Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/6278
Título: A bovinocultura de corte brasileira na perspectiva da segurança alimentar e nutricional
Autor(es): Holanda, Juliana Ribeiro
Orientador(es): Lima, Patrícia Verônica Pinheiro Sales
Coorientador(es): Mayorga, Maria Irles de Oliveira
Palavras-chave: Bovinocultura de corte
Segurança alimentar e nutricional
Data do documento: 2012
Citação: HOLANDA, J. R. (2012)
Resumo: O Brasil possui o maior rebanho produtivo de bovinos do mundo, no entanto, não há trabalhos que verifiquem se bovinocultura de corte brasileira está seguindo os princípios adotados pela Segurança Alimentar e Nutricional. Portanto, foi realizada pesquisa bibliográfica e documental, e análise de dados fornecidos pelo IBGE para inicialmente verificar se a área utilizada para as pastagens está sobrepondo àquelas utilizadas para produção de alimentos ao homem, ou mesmo degradando as áreas de mata. Para tanto foram calculadas taxas de crescimento anual das pastagens, das lavouras e das matas e analisando tais resultados foi possível verificar que o maior crescimento de área plantada está nas áreas de pastagens plantadas e lavouras temporárias, que é onde se encontra a soja e o milho, cereais mais utilizados para a alimentação animal e exportação, sendo os produtos utilizados na cesta básica nacional, produzidos em baixas quantidades. Em um segundo momento foram verificados os impactos sócio-econômicos, sociais, econômicos e ambientais. Para avaliar o impacto sócio-econômico que a bovinocultura de corte causa foram calculadas as ocupações dos camponeses com os setores da agricultura, pecuária e florestas. Para a avaliação social, os aspectos avaliados foram a saúde humana, através de estudo de diversas zoonoses, e contaminantes da produção da atividade que possam causar males à saúde do homem. Quanto ao impacto econômico, as análises voltaram-se para a contabilidade do consumo de terra e água para a produção de proteína animal e soja, observando a maior necessidade de utilização deste insumos para a produção de carne bovina. Já na avaliação ambiental, verificaram-se os possíveis impactos em cada passo da atividade pecuária bovina, desde o momento da implantação das pastagens até o momento do abate dos animais. Assim, pôde-se concluir que a bovinocultura de corte brasileira caminha sem grandes preocupações inerentes ao cumprimento dos princípios de segurança alimentar e nutricional. Concluiu-se que o êxodo rural é também impulsionado pela intensa produção de bovinos, cuja atividade ocupa grandes áreas e não necessita de muita mão de obra, substituindo áreas que poderiam ser ocupadas com atividades como a agricultura que é a maior promotora de trabalho no campo. A saúde humana pode ser fortemente abalada através do consumo de carne bovina contaminada ou contato com animais ou materiais contaminados por animais doentes. Outro problema inerente à segurança alimentar e pecuária foi a utilização de forma pouco sustentável dos recursos naturais durante todo o processo de produção da carne bovina.
Abstract: Brazil has the largest herd of cattle production in the world, however, there is no work to check that Brazilian beef cattle is following the principles adopted by the Food and Nutrition Security. So we searched the literature and documentation, and analysis of data provided by IBGE to initially verify that the area used for pasture is overlapping those used for food production to man, or even degrade the forest areas. Therefore, we calculated annual growth rates of pasture, crops and forests and analyzing these results it was verified that the largest growth of the planted area is planted in pastures and temporary crops, which is where is the soybean and corn, cereals most commonly used for animal feed and exports, and products used in the national food basket, produced in low quantities. In a second phase were observed the socio-economic, social, economic and environmental. To assess the socio-economic impact that the beef cattle were calculated because the occupations of the peasants with the sectors of agriculture, livestock and forestry. To assess social aspects were evaluated human health through the study of various zoonoses, contaminants and production activity that may cause harm to human health. Regarding the economic impact, the analysis turned to the accounts for the consumption of land and water for the production of animal protein and soy, noting the need for greater use of inputs for the production of beef. In the environmental assessment, there were potential impacts on each step of the beef cattle industry, since the time of implantation of pastures until the time of slaughter animals. Thus, we concluded that the Brazilian beef cattle walk without major issues relating to compliance with the principles of food safety and nutrition. It was concluded that the rural exodus is also driven by intense production of cattle, whose work occupies large areas and does not require much labor, replacing areas that could be occupied with activities such as agriculture which is the largest promoter of field work. Human health can be greatly shaken by the consumption of contaminated beef or contact with materials contaminated by animals or sick animals. Another inherent problem of food security and livestock was the use of some form of natural resources during entire process of production of beef.
Descrição: HOLANDA, Juliana Ribeiro. A bovinocultura de corte brasileira na perspectiva da segurança alimentar e nutricional, Fortaleza-CE. 2012. 95 f.: Dissertação (Mestrado em Economia Rural) – Universidade Federal do Ceará, Centro de Ciências Agrárias, Departamento de Economia Agrícola, Programa de Pós-Graduação em Economia Rural, Fortaleza, 2012.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/6278
Aparece nas coleções:DEA - Dissertações defendidas na UFC

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2012_dis_jrholanda.pdf1,35 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.