Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/6813
Título: "Professora também sente": significados e sentidos sobre a afetividade na prática docente
Título em inglês: "Teacher also feels": meanings and feelings about the affection in the teaching practice
Autor(es): COSTA, Áurea Júlia de Abreu
Orientador(es): PASCUAL, Jesus Garcia
Palavras-chave: Keywords: affection, subjectivity, literacy teacher, meanings and senses
Teaching practice
Professores alfabetizadores - Fortaleza(CE) - Aspectos psicológicos
Professores alfabetizadores - Fortaleza(CE) - Atitudes
Afeto(Psicologia)
Professores e alunos - Fortaleza(CE)
Prática de ensino - Fortaleza(CE)
Data do documento: 2012
Editor: www.teses.ufc.br
Citação: COSTA, A. J. A.; PASCUAL, J. G. (2012)
Resumo: O presente estudo analisa a afetividade de professoras alfabetizadoras e suas implicações nas práticas empreendidas por essas profissionais. A dimensão afetiva configurou-se histórica e culturalmente como temática negligenciada no contexto da ciência psicológica e da educação. Atualmente, presenciamos a constituição de uma tendência a considerar a afetividade, como dimensão indissociável do sujeito e das práticas sociais. Na educação, assistimos a produção de diversos trabalhos abordando a afetividade na perspectiva do sujeito discente e seu impacto na aprendizagem, ao mesmo tempo em que, constatamos a escassez de trabalhos que compreendam a afetividade do professor e os possíveis impactos dessa dimensão na prática docente. Desta feita, objetivamos compreender a afetividade de duas professoras de 1º ano de ensino fundamental, dado que esta série concentra as expectativas de toda a comunidade escolar em torno da alfabetização dos alunos, constituindo um contexto social suscitador de múltiplos sentimentos e emoções nos sujeitos envolvidos, especialmente na professora, sujeito socialmente incumbido da nobre tarefa. Como objetivo geral da pesquisa, pretendemos analisar os significados e sentidos atribuídos pelas professoras de 1º ano do ensino fundamental a sua própria afetividade (emoções e sentimentos), que perpassa as interações estabelecidas com os alunos no processo de ensino-aprendizagem. Partimos do referencial teórico da psicologia histórico-cultural, especialmente, das contribuições de Vigotski sobre a constituição dos significados e sentidos, que traduze, em sua gênese, as tendências afetivo-volitivas do sujeito. Recorremos ainda à teoria da subjetividade de Fernando González Rey, que compreende a subjetividade como produto da interação dialética entre o sujeito e o meio sócio-cultural, buscando superar a tradicional concepção que a define como mundo interno ao sujeito, que se opõe inelutavelmente a uma realidade externa. Utilizamos procedimentos concernentes à metodologia qualitativa: observações realizadas nas duas salas de 1º ano do ensino fundamental, com gravações de vídeos que retratavam interações entre professora e alunos; entrevistas semi-estruturadas com as duas professoras e sessões de autoconfrontação simples e cruzadas com as professoras. Os resultados apontaram que ambas as professoras apresentaram dificuldades na confrontação e consideração dos próprios sentimentos e emoções evidenciados nos vídeos, e quando o fizeram, não avançaram na discussão dos mesmos, tergiversando para a consideração de aspectos outros, secundários à temática em questão. Apresentaram concepções estruturadas de afetividade e demonstraram que tal dimensão impacta as práticas que empreendem, na medida em que as impacta como sujeitos docentes. Tais resultados apontam para a premência em se considerar a afetividade no contexto da prática docente. Isto significa propiciar espaços de reflexão com os professores sobre a afetividade realmente vivida nas interações professor-aluno, o que implica a possibilidade de ressignificação e redimensionamento de práticas empreendidas, não somente a produção de um conhecimento teórico sobre a afetividade, como categoria geral e abstrata, que contribui para a construção de afetividade meramente intelectualizada.
Abstract: The present study analyzes the affection of literacy teachers and their implications for practices undertaken by these professionals. The affective dimension was configured as a historically and culturally neglected theme in the context of psychological science and education. Currently, witnessed the establishment of a tendency to regard the affection as inseparable dimension of the individual and social practices. In education, we have witnessed the production of several studies addressing the affection from the perspective of the individual student and its impact on student learning. At the same time, we found a lack of studies to understand the affection of the teacher and the possible impact of this dimension in teaching. Thus, we aim to understand the affection of two literacy teachers (first grade of elementary school), since this series focuses the expectations of the whole school community about the literacy of students. This is a social context that raises multiple feelings and emotions in the subjects involved, especially the teacher, the person responsible for the noble task. As a general objective of the research, we intend to analyze the meanings assigned by the teachers of first grade of elementary school concerning to their own affection (emotions and feelings), which passes through the interactions established with students in the teaching-learning process. We set the theoretical framework of cultural-historical psychology, especially the contributions of Vygotsky on the constitution of the meanings and senses, as the elementary unit of the integrated development of thought and language, which reflects the extent of the individual emotional trends. We required further to the theory of subjectivity of Fernando González Rey. The author describes subjectivity as the product of the dialectical interaction between subject and socio-cultural circle, seeking to overcome the traditional concept taken by psychology, which defines it as a kind of personal inner world necessarily opposed to external reality. We applied the following qualitative methods: observations made in two classes of first grade of elementary school, with video recording depicting interactions between teacher and students; semi-structured interviews with both teachers and self-confrontation sessions simple and crossed with the teachers. The results showed that both teachers had difficulties to recognize and consider their own feelings and emotions shown in the videos. When they recognized their own feelings, they do not have deepened the discussion about them, considering other secondary issues. They showed structured conceptions of affection and demonstrated that affection impacts that undertake practice, to the extent that impacts them, as teachers. These results point to the urgency in considering the affection in the context of teaching practice. This means providing opportunities for reflection with teachers on affectivity actually lived in the teacher-student interactions, which implies the possibility of resizing and reframing practices undertaken.
Descrição: COSTA, Áurea Júlia de Abreu. "Professora também sente": significados e sentidos sobre a afetividade na prática docente. 2012. 154f. – Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Ceará, Programa de Pós-graduação em Psicologia, Fortaleza (CE), 2012.
URI: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/6813
Aparece nas coleções:PPGP - Dissertações defendidas na UFC

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2012-DIS-AJACOSTA.pdf1,23 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.