Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/6252
Título: O Profeta e o Chocolate: disposições sociais e apetências na trajetória de José de Alencar
Título em inglês: The Prophet and Chocolate: social provisions and desires in path of Jose de Alencar
Autor(es): LINHARES, Paulo Sérgio Bessa
Orientador(es): BARREIRA, Irlys Alencar Firmo
Palavras-chave: Sociology of culture
Brazilian romanticism
Alencar, José de, 1829-1877
Escritores brasileiros - biografia
Romantismo - Brasil
Data do documento: 2010
Editor: www.teses.ufc.br
Citação: LINHARES, P. S. B.; BARREIRA, I. A. F. (2010)
Resumo: Este trabalho analisa o momento formativo da literatura brasileira, a partir do estudo da trajetória política, literária e social de uma dos seus personagens fundadores, o escritor José de Alencar. Procura-se realizar uma aplicação empírica da teoria dos campos de Pierre Bourdieu, a partir de uma revisão crítica da mesma, mitigando os aspectos remanescentes Por meio da reconstituição do quadro de disposições e dos contextos de socialização a que elas foram submetidas, no caso de José de Alencar, procura-se entender o papel do escritor cearense na criação do que de Antonio Cândido chamou de sistema literário do Brasili Inicialmente, apresenta-se um pequeno histórico da família de José de Alencar, que lança luz sobre a trajetória do escritor no espaço social do Segundo Império, com suas posições e deslocamentos. Discute-se a carreira do romancista no nascente campo literário: seus contratos com o editor Garnier, as vendas dos direitos dos seus livros, a formação de um público leitor, as relações com a crítica e com as instâncias de prestígio.Trata-se de entender como este campo se formou, estruturando-se em estreita dependência do campo político – o que se evidencia na dupla vida de Alencar, simultaneamente literato e político. São analisadas as disposições, apetências e competências decorrentes da herança familiar do romancista: sua posição de membro da elite imperial; sua formação pela Faculdade de Direito de São Paulo, onde fez amizades que seriam fundamentais para a sua carreira de jornalista; o peso do duplo estigma de “filho de padre” e tuberculoso; o físico debilitado, aliado a um temperamento irritadiço, que o tornavam alvo fácil da chacota dos adversários; e a verdadeira erupção que foi a emergência do movimento Realista, que tornaria os românticos como Alencar precocemente envelhecidos.no curso de sua trajetória social. Este quadro é confrontado com a autobiografia e as setes biografias produzidas sobre Alencar. Dessa construção (auto)biográfica surge a ilusão de que o escritor cearense seria um gênio romântico. Como alternativa a essa explicação, criticada por Bourdieu, a pesquisa propõe utilizar o conceito de “profeta”, elaborado por Max Weber no âmbito da teoria da religião, para se entender Alencar como criador de um campo de novas crenças, relativas à estética e ao papel do artista. Finalmente compara-se a estratégia adotada por Alencar com a posição assumida por Machado de Assis, que viria a ser, efetivamente, o criador do campo literário brasileiro.
Descrição: LINHARES, Paulo Sérgio Bessa. O Profeta e o Chocolate: disposições sociais e apetências na trajetória de José de Alencar. 2010. 244f. – Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Ceará, Programa de Pós-graduação em Sociologia, Fortaleza (CE), 2010.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/6252
Aparece nas coleções:DCSO - Teses defendidas na UFC

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2010-TESE-PSBLINHARES.pdf1,25 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.