maior que a média. Já os indivíduos com a renda domiciliar per capita mínima tendem a possuir um nível educacional 9,61% a menos que a média, em situação contraria os que possuem o valor máximo da renda domiciliar per capita chagam a possuir 54,58% a mais que a média educacional dos indivíduos. Outro resultado importante mostra que sob as mesmas condições indivíduos residentes na região Nordeste tendem a ganhar 28,03% a menos que os residentes na região Sudeste. Corroborando com a literatura já existente o estudo trás também resultados inerentes aos atributos individuais que geram discriminação no mercado de trabalho, onde se constata que sob as mesmas condições: as mulheres tendem a ganhar em torno de 7,81% a menos que os homens e indivíduos não-brancos chegam a contribuir para a renda do domicílio com 9,24% a menos que os brancos.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/5585
Appears in Collections:CAEN - Dissertações defendidas na UFC

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
2006_dissert_jararaujo.pdf222,98 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.